quinta-feira, 28 de julho de 2016

Mini Post: Eu reli meu blog...quase inteiro

Passei os últimos sessenta minutos fazendo uma leitura (bem dinâmica) das postagens desde o começo do blog. E posso falar? Eu nem reconheço mais a Tatiana de seis anos atrás (graças a Deus!). Eu aprendi com cada história que escrevi aqui. Ou pelo menos eu acho que aprendi. Quem convive comigo hoje pode falar melhor. 

Me tornei uma pessoa mais madura (ufa, seis anos se passaram e é de se esperar que a gente aprenda alguma coisa). Mas acho que me tornei mais fria também e sinceramente não sei até que ponto isso é bom. Talvez sim, talvez não. 

Fato, gente é que não sei como vocês não se cansaram do mesmo assunto Mr.Right em sei lá quantos anos. Como eu era chata (aquela do post de ontem...a pentelha máxima). 

Então, obrigada pra quem sempre me aturou, desde aquela época!!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Sobre pentelhos....

...não, não são os pentelhos que alguns pervertidos estão pensando. Estou falando de gente pentelha. Chata pra chuchu. Eles existem aos montes por aí. E aparentemente essa semana resolveram me azucrinar. 

Fico pensando o que leva um chato a ser chato 100% do tempo. Porque assim, eu sou chata. Mas sou chata quando tenho fome. Ou frio. Ou TPM. Ou estou com sono. No resto do tempo eu me considero legalzinha até. Não desconto meus problemas ou minhas frustrações em cima dos outros. Eu sei que os problemas são meus, as soluções são minhas e não é culpa do mundo se eu estou ferrada (eu ia usar f...dida, mas achei mais educado ferrada mesmo). Mas tem gente que não. Tem gente que faz questão de jogar pro mundo todas as suas frustrações.

Hoje foi um dia de uma reunião que eu (graças a deus) não fui. Uma reunião com uma dessas pessoas chatas que deve ter uma vida conjugal sem sexo. E (de novo) GRAÇAS A DEUS que eu não fui ou não estaria sentada escrevendo. Eu estaria presa mesmo. Porque no mínimo eu teria dado na cara do imbecil frustrado que meteu a boca em mim. Porque eu aprendi que se a gente guarda vira câncer, então eu teria respondido. Como eu não pude, estou aqui escrevendo. Ele não vai ler jamais, mas pelo menos eu coloquei pra fora o quanto eu lamento se a sua vida é uma droga e por isso você acaba com os outros.

Pentelhos existem por todos os lados. Até nos pêlos, se você foi um dos pervertidos do primeiro parágrafo. E a gente tem que se policiar para não se contaminar pela energia deles. Hoje eu bobeei. Mesmo não tendo ido para a tal da reunião, eu me deixei contaminar pelo que me contaram. E fiquei bem mal. Mas passou. Tudo passa. Até os chatos.

Beijos (não chatos)

terça-feira, 21 de junho de 2016

Sobre o Coração do Tinder...

To atrasada, eu sei. Mas tivemos uma lacuna de uns anos e nesse meio tempo eu me rendi ao Tinder. Pra virar a rainha do X. Para você que nunca sucumbiu ao Tinder, o X é o botão da rejeição. Clica em X, a pessoa some da sua vida pra sempre. Diga-se de passagem, esse botão poderia existir na vida real. Minha opinião.

E aí que meu (antigo) dedo podre deu um coração pra um cara. Fomos pro chat particular. Trocamos altas ideias e resolvemos jantar. Ele escolheu um restaurante romântico e eu cheguei com todas as minhas três sacolas daquele dia de trabalho. Já tinha fondue e vinho na mesa. E o cara.... Com um aparelho fixo que tinha elastiquinhos azuis. Antes que me joguem pedras, nada contra aparelhos fixos, mas TUDO contra elásticos azuis nos aparelhos fixos de quem mais de 15 anos, caso do moço. Aquilo foi um motivo pra eu ter quase saído correndo. Mas, sejamos maduras, e acabei sentando na mesa. 

Durante a janta, a certeza do dedo podre. Tenho certeza de que ele deve ter se descoberto um homossexual de primeira. Sério. O cara tinha toda pinta de gay. O sobrenome era Uva. Foi aí que desisti de vez. Vocês imaginam se a gente casa e meu nome de casada vira Tatiana Fanta Uva?????? 

Deletei o Tinder chegando em casa, naquele dia. E descobri que mesmo amando o botão X, meu dedo ainda apontava pros corações errados.......

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Atualizando....

Recebi um comentário (depois de dois anos sem escrever uma linha) que me animou a voltar. Talvez esse blog não fale mais apenas sobre relacionamento (porque entra ano e sai ano e eu não me tornei a melhor expert no assunto), mas fale sobre temas gerais.

E acho que o melhor jeito de retomar é dando uma atualizada no que aconteceu nesses últimos anos de abandono do CAUM (péssima abreviação de "Como Agarrar Um Marido). Vamos lá...

Eu continuo com a empresa aberta. Aos trancos e barrancos, diga-se de passagem. Entra cliente, sai cliente, eu choro por isso, volto a dar risada quando entra um novo, choro de novo quando sai e assim segue a vida. Um fato sobre mim que eu não sabia: eu detesto a palavra EMPRESÁRIA e tudo mais que está ao redor dela. ODEIO finanças, números e parte administrativa. Alguém avisa pra vida que eu sou da área de HUMANAS e, por isso, não sei nada de EXATAS, por favor? E não saber disso me colocou em maus lençóis. Um exemplo: quem aqui sabia que a cada nota fiscal emitida, você paga uma taxa por ela? Pois é... eu soube dois anos depois de emitir a minha primeira nota, o que significa que precisei pagar um monte de taxas acumuladas. Felizmente descobri que isso não dava cadeia e segui a vida em paz. Administrar uma empresa que já teve uma estagiária, depois uma assistente, depois duas assistentes, depois três assistentes, passou pra duas de novo e agora passou pra uma só não é a tarefa mais gostosa do mundo. Talvez eu fosse mais feliz sendo apenas eu, com menos clientes, mas com menos burocracia. Talvez. Hoje não é o que me faz feliz. Quero crescer e estou tentando com todas as forças, mas está difícil. Enfim... estamos na luta, trabalhando e tentando (sobre)viver.

Adotei duas cachorras. Uma peguei abandonada no parque (juro que estava abandonada, mas se há alguns anos você perdeu sua cachorra mini golden lata no Parque da Aclimação, troque a palavra peguei por sequestrei) e um ano depois, mais ou menos, peguei uma outra em uma ONG. Com isso perdi o direito de ter um sofá em casa, visto que elas comeram três. Vejam bem: três sofás. Comeram de ter uma espuma digna de cantar Let It Go toda vez que eu entrava em casa. Felizmente solucionei o problema: não comprei o quarto sofá para ser destruído. Não ainda, pelo menos.

Minha filha hoje tem 8 anos e é uma moça. Com temperamento forte igual ao meu  mas com coração enorme. É minha grande companheira e a grande força que me empurra para frente. Sem ela, certeza que muita coisa eu já teria deixado pra lá, mas ela depende 100% de mim então ou trabalho para garantir o melhor pra ela ou trabalho. Não tem escolha. Como toda menina da idade dela, ela tem certeza de que é adolescente e que pode passar o dia jogando no celular. Aliás, ela tinha um telefone, que foi confiscado por mim por não saber ter vida além da tela. Bem-feito. Da próxima, aprende.

Continuo não fazendo ginástica, mas pago a academia. Smartfit, aqueeeeeeeela que você pode fazer no Brasil inteiro onde estiver e a hora que quiser. Fui 10 vezes, no máximo. Em um ano. Dez vezes. Imaginem como sou uma musa fitness... sqn.

Aos poucos vou contando o resto... quis mais dar um update em comemoração ao meu UM comentário novo! Beijo, Marilda, você me inspirou!

Voltarei mais.

Bjs
Tati


Eis que eu voltei....

Fazia um bom tempo que eu sequer entrava no painel de controle daqui. Mas aí resolvi voltar. Até quando e com qual frequência eu não sei.
Mas visto que aqui foi um espaço tão importante na minha vida há exatos seis anos (como o tempo passa!!) e visto que eu ainda tenho visualizações mesmo depois de mais de ano sem postagem, achei que eu devia dar uma explicações pra quem ainda lê esse blog.

O tempo passa. E passa rápido. Dá pra imaginar que estamos em 2016 e eu comecei esse blog em 2010 depois de um relacionamento todo torto? E digo mais...dá pra acreditar que eu reli algumas das postagens mais antigas e, pasmem, eu não reconheço mais aquela Tatiana em mim. Aliás, diga-se de passagem, eu acho aquela Tatiana de 2010 um tanto quanto bobinha, quase infantil perto da Tatiana de agora. Para quem publicava que sofreria para o resto da vida (dramática eu continuo sendo, meu povo....) eu estou espantosamente feliz.

Estou namorando. (pausa dramática para os comentários de Ohhhhhhhhs e Ahhhhhhhs que alguns podem ter) E não, antes que pensem, não é o Mr. Right (que aprendemos, meu povo, não era nada Right). Então, SIM, a gente evolui. A gente sobrevive.

Volto pra contar mais depois. Se é que alguém ainda me lê mesmo....

bjs

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Voltei.....

Nunca pensei que eu voltaria aqui pra escrever. Não tinha mesmo essa intenção. Mas recebi uma mensagem pelo Facebook tão carinhosa que resolvi voltar...


Muita coisa mudou desde o meu último post. Exceto o estado civil. Não esperem novidades...hahahahahahaha


Prometo que vou escrever um mega texto contando tudo. Mas agora...ao trabalho, porque hoje é segunda e eu não ganhei na loteria!


Beijos,
Tati

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Os 30 estão chegando...

Oi pessoal!
Voltei depois de um longo e tenebroso inverno. Sem novidades, como sempre. Quer dizer, com novidades do trabalho (o que é muito bom). Tenho trabalhado como maluca. Pra quem acha que a carreira solo significa menos trabalho, tá enganado. O trabalho triplica. E a gente é obrigado a fazer coisas que detesta; financeiro,por exemplo. ODEIO!

Mas o post de hoje é para contar que dia 8 de julho eu faço 30 anos. E que daqui alguns dias eu entro no meu inferno astral (pra quem acredita...eu acho que semi-acredito). E sabem que a crise nem está batendo? Eu realmente carrego a esperança de que, nos 30, a gente adquire uma sabedoria que simplesmente não existe nos 20. Eu espero isso de coração.

De resto, meu povo, nada nada nada nada nada de novo. Sabe o que é nada? É nada mesmo. Aconteceram umas coisas bem chatas, mas que não vale a pena comentar porque se recordar é viver, eu quero esquecer disso. E bola pra frente.

Fico feliz em vir aqui e ver que tem bastante gente que ainda entra aqui em busca de novidades. Prometo que vou vir sempre que puder (ou que tiver o que falar).

Beijos,
Tati