quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Casar faz bem...ou não.

Uma amiga queridona (do grupo de melhores amigas) fez um pedido especialmente duro pra mim...comentar a matéria de capa da Veja desta semana, com o título CASAR FAZ BEM! Taci, essa é por você...

O artigo é um pouco repetitivo... diz sobre os motivos das pessoas se casaram antigamente (filhos, conveniência e blá blá blá) e renova os motivos de agora. Falam sobre pesquisas que apontam que a vida a dois pode ser mais saudável do que a vida solo. Achei meio assim, piegas demais. Não sei se porque eu conheço histórias (estou envolvida numa delas ou estava) de pessoas que se casam ou mantêm um casamento por motivos errados ou simplesmente porque eu não faço parte do time daquelas que estão rumo ao altar.

Fato é que conheço os dois lados da moeda. Do meu grupo de amigas algumas já se casaram (Taciana, Olívia, Fernanda, Carolina e Juliana) – e me desculpe se esqueci de alguém. Tenho contato com todas, umas mais e outras menos mas, pelo que tenho visto, são plenamente felizes. Para elas, o casamento fez bem e está sendo um passo importante na vida. Elas querem construir uma vida ao lado da pessoa que escolheram como companhia. Desse grupo, talvez uma ou duas (que não citarei nomes) permaneçam casadas caso o negócio não ande bem, por conta de criação familiar ou religião. Não, nenhuma delas foi criada para ser “do lar” e aguentar para o resto da vida um marido chato. Mas talvez tenham, dentro de si, convicções que não suportariam um divórcio. Torço para que nenhuma passe por isso.

O outro lado da moema é, para mim, mais dolorido. Pessoas que se casam por motivos “incertos”. Acho que cada pessoa sabe avaliar aonde aperta seu calo e leva a vida como quer, principalmente depois dos 18 anos quando – oficialmente – somos donos do nosso nariz (em teoria,pelo menos). Me envolvi com uma pessoa (sim, Mr.Right!) que está com casamento marcado para breve, bem breve. Obviamente que a noiva NÃO sou eu. Não nos julguem,por favor. A gente está fadado a se apaixonar a partir do momento que coloca o pé para fora de casa e isso aconteceu com a gente. Durante nossos meses de “relacionamento” nós tivemos várias (várias meeeeesmo) discussões sobre os motivos dele levar tudo adiante. Não posso entrar em detalhes porque essa história não é minha mas digo que entre todos os motivos que ele me deu não estava o amor. Primeiro porque, se estivesse, nas palavras de Mr.Right, ele não estaria comigo. Disse que o relacionamento que tem hoje não vai bem, mas que não poderia simplesmente jogar tudo para o alto. Ele disse que, às vezes, precisamos errar para tomar o caminho certo. Não o condeno. Eu mesma fiz isso quando insisti em ficar com o pai da minha filha apenas para criar um (falso) núcleo de família. Eu mesma cometi um erro sabendo que seria um erro. Eu “me casei” (não tive festa nem nada oficial, mas moramos juntos... é casamento) por um motivo muito errado. E a coisa não deu certo. Como é que podemos falar que o casamento faz bem se o histórico (como foi o meu e é o do Mr.Right) não é bom?

Casar faz bem, sim. Quando as duas pessoas estão plenamente conscientes e com vontade de ter ao lado uma pessoa. Quando existe sentimento e vontade de ficar junto. Quando existe amor. No fim das contas, é o amor que faz bem e não o casamento.

3 comentários:

Claudia disse...

pessoalmente, eu odeio a Veja. Pra mim, é uma revista para quem não é inteligente, mas quer achar que é. E vc comentou bem a matéria. Gostei, fofa.

Taciana disse...

Tati, fico triste ultimamente porque descasar é tão fácil, que todo mundo acha que casar também é... Então, casa-se, e são festas lindas, ou momentos especiais, mas são pelos motivos errados... Aí, é claro, não tem nada que sustente essa relação mesmo.

Para mim, casar faz bem quando vc sabe literalmente aonde está se metendo! E decide isso com a cabeça e não com o coração!

Obrigada pelo comentário - vou dizer que nem li a matéria, hahaha, sua opinião importa mais!

bjsssss

Natália disse...

Ainda não casei... nunca nem sonhei com casar, do estilo entrar na igreja e tal..sonho em ter um companheiro, amigo, amante, pai, etc, ao meu lado.

Infelizmente, me apaixonei por uma pessoa que eu acho sim, poderia ter sido isso tudo, não fosse a existência de uma ex. Nunca disse isso, e jamais direi, mas acho muito triste, ele não enxergar que ela "quer estar com ele" por motivos alheios ao amor...acho que isso quem tem que enxergar é ele, afinal, se eu disser, é pq "tenho ciumes"..coisa que honestamente, não tenho nada.