quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Até que a morte nos separe...

Um anônimo deixou uma sugestão linda para eu falar aqui no blog...casais velhinhos que continuam apaixonados. Achei o tema fofo e resolvi mudar o que eu tinha planejado para agora cedo e falar sobre isso. Anônimo, obrigada...queria saber seu nome para poder agradecer direitinho. Pode me contar depois??

Hoje em dia os casamentos tendem cada vez mais a dar errado. Acho que é porque as pessoas estão se casando por motivos errados. Antigamente a coisa era mais levada a sério e até o divórcio era demorado. Se casar, portanto, era uma decisão série e - muitas vezes - única na vida. Isso implica que as pessoas se casavam realmente quando se amavam e tudo caminhava bem. Geralmente o casamento só terminava com a morte de um dos cônjuges.

Claro,pessoal, que existiam discussões,brigas e desentendimentos. Mas, diferentemente de hoje, os casais sentavam, conversavam e se entendiam. Não era a zona que é hoje. Sim,porque hoje a tendência é discutir e separar.

Na minha família, minhas duas avós ficaram viúvas. Não sei muito sobre o relacionamento da minha avó materna, mas a paterna posso descrever.Minha avó Ada e meu avô Luciano - até onde me lembro - se davam bem. Ele era italiano e, portanto, meio friozão. Mas nunca o vi destratando a minha avó. Na verdade, só vi eles discutirem uma vez...quando ele resolveu ensinar a minha avó a arrumar a geladeira! Aquele dia ela quis morrer. Ele arrumou a geladeira toda e, quando terminou, minha avó disse: "Terminou? Ótimo...agora posso tirar tudo e arrumar do meu jeito. Ou você também vai querer cozinhar?". Só. Uma única discussão. Talvez meu pai e minhas tias saibam mais, mas isso é o que eu lembro.

Tenho um casal de alunos que não é velho...eles estão na faixa dos cinquenta e poucos anos. Mas são casados há 27. Não tem filhos, não tem cachorros, só plantas. Mas é nítido o amor que um nutre pelo outro. Vinte e sete anos...uma vida. Eu tenho 27! Eles estão casados desde o ano que eu nasci. E me dizem que, apesar de vez ou outra tentarem se matar, eles vivem em harmonia e sabem que será para sempre.

De verdade, de verdade? Acho que é isso o que todos nós buscamos...um companheiro para a vida toda. Como disse a Clau, do Vaquinha Gertrudes , procuramos uma testemunha para a nossa vida. Quando a gente encontra a pessoa certa, acho que a vida se torna plena. A gente não passa sozinho, não morre sozinho. A gente tem alguém ao nosso lado. Filhos são maravilhosos, mas acho que não preenche o mesmo espaço.

Todos nós queremos alguém junto a nós...na alegria, na tristeza, na saúde, na doença...até que a morte nos separe....

4 comentários:

Claudia disse...

Gostei muito da postagem, Tati. Mas sobre os casamentos de antigamente eu discordo um pouco: acho que o casamento era obrigação e a separação mal-vista e por isso as mulheres aguentavam muitas coisas quietas- abusos, traições etc. Mas concordo que muita gente se casa pelos motivos errados, assim como hj muitas mulheres tem filhos pelos motivos errados. Vi uma pesquisa recente que diz que o número de casamentos aumentou. Tá na moda casar, mas para mostrar para as amigas, pela festa, e muitas vezes as pessoas não pensam no convívio. Não é fácil, mesmo quando existe muito amor. Casar? Para mim, só quando a gente sente que vai ser para sempre. Acho a filosofia do "se der errado separa" ridícula. Tem gente que já se casa pensando assim, como se casamento fosse como uma viagem "se ficar chato eu volto". Bjs, continue postando, tá ótimo.

Juliana disse...

Que bom que você gostou da minha sugestão. Adorei a postagem e concordo que hoje em dia as pessoas se casam pelos motivos errados. Por isso que encontrar dois casais de velhinhos que se amam é difícil. Eu particularmente só conheci um casal de velhinhos fofinhos, os meus tios avós. Ele era completamente apaixonado por ela, dava rosas para ela quase todos os dias, levava café na cama, muito lindo. O mais imprecionante foi que quando ela morreu ele ficou tão triste que 2 meses depois ele veio a falecer. Achei que isso fosse possível apenas em filme, mas é o que eu espero que aconteça comigo.

Ahhh e meu nome é Juliana, eu tenho 22 anos e entrei aqui por acaso a pouco tempo. Eu já li todas as suas postagens e adorei, continue postando. Parabéns pelo blog.

Amore Chocolateria - Mila Basilio disse...

É realmente lindo ver esses casais velhinhos.. coisa que parece quase impossivel de se ver daqui a alguns anos, ja que as pessoas tratam os relacionamentos como se não fossem nada, não dando seu devido valor e respeitando as pessaos.
Aliais.. é incrivel ver como o ser humando tem deixado de respeitar os outros, ainda mais quando se trata de relacionamentos, mas.. a esperança é a ultima que morre!! Aashaushuahsius..

Flávia disse...

Sou muito carente, gosto de pessoas a minha volta. Quando me apaixono vou fundo. Se nao encontrar alguem para viver comigo ate que a morte nos separe vou trabalhar num cabaré porque ai sim vou ter todos ao meu lado e o melhor nao vou precisar fazer o funeral de nenhum deles... (brincadeira pai da Tati...rs)

Falando serio. Posso dizer que meus pais viveram ate que a morte os separou. Meu papai faleceu eu tinha apenas 9 anos, sinto muito sua falta. Enfim. Porém viveram muito felizes ele e mamãe. Era muito carinhoso com ela. Ele sim era o homem perfeito! Mamãe sempre diz isso.