sexta-feira, 17 de setembro de 2010

História para alegrar o coração...4

Eu queria ter feito uma mini entrevista para este post,mas resolvi escrever do meu jeito mesmo.

A Taci eu conheci no colégio, lá em Vinhedo. Faz tempo, visto que ela dançou na minha festa de 15 anos e isso foi há doze anos atrás. Nós nos tornamos amigas de cara e não poderia ser de outro jeito. Meus professores me chamavam de Taciana e ela de Tatiana. E nessas acabamos amigas. Claro que eles só confundiam o nome quando não estavam com as nossas provas em mãos. As notas dela sempre foram maiores do que as minhas.

Um dia a Taci mudou de colégio, mas a amizade continuou. A maior pena foi ela não ter feito parte da nossa formatura do colegial, mas estava de coração. Ela passou em engenharia na USP (entenderam quem era a inteligente,né?) e a vida começou a mudar. Logo no começo da faculdade ela conheceu o Daniel.

Como eu posso descrever o Daniel? Primeiro, ele não gosta de palmito. Descobri agora, quando no meu aniversário eu fiz consumê de palmito e a Taci queria que ele pedisse Habib's. Ele acabou comendo o “sorobô” de um risoto que fiz na noite anterior. Mas, além de não comer palmito, o Daniel é uma pessoa do bem. Nunca vi ele bravo, de mau humor ou coisa parecida. Certamente a Taci viu, mas nunca na nossa frente.

Um dia, do nada, recebo a notícia de que eles iam se casar. Achei o máximo!! A Taciana foi a primeira do grupo a se casar então a gente vai sempre lembrar do casamento dela de uma maneira especial. Eu mais ainda. Não fui ao casamento dela porque eu estava grávida e passei mal. Nem sabia que a Maria Eduarda estava vindo, mas faltei na cerimônia.

Isso tem quase três anos. E hoje, três anos depois, eu ainda olho esse casal e vejo o mesmo brilho no olhar de quando eles eram apenas estudantes de engenharia. Eu os adoro e espero ter um dia a felicidade que os dois têm juntos.

Um comentário:

Taciana disse...

Eba, é a minha história!

E o Daniel é calmo mesmo, tanto, que até irrita, hahaha. Mas eu já vi sim ele perder a cabeça, também depois de 9 anos!

Desejo uma história assim para todo mundo!!!

bjs, taci. Tati. Taci.