terça-feira, 14 de setembro de 2010

Uma carta de amor...

“I carry your heart...I carry it with me...I carry it in my heart...”

Quantas vezes te mandei isso por mensagem e quantas vezes você me respondeu dizendo que era recíproco? Quantas vezes a gente planejou viagens que não aconteceram, passeios que não fizemos e planos que não seriam realizados? Quantas vezes a gente visualizou um futuro que saberíamos que não chegaria? Quantas vezes falamos sobre quanto o sentimento era diferente de qualquer coisa que tínhamos sentido antes?

Várias...foram vários os planos, vários os carinhos, várias as brincadeiras. Uma história muito intensa que teve um final não feliz. Não sei se foi a hora errada de duas pessoas se encontrarem ou se precisamos desse começo torto para ter um final feliz. O que eu sei hoje é que você ainda está no meu coração e não será fácil tirá-lo. Penso em você quando acordo. Penso em você quando vou dormir. Penso em você quando vejo algo engraçado. Penso em você até quando penso em não pensar em você.

Me disseram que isso pode ser amor. Mas, que amor é esse que não pode ser vivido? Será que seremos como Romeu e Julieta, que morreram se amando e não viveram essa história? Será que a gente será como “As pontes de Madison”, onde o casal se amou intensamente por quatro dias, mas a mulher não teve coragem de deixar a família por esse amor? Será que Deus está colocando tantas dificuldades para termos certeza do que sentimos? Não sei...

O que eu sei, hoje, é que preciso deixar você ir. Te colocar num lugar lindo na minha memória e no meu coração. Dele você não vai sair. Mas preciso continuar. Você me pediu isso. De um jeito um pouco frio, é verdade. Mas preciso seguir. De que me adianta ficar te esperando se eu sei que você não vem. E, pior, como ficar esperando que você volte quando o tempo parece não passar? Passava rápido quando estávamos juntos, mas agora custa... demora. É chato.

Não sei o que esperar do futuro. Espero te reencontrar para viver esse amor, mas não sabemos se isso realmente vai acontecer. Se não acontecer, vamos estar para sempre um no coração do outro, como lembrança boa de um sentimento intenso. Se acontecer, vamos saber que tinha que ser assim...que o caminho para a felicidade real sempre tem momentos difíceis. Entendo que hoje não posso ser sua e você não pode ser meu. E respeito isso.

Só não esqueça...eu te dei a chave do meu coração. É sua. Você abre quando quiser...

“I carry your heart with me...I carry it with my heart...”

Um comentário:

Claudia disse...

ai Tati...que lindo. To tão deprê...acho que é porque conheci Mr Right and he felt so right.