quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Vende-se felicidade...

Calma,gente...não estou transbordando felicidade para sair assim, vendendo. Mesmo porque, felicidade não tem preço e nem se compra. Mas...andei pensando em algumas histórias que conheço e acho que a gente pode vender a nossa felicidade. Explico com um “case”

Tenho um amigo que conheço há bastante tempo. Ele é casado e pai de dois filhos lindos. Não tenho muito contato com a mulher dele, mas ela sempre pareceu uma pessoa muito simpática e preocupada com as crianças. Somos boas conhecidas, digamos assim. Não amigas, mas gosto dela então somos “boas conhecidas”.

Para quem vê de longe, o casamento dos dois é um mar de rosas. Ela tem a vida dela, ele tem a dele e os dois têm a vida em comum, de casados. Família semi margarina,de longe.

A coisa muda de figura quando você conversa com esse meu amigo. Não sei o que estávamos conversando um dia quando ele solta a bomba: se eu não tivesse filhos, certamente estaria separado já. Até aí, OK...muita gente pensa assim. Eu me assustei porque, na minha cabeça, o casamento deles estava ótimo.

Daí ele começa a explicar que as coisas não são fáceis, que ele não é fácil e ela também não. Que o amor acabou, mas sobrou respeito e carinho e que a ideia de não ver os filhos todos os dias faz com que ele mantenha esse relacionamento. Antes que vocês pensem, ele não traiu a mulher. Segundo palavras dele: “Não saio de casa com amigos, não vou para bares. Tudo para não cair em tentação. Fujo de mulher”.

No dia que eu comentei com ele sobre a minha situação com Mr.Right, ele me disse: “É...tem gente que vende a felicidade em troca de uma situação respeituosa ou para não ir contra princípios”. E completou dizendo que ele vendeu (ele o meu amigo) a felicidade em troca de uma vida com os filhos. Perguntei a ele o que ele pensa em fazer quando os filhos crescerem e batere as asas. Ele ficou mudo. Depois me disse: “Espero que quando isso acontecer, eu posso buscar novamente a felicidade que eu vendi”.

É...até lá pode ser que ela já não esteja mais disponível para compra...

4 comentários:

Claudia disse...

Foda né???

Flávia disse...

Eita!
Nem sei o falar...
Mas as vezes fazemos isso sem perceber!
Cuidado!!!!

eusoqueriadizer disse...

Então né... Essa é uma discussão que poderia render horas de papo no boteca... hehehe... Pq da mesma maneira que se sofre casado, se sofre sozinho... Vale a pena em qual situação vc prefere se encaixar, qual sofrimento vc quer comprar... rs

Tive que mudar meu endereço do Blog Tati, aquele estava muito lerdo...

Bjusss

Anônimo disse...

Olha posso não conhecer seu amigo para me meter na vida dele, mas por experiência própria (de filha) me sinto na obrigação de falar.

Meu pai fez isso que seu amigo fez, ele preferio deixar a felicidade conjugal de lado para não ficar longe de mim e da minha irmã. Com essa decisão posso dizer sem sombra de dúvidas que quem mais sofreu nesses 20 ANOS de casamento, fomos eu e a minha irmã. Além das brigas recorrentes, eu raramente via meu pai sorrir, eu sabia e sentia que no fundo meu pai estava infeliz, você não tem idéia do quanto isso me deixava mal. Ele vivia trabalhando para não encarar a realidade do casamento infeliz e cada vez mais ia se distanciando, mesmo morando na mesma casa. Quando ele decidio tomar uma atitude e se separar de vez, juro que foi a melhor decisão da vida dele. Além de meu pai ter recuperado a felicidade, eu tive meu pai de volta.

Hoje em dia posso dizer que sou muito mais próxima do meu pai, com ele morando em outra casa, do que jamais fui quando ele morava comigo, já que aquele homem não era meu pai.