terça-feira, 26 de outubro de 2010

Amores infantis...

Não, não estou falando daquele seu primeiro namoradinho ou namoradinha do pré-primário. Mas, se quiserem saber, o meu foi o Paulinho, um japonesinho simpático que vivia atrás de mim. Tenho duas fotos com ele no meu álbum. Será que Paulinho virou uma boa pessoa? Curiosidade..

Mas não é sobre esse amor que eu vim falar...é sobre aquele amor do passado, que todos nós temos e não conseguimos - ou conseguimos - ficar com ele. No monte de e-mails e comentários que eu recebo,sempre vem uma história de amor inacabada e com curiosidade de saber sobre essa pessoa. Acho engraçado isso...

Eu já gostei de muitas pessoas e já tomei vários foras (dei vários também). E sempre fico com aquela vontade de saber o que aconteceu com fulano, com ciclano. E está aí a santa (ou infernal) internet para nos ajudar.

Acho que a graça está em saber como vai a pessoa. Saber se casou, se está bem, se tem filhos...como está a vida.

Problema começa quando a gente se questiona: E se eu tivesse ficado com ele? (ou com ela para os meninos)

11 comentários:

Isabela Bonfim disse...

Oi Tati, to passando pra deixar um "oi".
Sobre o post, bom, eu nunca tive namoricos quando mais nova, então não tenho com quem me imaginar, ehehe.
Mas vivo procurando colegas do colégio pra saber a quantas anda a vida de cada um. Engraçado que muita gente, acabou se encontrando mais tarde e casando. Bjoss

Claudia disse...

O complicado é ver que uma pessoa que terminou um noivado de 8 anos para ficar com você e você não quis ainda está solteira e sem filhos, rs.

http://vaquinhagertrudes.blogspot.com/

Claudia disse...

Então, vou responder aqui por que no Vaquinha não posso, mas um ex-aluno terminou o noivado dele de 8 anos para ficar comigo e eu não tava a fim. Eu encontrei ele na net e ele ainda tá solteiro, com uns 40 anos...foda né?

JuTorres disse...

Me identifiquei, nem preciso comentar né... depois do meu texto enorme de ontem. Logo depois q escrevi aquilo tudo, descobri pelo facebook q o fulano do passado está noivo. fiquei péssima, senti um aperto no coração e vontade de chorar... mas pq diabos eu senti isso se eu tbm namoro há anos? Foi um sentimento de perda bobo, q já passou. Hj é outro dia e já estou bem melhor, diria até q estou pouco me lixando ( ou quase isso)... acho q to meio angustiada p/ q o meu dia tbm chegue.. nunca quis casar, mas meu namorado vem falando tanto em morar junto q me despertou essa vontade louca de juntar os trapinhos e construir minha própria família!
Meu Deus... falo demais!! acho q preciso diminuir meus comentários...rs

Tati disse...

Que nada, Ju!!! Pode continuar comentando sempre que vc quiser e pode ser o tamanho que for do comentário.
Acho que esse seu sentimento é normal... pode ser até aquela coisa de "perdi e agora".. Mas fica sossegada. O que é nosso tá guardado e logo mais vc vai ter seu final feliz.
Beijos,
Tati

Aninha disse...

Adorei seu blog!
Super divertido!!!
Beijos

eusoqueriadizer disse...

O amor da minha vida foi e sempre será um só...
Eu tô bem, ele tb, mas nunca vou esquecê-lo.
E pra piorar, ele ficou anos correndo atrás de mim, mas eu queria curtir a vida e conhecer outras coisas...
Hj isso passou. E não tenho mais ele...
Enfim, quero a sua felicidade, independente de qq coisa...

Bjussss Tati

Anônimo disse...

Oi Tati. Adoro seu blog e a maneira como escreve que é muito legal. Eu tive um amor platônico na adolescencia e depois de uns 7 anos eu o reencontrei e acabamos ficando.
Olha, foi uma merda porque na verdade eu percebi que o que me atraia naquela fase adolescente não tinha nada a ver com o momento que eu estava. Na verdade, enquanto o amor era platônico era melhor. A parte boa foi ter conhecido quem realmente ele era pois foi o que me fez perceber que nem tudo que reluz é ouro e que as vezes dispensamos tanto tempo amando uma pessoa e quando vamo conhecer essa pessoa no intimo ela não é nada do que parece ...
PARABÉNS PELO BLOG ... é uma delícia se divertir navegando por ele.

Anônimo disse...

Tati,

Preciso contar que já tive um amor platônico, e era meu vizinho do prédio uns 7 anos mais velho e a vaga dele de garagem era bem em frente a minha janela, eu sabia quando ele chegava e saia pelo barulho do carro e lá ia pra janela espiar e ele que sempre dava uma espiadinha para ver se eu estava na janela tb..e não é que depois de uns anos entro em uma sala de bate papo e depois de um tempo conversando descobri que estava conversando com elee e quase morri do coração... falei que ele era meu vizinho e não tive coragem de me identificar.. ele até citou meu nome mas fiquei com vergonha e não me revelei! TONTA! Depois encontrava com ele no prédio e trocavámos olhares, mas como ele era tímido e eu tb, nunca nos aproximamos mais e passou... hj estou muito bem casada e adivinhem o que descobri? Ele mora na mora em um prédio na mesma rua que eu!!! Isso a irmã dele me falou quando encontrei com ela no prédio da minha mãe! Pode?? Se um dia cruzar com ele por aqui não sei qual vai ser a reação e principalmente a emoção!! rs

É isso Tati! Adoro seu blog!

Beijos

Flávia disse...

Engraçado falar disso. A duas semana atraz eu fui a um casamento de um amigo do meu irmão. Uma linda festa, todo mundo muito elegante e es que vejo no altar um cara que nao me era estranho. O danado nao tinha mudado nada. Quando bati o olho parecia que estavamos na escola ainda. Eu era apaixonada por ele. rs... Amor de escola. Foi engraçado. Comentei com minha cunhada e ela deu risada e ainda o chamou de feio. rsrsrs... Fiquei brava...rsrs... Ele me olhou mais acho que logo de cara nao reconheceu. Depois o peguei me olhando e dei risada. A namorada dele chegou ja furiosa com ele por estar me olhando. Afinal eu estava linda (desculpe a mosdesta, mas estava mesmo). Depois nem o vi mais. Mais foi legal o ver denovo.

Tati disse...

Amores infantis são os melhores....
Será que o Paulinho, o japonesinho que foi o meu primeiro namorado virou o Toshi?? hahahahahahahahahahahahahaha