segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Euamovocê.com.br


Hora do almoço no trabalho sempre rende boas risadas. Quando é só mulher então...além de risadas, me rende pautas para o blog. Hoje o tema, meio sem querer, foi namoro pela internet.

Fiquei pensando no meu passado virtual. Minha mãe, quando eu tinha meus 15, 16 anos, estava em uma fase que precisava desesperadamente de um genro para chamar de seu. A solução não veio a cavalo, mas de mouse. Ela criou um ICQ (cheiro de naftalina no ar) em meu nome, fez uma busca nos pretendentes da região e conversou animadamente com alguns deles. O resultado nunca foi positivo, mas rendeu risadas durante anos. Minha mãe, super corajosa, chegou a marcar encontros com alguns desses escolhidos e, bem, a Tatiana que ela apresentava não condizia muito com a realidade.

Me lembro de um desses encontros. Minha mãe chamou o cara que, acho eu, se chamava Rafael para um jantar em casa. Claro que eu era contra essa ideia, mas estamos falando da minha mãe então não adiantou argumentar contra. Eis que aparece o cara. Não me lembro dele fisicamente, mas sei que a personalidade dele e a minha eram compatíveis como a água e o óleo. Entenderam? Química ZERO! Para completar a situação, já não agradável, resolvi colocar um CD de uma das minhas cantoras preferidas da época, Céline Dion. O cara, simpático como ele só, fez questão de "elogiar" meu gosto musical chamando o CD de lixo. Ficamos em total silêncio por meia hora. Até que eu, num gesto simpatissíssimo, disse que estava tarde e precisava dormir. E fui para o quarto, deixando a minha mãe e o cara sozinhos. Não preciso dizer que nunca mais eu tive notícias do moço. Nem que eu e minha mãe tivemos uma briga por conta disso. Fato é que ela não desistiu...

Na lista de encontros que não deram certo vocês podem contabilizar um cara que era gago (mas nunca mencionou isso antes de encontrar pessoalmente comigo), um que dançou comigo na minha festa de 15 anos a pedido da minha mãe (e depois de tomar um "não" de um pedido de namoro, virou punk e com pensamentos suicidas) e vários outros que eu consegui evitar o contato real e ficamos só no virtual e depois, nem isso.

Eu acredito em amores virtuais. Mesmo. Conheço casos bem sucedidos. Meu paidrasto conheceu a Cris, mulher fofa dele, pela internet. São casados há mais de 10 anos. Uma amiga de uma amiga minha (ou prima dessa minha amiga, não me lembro) casou com um cara que conheceu na internet. E assim, tantas outras histórias deram certo.

Acho que é porque nenhuma dessas histórias contaram com a presença da minha mãe no meio delas...

15 comentários:

Dani disse...

Afeeee...

Minha mãe também foi super "participativa" no início da minha vidinha virtual. Juro que ela sentava do meu lado para acompanhar as minhas conversas virtuais. Isso durou até o dia que eu falei pra ela que os amigos eram meus. :-\ É que ela queria responder as mensagens por mim...

Nossa...quando lembro disso, acho tudo muito paranóico. Hahahahaha

Beijo.

Tati disse...

Ai morri de rir, bom primeiro de tudo, eu tb tinha ICQ hahahahahaah (lembro daquele barulhinho quando estava alguem no ar)
Mas sua mãe, hein...deve ter sido ao menos engraçado.

beijokas amiga
Tati

IdéiaSubstancial disse...

Eu tenho muuuuuuuuuitos amigos virtuais agora amor virtual não acredito muito não hehehehe...Bjoooooooooo amore!!!

Isis Coelho disse...

hahahahahahahahahaha]É verdade Tati!!! Nem lembrava dessa coisa da sua mãe buscar um namorado pra vc! hahahahahahahahahaha


Bom, amores virtuais podem dar certo. Meu caso começou no orkut! olha só! =)

beijos mil amiga!

Claudia disse...

Amei, Tati. Eu namorei pela internet vários meses, quando encontrei o cara quis morrer! Mas eu não entendo por que as pessoas não "acreditam" em amor virtual...você pode conhecer a sua alma gêmea em qualquer lugar, seja na escola, na balada ou na web..né?

Isabela Bonfim disse...

Haha, sua mãe marcando encontros foi o melhor! Não conheci meu marido pela internet, mas foi pelo ICQ (é, eu tb usava) que batemos altos papos antes de começarmos a namorar. Bjsss

Bruna disse...

Adorei as histórias dos namoros virtuais.. eu tbém conheci algumas engraçadas de encontro pela net.. Bjossssssss
E sobre a calça eu não uso nem..

Gabi de Davi disse...

ai Tati acho q vc pode me ajudar sim...
tem algum email? aqui no trab é bloqueado msn :o(

bjs

Daniela Freitas disse...

Eu AMO a internet! Conheci meu marido na rede e agradeço a Deus todos os dias! A gente sempre brinca que se não fosse na internet a gente nunca teria se conhecido em outro lugar, pois os lugares onde frequentavamos não tinham nada a ver, aí meu marido fala q de repente só se ele me atropelasse numa dessas avenidas de SP !!

Wan disse...

Olá, tudo bem?

Já conheci milhões de sapos pela Net, acrdita??? Mas ainda procurando o principe encantado!!!

Beijos!

Wan ♥ ♥ ♥
www.belezapedagogica.blogspot.com

Karol Verri disse...

Namoro pela internet geralmente é uma roubada.
Esse post me fez lembrar o filme " Minha mãe quer que eu case", muito bom por sinal.
Bjs
http://antenadasefashionistas.blogspot.com

Roberta. disse...

Eu tive/tenho um amor virtual. Encontrei ele em uma página da internet, nunca havia adicionado ninguém, não sei por que raios add ele, acredito em destino, ou intuição, ou sei la.
Nos conhecemos pessoalmente e houve a tal, física, química, etc... nos gostamos muito, mas devido a algumas circunstâncias no momento não estamos juntos, tomara que seja apenas um momentos, fazem mais de 2 meses que não vejo ele... mas ainda continua mais vivo do que nunca na memória e no coração.

Flávia disse...

Eu estava louca para ler logo esse post. Mas sabe como é, o trabalho nao estava deixando. Enfim cheguei nele e tenho algumas historias legais para contar. Vamos a elas...

Meu primeiro namorado o conheci pela net, Par Perfeito. Foi a primeira vez que tive conhecimento do site e logo arrumei um namorado. Louco? Pouco. Ficamos juntos quase 2 anos e juro, se eu nao fosse tão imatura na época estariamos juntos ate hoje. Pq ele gostava mto de mim. Mas sabe como é. Entra na facu, bares, amigos novos, poder de liberdade de mãe... Enfim... Perdi o cara. (espero que um dia ele leia isso) Ainda tenho contato com ele, mais mto pouco. Dias atraz ele passou a me seguir no twitter.

Depois dele namorei por 3 anos. Mas o cara nao era da net. Quando terminamos voltei para a net mais apenas sala de bate papo. Adorava passar horas na Uol teclando com com o povo. La conheci Ale. Um cara foto, inteligente, pena morar longe. Mas mesmo assim chegamos a nos encontrar por algumas vezes. Nossa foi a senhora quimica. Tudo combinava - so nao vou entrar em muito detalhes de que, quero ficar bem com o papai da Tati...rsrsr... - E por qualquer outros motivos nao nos vimos mais, mas ainda temos contato. Nos devertimos muito ainda pela net.

Ai,vem um cara que conheci a nao muito tempo, Ma. O Ma é muito fofo, me entende (quando quer...rs) inteligente. Amo conversar com ele. Adoro o jeito que escreve pra mim. As vezes nos desentendemos mais logo nos acertamos. Ainda nao nos encontramos, sinto muito vontade disso acontecer logo, so que as vezes nao sinto muito dele. Nos falamos todos os dias. E ele ta bravo comigo porque estou sem net em casa. rsrs. Ele me faz muito bem, sabe o que falar e quando falar. As vezes nao gosto, mais sinto que é para o meu bem. Depois de um tempo de papo e nada de nos encontrar comecei a chama-lo de amigo imaginário. rsrs...

Bom, tive outras experiências com contatos vituais, mais nada que pudesse entrar aqui. E se um dia eu vier a conhecer, de verdade, meu amigo imaginário conto a vocês. Espero que logo, afinal to louca pra conhecer de perto aquele bocão que ele tem...rsrs...

Tati disse...

Flaáááá...vc e sua coleção.
Acho que vc vai virar um case pra mim...hahahahahahaha
Beijos,
Tati

Flávia disse...

Nossa.... uahuahuhuahauhauhauhaha...
Eu sei que sou a atração desse blog...rsrsrs...