sexta-feira, 29 de outubro de 2010

(IN)substituíveis

Quando eu tinha 14 anos eu ganhei uma poodle da família do meu pai. Dei a ela o nome de Leila, que era o nome da médica que me passou o endereço para comprá-la. Não me perguntem o que a veterinária achou da homenagem porque eu nunca tive muita coragem de perguntar. Enfim...quase 10 anos depois de muita convivência, a Leila foi para o céu dos cachorros.

Ela era uma cachorrinha especial... vivia atrás de mim, dormia comigo e ficou cega aos 6 anos de idade, numa briga com a minha boxer (também já falecida). Por incrível que pareça ela se adaptou perfeitamente à nova condição visual e até passear de coleira ela passeava. Era a minha "alma gêmea" canina.

Com a morte da Leila, acabou entrando na minha vida a Mel, uma yorkshire. Ah,sim...Mel de Melanie, por favor. (Podem dizer que tenho um gosto duvidoso para nomes de animais....renderia um post). A Mel veio porque eu não sei viver sem cachorros e preciso da companhia de um bichinho. Acho o amor que os animais têm o mais puro do mundo. Sério. Nem seu filho vai te amar tão de graça quanto o seu cachorro e isso é fato.

Dias atrás eu acordei de madrugada com a Mel fazendo sei lá o quê e dei um mini berro: Poxa, Leila, vai dormir!!! Assim...do nada. A cachorra entendeu que era com ela porque era o único ser que estava no meu quarto, mas não associou ao nome dela. Eu falei o nome da minha antiga cachorrinha.

Isso me fez pensar em substituições. Será que a gente consegue, realmente, substituir as pessoas, os animais e as coisas que perdemos? Será que esses todos que vêm depois são meros "prêmios de consolação"? Será que é verdade que "nada como um amor novo para curar a dor do velho"?

Não sei...o amor que tenho pela Mel não é tão forte, nem tão intenso quanto o que eu tive pela Leila. Anos se passaram desde que ela morreu e eu ainda choro a sua perda. Ainda me pego pensando nos aniversários dela e nas coisas legais que passamos juntas. Acho que isso é amor verdadeiro e, gente, se for assim com um "certo alguém"...bem, podem vir milhares de outros amores...mas "aquele" será sempre especial.

E, como sempre, nosso mantra: O que tiver que ser, será....

PS: Já viram a promoção? Corre no post Solteiras de São Paulo .

9 comentários:

Oficina Chic disse...

Suas palavras fizeram eu pensar, e muuuito!
No meu caso espero que apareça um para substituir..
Beijos, Gabi

Isabela Bonfim disse...

Bom Tati, vc acompanhou "ao vivo" meu drama com meu cão senior uns dias atrás, né? Graças a Deus ele ainda está aqui, mas tenho certeza de que ele é insubstituível. Amo cachorro e posso até ter outro um dia, mas o Chuim é a MINHA alma gêmea canina, hehe.
Posso falar? Quase chorei com esse post, hihi.
Bjão!

http://ourdreambox.blogspot.com

Dani disse...

Eu amo cachorros!!!

A minha cachorrinha desapareceu no Natal de 2008... :( Tenho saudade da bichinha feiosa... rsss Nas decidimos não adotar outro pet depois disso. Mas eu sinto mta falta de ter um cachorrinho em casa...são os únicos q fazem festa pra gente qdo retornamos pra casa, né? Isso faz falta.

Beijo.

Tati disse...

Cachorro é tudo de bom...já diz a Pedigree...

Anônimo disse...

Não acredito em substituições quando de trata de amor, mas acredito na novidade, renovação, vida nova, superação... Alguns se vão, e pra quem fica, vida que segue! Atras de uma nova história, um novo sentimento... uma oportunidade de ser feliz, né?! Ninguém merece passar o resto da vida sofrendo e chorando! Até por que, quem partiu, nem deseja isso pra pessoa amada que ficou!

O amor por quem foi é eterno, e vai ter sempre um lugar especial no coração, mas sempre há espaço pra um novo amor, um novo cachorrinho, um nova pessoa...

Esse é o meu pensamento, mas não sou dona da verdade!heheheh

Beijos
Carol "da prima legal" hahahah (esse nick vai ficar)

Tati disse...

Carol (da prima legal),oi de novo...
Eu concordo com tudo o que vc disse. Acho que, de repente, amor é uma coisa que muda de pessoa pra pessoa.
Mas...a pergunta que não quer calar é: será que a gente pode amar (e digo amar de verdade) mais de uma pessoa nessa vida?? Ou cachorro... pode ser tb.
Beijos,
Tati

Thais Moura disse...

Tati, adorei esse post....me fez pensar muito a respeito e ate lagrimas me escorreram dos olhos...li os comentários tbm.....
Sabe a pergunta que nao quer calar que fez acima... sempre me perguntei isso.... e aida nao sei a resposta, mas te digo uma coisa.... acabei de sair de um relacionamento e estou muito triste e sofrendo bastante.... mas o meu primeiro amor esta voltando na minha vida de novo, como amigo...ai pergunto....sera que gostava realmente do meu ex que acabamos de terminar, ou foi um "premio de consolação" para esperar o meu primeiro amor e talvez o unico? Se sim....entao amamos verdadeiramente apenas uma pessoa.... as outras que passam por nossas vidas sao "premios" que gostamos mas talvez nunca as amamos de verdade.....
assim acho que ninguem substitui ninguem....pois as lembranças sempre vao ficar... e se lembranças ficam, quer dizer que nao esquecemos, ou seja, nao substituímos....
e isso ocorre tbm com nossos cachorrinhos...alias a minha foi embora ano passado e nunca vou esquecê-la.......
bom... acho que ja escrevi muito....rsrs
beeeeeeeijo
Thais

Tati disse...

Oi Thais!!!
Adorei a sua história...é linda. Depois me conte sobre seu primeiro amor,tá?
E cachorrinhos...sempre deixam boas lembranças e saudades,né?
Beijos pra vc...

Flávia disse...

Olha Tati, sinceramente nao gosto de medir amores. Claro que sentimos uma emoção por alguem/algo mais do que outros. So que nao acho legal classificar. No caso na Leila foi em uma epoca que vc nao tinha tantas coisas para cuidar. Trabalho, casa, filha... Enfim. Entao acabava se dedicando mais. Tinha mais tempo para "ama-la". Bom, é o que acho. rs...