terça-feira, 30 de novembro de 2010

Micro post: pensamento do dia...

Essa veio da Malu, amiga fofa:

Quando criava os maridos, Deus prometeu às mulheres que os bons e ideais seriam encontrados em todos os cantos do mundo.

E depois ele fez a terra redonda...


É...deve ter sido assim mesmo.

A culpa não é sua...mas você paga o pato!

Eu lembro quando aprendi na aula de biologia sobre a pirâmide de energia e de biomassa. Funciona, em linhas gerais, assim: você carrega a energia e incorpora a massa daquilo que consome. (Não me lembro exatamente de tudo, mas é algo do gênero) Com relacionamento a coisa é mais ou menos parecida: levamos com a gente as marcas de tudo o que passou. E aí o bicho pega. Se a relação anterior for traumática, o coitado (ou coitada) que vem depois é o que paga o pato.

Quantas e quantas vezes você já se relacionou com uma pessoa que fez com você algo que é reflexo da (ou do) ex? Exemplo: a ex do seu atual não era carinhosa. Você é super. Sabe o que acontece? Vocâ não ganha carinho porque ele aprendeu a não ser mais assim. E por aí vai...

Isso é do ser humano. "Se vingar" naquele que não tem culpa. É uma ação totalmente inconsciente, mas acontece. E o policiamento precisa ser dobrado para não acabar com uma relação que poderia ser bem-sucedida e não será por culpa nossa mesmo.

Eu já tratei gente mal por conta do modo como fui tratada. Hoje vejo que não adiantou mudar o meu jeito e ser "ogra" como um dos ex apenas para proteção. O caminho é ser do jeito que eu sou e me mostrar verdadeiramente. A pessoa que estará ao meu lado, automaticamente, fará a mesma coisa.

Enfim...complicações existem, o passado de cada um é forte e precisamos aprender que passado ficou lá atrás. Como diz a minha mãe, quem vive de passado é museu!

Ruim com eles, pior sem eles...

Eu sou a favor do ser humano nascer com uma cartilha (nossa, palavra nooooova) sobre como entender o sexo oposto. Se você nasce menino, sua cartilha é rosa e se você nasce menina, sua cartilha é azul. Daí, desde pequeno, você aprende a entender a cabeça do sexo contrário. Sim,porque é necessário um diploma de psicologia (e olhe lá!) para saber o que se passa no cérebro alheio. Seria tão mais fácil.

Não, não é revolta e nem TPM. É constatação. Todos os dias tem uma amiga e um amigo falando sobre os percalços da relação. Ou a pessoa é compreensiva demais (e aí pode ser falsa) ou ela não entende a sua vida (e aí passa a ser imcompreensiva) ou ela te cobra demais (e aí você se sente pressionado) ou ela não te cobra em nada (e aí você se sente largado) e nessa, ninguém se entende.

Acho que os casais, quase casais, não casais ou eternos DRS precisavam jogar mais às claras, preto no branco. Aposto que isso, com certeza, diminuiria o número de brigas, términos e lágrimas. Uma amiga querida veio conversar comigo hoje sobre o namorado (?). Eles ficaram separados um tempo e voltaram (??) e ontem ela fez uma declaração de amor e comentou um pouco sobre o distanciamento dele e a resposta para a fala bonitinha dela foi: Preciso ir ali resolver um negócio. Isso é resposta que se dê? Me xinga, me manda calar a boca, diz que eu só falo asneira... mas não me ignora e nem finge que não ouviu. Porque aí fica muito pior.

Não sei os homens, mas as mulheres pensam. E pensam muito. E aí surgem todas as encanações que vocês dizem odiar e pedem que a gente não tenha. Mas me pergunto: como não tê-las se vocês não falam diretamente aquilo que pensam? E, quando abrem a boca, falam em código que, geralmente, precisam de uma semana para serem decifrados. Não dá. Simplesmente não dá. E aí viramos esses bichos que vocês chamam de descontrolados.

Por isso, minha gente, gostei da teoria de uma amiga de uma amiga. A teoria do "Por hoje não....". "Por hoje eu não vou mandar mensagens". "Por hoje eu não vou chamar no MSN". "Por hoje eu não vou ligar". E por aí vai.

E é por isso, em homenagem à essa teoria que digo: POR HOJE NÃO VOU TENTAR ENTENDER OS HOMENS...mas só por hoje.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Lá vem a noiva...1, 2, 3...14 vezes!

Ahhhh...o fantástico mundo das celebridades! Quando eu era pequena, posso jurar que meu sonho era ser famosa e aparecer na Caras. Hoje eu acho que o meu sucesso tem que vir da minha profissão. Ainda quero aparecer na Caras, mas como uma grande Relações Públicas e não a qualquer preço.

Esses dias pipocam na impresa (em todas, das ótimas até aquelas sensacionalistas) sobre o 14º casamento da Gretchen. Tá bom que Gretchen não é celebridade, mas vende revista e tem história. Hoje cedo, no Ego, eu li uma entrevista dela falando sobre a união. Acho engraçado que ela defende que dessa vez será para sempre. Aham...se eu der um google nela, as outras 13 vezes terão a mesma certeza.

Acho isso tão errado. Mais uma vez a banalização do casamento e da união de duas pessoas. E, para quê? Vender revista, fazer mais shows? Será que ela pensa que está passando esse tipo de valor para os filhos e filhas? Será que ela não vê como está sendo ridícula nesse tipo de exposição? Acho que não. Pensem no passado da Gretchen. Agora analisem se ela está ligando para isso ou não?

Fico com pena desse pessoal que casa e descasa zilhares de vezes. Acho sim, que podemos voltar atrás se acabar o amor ou por algum outro motivo forte, mas me recuso a acreditar que uma pessoa consegue cometer esse mesmo erro por 13 - TREZE - vezes seguidas e ainda achar um orgulho! Pior ainda é que ela vai se casar como manda o figurino, com flores, vestidão, padre e tudo mais.

Tsc,tsc,tsc...e assim caminha a humanidade!

Amor e Sexo...

Faz tempo que tenho me programado para escrever sobre amor e sexo aqui no blog, mas sempre adiava e nem sei direito o motivo. Ontem, no entanto, depois de uma conversa com um amigo gay, resolvi que era a hora. Antes, porém, notícias do fim de semana. Nada aconteceu. Calma, não resolvi fechar a boca e não falar nada, mas é que nada mesmo aconteceu. Ontem jantaríamos juntos, mas os filhos foram dormir na casa dele e acabei não vendo o cara do bar.

Daí resolvi ir ao cinema com um grande amigo meu. Ele é homossexual...gay. Adoro a palavra gay! Sabiam que em inglês ela quer dizer alegria? Por isso que eu falo: Tenho amigos gays e não Tenho amigos homossexuais. Acho mais bontinho. Enfim...

Esse meu amigo namora há alguns meses uma pessoa que é maravilhosa. Eu o conheci ontem e posso dizer que passamos um tempo agradabilíssimo juntos. O namorado, por sinal, é europeu. Aí que na conversa com o meu amigo, ele disse o quanto essa pessoa é interessante e contou que se sente feliz por, finalmente, achar um homem com quem possa conversar. Comentei com ele que pelo visto, ele estava 100% satisfeito em uma relação depois de muito tempo. Mas não. Ele não está. Disse que o sexo não é bom. Não vou entrar nos detalhes que ele me contou, mas posso garantir que, para um gay, realmente a situação NÃO é boa.

Diante do cenário, fiquei me perguntando qual seria a solução que, provavelmente, ele me relataria nos próximos cinco minutos de conversa. Eis que ele solta a bomba: Gosto dele, mas como não estou feliz no sexo, tenho gente que me ajuda nessa parte. Como assim? Quando a gente só elogia o parceiro não é de se supor que a gente esteja só com ele? Quando foi que o mundo mudou e ninguém me avisou?

Comecei a pensar sobre as conversas que já tive com amigas, amigos, parentes, homens, mulheres, gays e afins...não é de hoje que eu ouço a teoria do "você pode amar uma pessoa, mas transar com outra e está tudo bem". Pra mim não está tudo bem. Pra mim funciona assim: ou está comigo ou não está. Não adianta estar comigo mas querer pastar na grama da vizinha. Acho um pouco difícil você sustentar a teoria de que ama uma pessoa, deseja outra e está tudo certo.

Até que ponto isso pode mesmo ser verdade? Será que as pessoas passaram a ter dois valores diferentes? Será que podemos ter uma relação completa,porém em parcelas: uma parte com uma pessoa e outra parte com outra?

Não sei...começo a semana pensando nisso tudo. O que acham?

domingo, 28 de novembro de 2010

O homem sabão

Depois da Mulher Melancia, Mulher Melão e por aí vai, vamos conhecer o mais novo tipo de homem no pedaço: o homem sabão.

O homem sabão é aquele que te quer por perto, mas ao mesmo tempo, te quer longe. É aquele que te trata como cachorrinho,sabem? Quando você está com um rolo novo, ele aparece e te trata como princesa. Mas na hora de assumir um relacionamento com você, ele escorrega como...sabão!

Esses dias uma amiga veio me contar sobre um caso típico do homem sabão.Um cara que ela se envolveu, depois ele se envolveu com outra pessoa e depois todo mundo virou amigo. Ela ainda está presa a ele de alguma forma que nem ela consegue entender, mas ele não define o que pensa. Quando ela tenta se libertar, eis que o homem sabão retorna do túmulo.

Semana passada se encontraram no show do Paul, o acontecimento do século! Ele a tratou cheio de nhéco-nhéco. Mas ficou com outra, escondido dela. E ainda perguntou porque ela estava brava.

Confesso que fico pensando o que eles ganham nesse jogo. Ponto positivo não vai ser...Namorada também não. Mas o que eu mais fico pensando é: como tirar esse sabão da nossa vida???

sábado, 27 de novembro de 2010

Pizza e Tropa de Elite

E aí eu fui jantar!!! O plano inicial era jantar em algum restaurante, mas a programação acabou sendo pizza e filme na casa do cara do bar. Eu estava cansada e ele também então desistimos de sair e ficamos por lá mesmo. Pensei muito antes de aceitar a proposta, mas é fato que quando um não quer, dois não brigam então eu poderia estar "segura".

Sem palavras para descrever como foi legal,pessoal. Comemos uma pizza maravilhosa e depois assistimos a dois filmes. E o tempo passou muito rápido.

Não tenho muito o que falar porque foram duas pessoas se conhecendo que conversaram e tomaram muito vinho. Aliás, ele toma o tipo de vinho que eu adooooooro!

Hoje ele foi voar. Volta só amanhã à noite.

Todo mundo prestando atenção aos próximos capítulos...

Cantinho do Leitor: Tempos, escolhas e destino...

Recebi no meu hotmail uma mensagem de uma leitora que preferiu se manter no anonimato. Não sei o nome dela então vou chamá-la de Maria.

(Pausa para recadinho: quem quiser me mandar e-mail pode ser no tatiana.fanti@gmail.com, o hotmail eu pouco acesso e acabo parecendo sem educação)

Maria contou a história dela. Ela é noiva. Vai se casar com o João, namorado de longa data. Mas Maria não esquece do José, um colega de trabalho com quem se envolveu. A história dela é muito parecida com a minha, salvo alguns detalhes técnicos.

Maria e José eram colegas de trabalho. Os dois namoravam e estavam relativamente bem,acho eu, na relação.Até o dia que José levou um fora da namorada e resolveu pedir conselhos para as mulheres do escritório. Foi aí que ele se aproximaram. A amizade era sincera, mas o sentimento começou a aparecer. Vou dar uma resumida para não detalhar muito. Não sei se a Maria gostaria que contasse tudo. Os dois se apaixonaram. Ela terminou o namoro com o João e ficou com José. Acontece que teve um problema e precisou voltar com o João, deixando José. Acreditem. Ela precisou voltar com ele,mesmo gostando do José. Coisa de quem tem caráter, acho eu.

O fim da história é: José ficou muito triste, não entendeu a situação e tocou a vida para frente. Maria se arrependeu e foi atrás dele. Ficaram duas vezes, mas ele a tratou com uma frieza fora do normal.Maria voltou para João e está com ele até hoje. Vão se casar no ano que vem. E Maria ainda pensa no que poderia ter vivido com José.

Vou colocar para vocês o final do e-mail que ela me mandou. Me fez pensar muito.

Sei que vou passar muito tempo ainda remoendo a história que poderia ter sido vivida se não fosse minha covardia! Bom, desculpe o livro!! Mas só queria te contar isso pq é exatamente isso que vai acontecer com o Mr Right se ele demorar muito a acordar! Uma hora vc vai cansar de esperar e ele pode passar o resto da vida remoendo a história linda que podia ter vivido e não viveu...Espero que não seja assim com vcs!

Maria, você tem a minha torcida para ser feliz. A felicidade é o bem maior da vida e você precisa buscá-la. Obrigda pela sua torcida e nós todos vamos torcer por você também.

E para todos nós, fica o recado: o que acontece na nossa vida é fruto das nossas ações. Ação e reação...a melhor lei da física!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Micro post: Aeeeee

Vou jantar com o cara do bar hoje. O vôo dele foi cancelado e será amanhã cedo.

Conto depois.

Bonequinhos de Luxo

Esse post é inspirado na conversa telefônica que ouvi no ônibus ontem, voltando para casa.

(Pausa para um comentário:nunca tinha visto barata em ônibus...até ontem. Tinha uma giga barata ao meu lado e eu fiz um pequeno escândalo)

Tenho na minha cabeç - e acho que todo mundo tem também - uma imagem construída da mulher ou do homem ideal. Pensamos nas características físicas, nas psicológicas, no que a pessoa trabalha, como se veste e por aí vai. O problema é não saber separar a construção da realidade. Sim,porque a pessoa que pode estar com você não vai ser 100% fiel ao que você idealizou.

A conversa de ontem era entre um casal. A mulher reclamava horrores sobre as críticas do rapaz. Até considerações sobre o uso de esmaltes escuros nas mãos e nos pés foi discutido. Ela estava indignada porque - acho eu - ele não queria que ela usasse esmaltes vermelhos nos pés. Aí ela começou um discurso sobre a ex-namorada dele e a conversa fluiu por quase meia hora. Até que os créditos da moça acabaram e ela não pôde mais conversar.

Fiquei seriamente pensando nisso...em como queremos mudar a pessoa que está ao nosso lado. As mudanças podem ser simples como um corte de cabelo. Mas são mudanças. A gente quer porque quer atingir o máximo daquele padrão idealizado. Não condeno isso. Acho que é natural do ser humano. Mas aí pode ser que a gente deixe passar gente bacana por bobagem. Explico: eu tenho 1,58. Uma nanica. Gosto de homens mais altos. Tá bom que, mais alto do que eu não é difícil achar. Mas se vejo que a altura tá quase como eu de salto, eu acabo nem dando muita bola para a pessoa. Tá certo isso? Não. Mas é natural do ser humano.

Precisamos começar a repensar isso. Vi uma vez, num Sex and the City, um homem comentando com uma das meninas que as mulheres deixam passar pessoas legais porque elas são altas demais, baixas demais, ricas demais, pobres demais, falam demais...demais demais demais. A realidade é bem parecida com a ficçao neste caso.

Chegou a hora de entender que somos pessoas de carne e osso e não bonequinhos de luxo!

Idade é um problema...

Não...não estou falando em diferença de idade nos relacionamentos. Estou falando da nossa idade, que avança um dia todos os dias. E por que estou falando isso? Porque não consigo mais seguir o ritmo de vida que eu tinha há alguns anos atrás.

Explico. Essa semana me deu a crise do barzinho e da vida social. Saí na terça e na quarta e voltei pouco depois da meia noite para casa. Pra quê? Foi o suficiente para me quebrar durante o dia. Preguiça até de respirar. O cérebro anda mais lentamente (ok, eu sei que cérebro não anda), o pensamento é mais confuso e o desejo de uma cama quentinha impera o dia.

Fiquei pensando nisso hoje. Em como eu já consegui trabalhar virada há alguns anos atrás. Lembram daquele rolo com um cara que foi para a Austrália? Aquele foi o meu auge. Pensem nas 13 (eu acho) horas de diferença que temos para "o lado delá". Isso significa que eu ficava conversando com ele durante a madrugada e no dia seguinte, trabalho! Isso significa mais ainda: eu deixei de dormir por noooooooites só para falar com ele. Sem contar as noitadas de sexta com as amigas e precisava dar aula no sábado cedo.

Invejo essa juventude que consegue fazer isso. Não que eu sinta falta de algo que não tive, mas é que, com a idade chegando e avançando, a energia não é a mesma. Você troca qualquer programa por um jantar na casa de amigos, um filme, um qualquer coisa que seja mais sossegado.

Nossa...post de velha,né? Mas, minha gente, essa semana eu cansei!

Mini post: quem entende?

Talvez a gente jantasse. Eu e o cara do bar. Ele ligou e não pude atender. Mensagem do celular:

Vou voar amanhã então vou descansar hoje. Falamos quando eu voltar. Beijos

O que isso quer dizer? Ele simlesmente não está a fim de você?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Com vocês, o cara do bar

Essa semana estou com a pulga do barzinho no meu corpo. Terça saí com duas amigas e ontem repeti a dose com uma das amigas de terça. Fomos ao Dona Flor, um bar em Moema. Na verdade o plano inicial era ir ao Devassa, também em Moema, mas depois de uma espera de quase meia hora por uma mesa, resolvemos mudar o plano e caminhamos até o Dona Flor.

Perfil do bar: muito casal. Muito. Demais. Em excesso. Muita gente mais velha (acima dos 40). Alguns perdidos, como eu e essa amiga. Uma banda de pop/rock estava tocando. Recomendo o lugar se você tiver namorado/namorada ou estiver com vontade de comer comidinhas gostosas.

Papo vai e papo vem, dois caras sentam na mesa ao lado. Um deles, interessante. O outro, não vi direito. Até aí, nada de mais. Até que eu queria fazer um pedido ao garçom e não era ouvida. Um dele, o cara do bar, diz:

CB - Quer que eu chame o garçom para você?
Tati - Por favor.

E aí desenrolou a conversa. Perfil do cara do bar: 31 anos, mora sozinho em um apartamento na Zona Sul, tem dois filhos de um casamento anterior sendo que uma tem a idade da minha filha, pilota helicópteros e tem uma empresa em sociedade que faz fretamento aéreo. Importante: não fugiu quando eu disse que tinha filhos, era espírita e assessora de imprensa. Defeito: não gosta muito de cachorro. Conversa vai, conversa vem... demos risada. O amigo dele é casado e os dois estavam se reencontrando depois de mais de cinco anos de afastamento da amizade.

Resumo da ópera: acabei ficando com ele. Assim, não foi ainda aqueeeeeela sensação que senti com o Mr.Right, mas confesso que foi melhor do que o cara da balada. Acho que é porque o álcool não estava impregnado no sangue e ele me pareceu uma pessoa bem séria. Falou sobre filhos, sobre madrastas, padrastos e por aí vai.

Cheguei em casa e já estava deitada quando ele mandou mensagem dizendo que tinha adorado me conhecer e, neste exato momento, enquanto escrevo para vocês, mandou mensagem perguntando se tinha chegado no horário no escritório.

De verdade? Não espero que ninguém mexa comigo como Mr.Right mexeu e acho que preciso me dar a chance de conhecer uma pessoa que pode valer a pena. Eu tenho também uma teoria louca sobre casamento, mas ainda não sei se vou colocar aqui. Talvez vocês me achem louca demais...

Enfim...é isso. Entra agora mais um personagem no blog:o cara do bar!

O mundo gira, a Lusitana roda e eu estou na mesma...

Ontem a noite rendeu risadas entre as três garotas sentadas no bar. A conversa,claro,foi sobre homens. Geralmente aqueles comentários: ruins com eles, pior sem eles...e por aí vai. Mas o que eu mais achei engraçado foi o fato de que todos os "homens da minha vida que nunca me tiveram" estão com a vida arrumadinha enquanto eu, bem, eu vocês sabem. O post não é trágico, calma...eu achei engraçado como conversamos e resolvi dividir com vocês.

Tudo começou no ginásio e colegial. Tive um mesmo grupo de amigos que gostaram de mim. Um namora há pouco tempo, o outro namora há um looooongo tempo e o outro casou com a medicina e está super feliz no relacionamento. Daí teve o H, também de Vinhedo e amigo de uma amiga. Tadinho... eu judiei dele. Resultado? Super bem casado e com duas filhas lindas. Depois disso tem o case D, aquele genro perfeito na concepção da minha mãe. Ele foi aquele cara que eu prometi que me casaria se chegasse aos 28 anos solteira. Tipo "O Casamento do meu melhor amigo",sabem? Pois é... Prazer, Julia Roberts. Faço 28 anos em 2011 e ele está noivo de uma menina que pode ver o demônio, mas não pode ouvir falar o meu nome.

Isso para resumir beeeem a minha lista. Conclusão: estou sem opções.Meu passado malvado me condena e me condena muito. Maaaaas...momento de risos do dia! Ontem eu estava conversando com as meninas e uma delas é amiga de escola. Ela acompanhou aquela novela "professor de música". Qual não é a minha surpresa de chegar hoje no escritório e dar de cara com uma mensagem dele no Facebook, me convidando para um barzinho de aniversário no sábado??

Olha a mensagem:

Oi Tati! Saudades!
Estou te escrevendo pra te fazer um convitinho. Neste domingo, 28/11, 18:00, estarei na XXXX comemorando meu aniversário.
Se der, apareça por lá!
By the way, sua canção está sendo gravada. Já já sai do forno!
Beijos!


Primeiro eu ri muito. Depois mandei para as meninas do colegial e depois pensei na conversa de ontem. Gente, olha que luz, se tudo estiver perdido quando eu tiver 60 anos, ainda tenho uma opção! Do meu passado que me condena resta o professor!!

Brincadeirinhas à parte, achei isso muito engraçado. Não tem clima nenhum entre nós dois. Nenhum mesmo. Mas é bom saber que depois de 11 anos alguém ainda olha pra você. Se eu vou ao aniversário? Não sei...nós estamos pensando em aparecer. Nós? É...o grupo todo do colegial (das meninas).

Será??

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Vergonha alheia...

Ontem eu e duas amigas fomos ao Wall Street Bar. Recomendo o lugar porque os homens são bem interessantes e o ambiente é ótimo. Mas a nossa intenção não era agarrar marido nenhum,mas dar boas risadas. Uma das mesas, porém, tinha um loiro bem interessante e nós três comentávamos sobre a figura.

Pois bem, lá pelas tantas, um dos integrantes da mesa vem até a nossa, se apresenta literalmente como um caipira (Oi, meu nome é X e sou de Ribeirão Preto). Pessoas... vergonha alheia eu senti! O cara não deve pegar mulher nenhuma em lugar nenhum. Em dez minutos de conversa ele disse - desse jeito mesmo - que queria fazer xixi, que estava procurando baladas e mais um monte de asneiras. Daí sacou o celular do bolso, jogou na minha frente e disse:

X - Anota aí seu telefone!
Tati - Ahn? Anota aí seu telefone? (virei para uma amiga minha) Tó,anota aí seu telefone.
Amiga 1 - (passando o telefone para a amiga 2) Tó, anota aí seu telefone.
Amiga 2 - (para X) Sem telefones.


X, indignado com a situação, me chamou de metida e chata. Caminhou até o banheiro, voltou e sentou na mesa que ele estava. Nisso chegou o loiro que comentávamos e ficou lá, parado como um dois de paus.

Não entendo os homens. O que será que eles pensam quando se aproximam de um grupo de mulheres? Falar "Anota aí seu telefone" foi o auge da nossa noite. E terminou com um "você se acha muito".

Quase respondi: Eu não me acho, querido. Eu sou.

Mini post: Homenagem

Que fofas as minhas leitoras são! Ganhei selinhos e fiquei super feliz!!!

Vamos a eles:


Ganhei este da Helena, do Blog da Lalique. Eu tenho que indicar blogs que ganharão! Ai, que difícil...
1- Blog da Isa, o Our Dream Box

2- Blog da Clau, o Vaquinha Gertrudes

3- Blog da minha Xara, o Phinerrima

4- Blog da Gabi, o Vida que Segue

5 - Blog da Chuchu, o Chuchulices

Daí, o outro selinho eu ganhei da Chuchu e preciso dizer porque o meu blog é tudo de bom... Complicaaado ao cubo!!!!

 Meu blog é tudo de bom porque me faz conhecer gente nova e que virou parte da minha história. Além disso, foi a forma que eu descobri para abrir meu coração sobre uma história de amor super complicada. Fora a parte das histórias de amigos, que divido com todo mundo e adoro!

Aí eu preciso indicar mais gente para esse selinho. Vamos lá!

1- Taci, minha fiel amiga, do Ler ou não ser

2 - Rê, do Letras Saltitando

3 - Lu, do Loira Cor de Rosa

4 - Gabi, do Oficina Chic

Pronto!!!!

Obrigada a todas vocês!!!!

Beijos

Maria qualquer coisa...

Acho engraçado o tipo de relacionamento que a mídia mostra. Tem de todos os tipos...aqueles verdadeiros que a gente adora morrer de inveja, tem os bizarros que a gente quer fugir, tem os superficiais e tem aqueles que a gente morre de rir. Esses,então, tem aos montes...

Não me lembro em qual dos mil sites que visito pipocavam notícias sobre namoradas de jogadores de futebol. Nossa Senhora da Bicicletinha sem Freio! O que tem de gente que é craque em conquistar jogador não está escrito no gibi! E todas fazem juras de amor eterna...! Daí a gente vê casamentos looooongos como Cicarelli e Ronaldo, Pato e Stephanie Britto, e casos horrendos como o da Eliza Samúdio.

Fico pensando nos tipos de Maria que vemos por aí...Maria Chuteira, Maria Breteira, Maria Estilista, Maria, Maria, Maria... tanta gente que é especialista em se apaixonar por um mesmo tipo de pessoa. Coincidentemente a pessoa sempre tem (muito) dinheiro.

Eu sempre brinco dizendo que tenho vocação para ser mulher de marido rico, mas jamais me sujeitaria a ficar por alguém apenas para ser provida financeiramente. Não dá. Muito menos pularia de site em site, programa em programa me promovendo às custas de um relacionamento.

Sei que tem gente que vai discordar de mim, mas acho que esse tipo de mulher envergonha a nossa classe. Detesto quando as pessoas generalizam e dizem que somos todas iguais. Eu e mais um monte de mulheres que conheço não somos assim. E nos recusamos a ser.

Viver à sombra de alguém? Só se for da minha própria...

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mudar é preciso...

Mudar é preciso. Seguir em frente é preciso. Tem horas que o que todo mundo precisa é uma reforma mental. Mas, será que é assim tão simples,mudar? Não sei. Conheço pessoas que mudaram da água para o vinho em 24 horas, mas não consigo ver sinceridade nessa mudança. Mudaram coisas pequenas, pensamentos, ideias, modos e atos. Mas mudaram. Será que foram mais felizes? Não sei.

Penso muito em muita coisa que eu deveria mudar. Penso em como eu poderia mudar. Acho que gostaria de ser mais moderna, mais ousada, menos romântica, menos apaixonada. Acho que gostaria de idealizar menos e viver mais. Pensar menos e agir mais. Ser mais impulsiva, me jogar, pagar para ver. Admiro quem consegue fazer isso: pagar para ver. Sempre que eu tentei, não fui muito bem sucedida e terminei aos prantos.

Juro que tento ser moderna, ser ousada. Já beijei caras em baladas que não vi nunca mais. Me senti um lixo. Já saí com um cara que eu sabia que não daria em nada e me senti uma prostituta de luxo. Já me entreguei a um amor pensando que poderia mudar o mundo e não mudei nada. Chorei horrores. Acho que no fim toda mudança que me proponho termina em lágrimas. Nunca consigo pensar: Ei, eu tentei.

O problema, minha gente, é que tem horas que ou a gente muda ou o mundo engole a gente. E aí é que complica. Dar o primeiro passo. Não me lembro quem me disse isso. Mas é fato que o primeiro passo é o mais difícil de ser dado. Se desligar do que você é para tentar ser uma outra coisa melhor - ou pelo menos diferente.

O texto acho que está confuso hoje...estou , na verdade, jogando as ideias que estão na minha mente para que eu mesma tente chegar à uma conclusão. Será que mudar um pensamento pode mudar a minha vida? Será que não mudar um pensamento pode me fazer ficar parada?

Será que de pensar morreu um burro e,pior, morreu sem aprender e viver?

Conheço/Noivo/Caso/Namoro...

Sério...em algum lugar dos meus 27 anos eu perdi o que acontece com o mundo. Tá bom que tempo é relativo quando a gente fala de sentimento, mas noivar depois de dois meses de namoro é insano!!! Sim,minha gente, falo sobre aquela ex-BBB Priscila, que anunciou aos quatro cantos que vai se casar em maio com o namorado que conheceu há dois meses atrás.

Posso ser Poliana demais, posso ser romântica demais...mas acho que em dois meses você não tem certeza de nada em um relacionamento. Vai casar?? Por isso o casamento está banalizado. Por isso as pessoas se casam por motivos errados. Por isso ninguém mais se entende. Por isso é cada vez mais raro acontecer o que aconteceu com as minhas amigas, que se casaram por amor e pelo motivo mais lindo do mundo.

Não...agora se casam porque querem festa. Se casam porque parece ser o próximo passo. Se casam porque...ah,porque sim. Ninguém mais planeja as coisas como um passo sério e importante. Quer dizer, quase ninguém.

Estou seriamente revoltada com essa menina Priscila. Não que tenha alguma coisa com a minha vida que, aliás, em nada vai mudar por causa dela. Mas acho que é tão ridículo anunciar um casamento para, Deus queira que não, anunciar um término daqui algum tempo.

Acho que as pessoas estão se esquecendo que a gente brinca de casinha aos 10 anos e não aos 30....

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Princesa Tati???

Quando eu era pequena (mentira...quando eu era adolescente,vai...) meu sonho dourado era ser princesa da Inglaterra. E daí que tinha a Lady Di? Poderia muito bem haver a Lady Di e a Lady Tati. Hoje o máximo que eu vou chegar a ser de Lady é....Lady Kate. E olhe lá! Enfim...no meu mundo perfeito eu conheceria o Príncipe William, ele me conheceria, nós nos apaixonaríamos, casaríamos e eu tomaria chá das cinco naquele palácio lindo, ao lado da Rainha. Tem mais coisas, mas se eu for descrever em detalhes, vocês me acharão insana.

Semana passada tive meu momento Maysa “meu mundo caiu” quando li e ouvi nos todos veículos de comunicação que o noivado entre o William e a Kate foi confirmado. Como assim? Ela é morena (desculpem,mas princesa é loira...hahaha), não tem cara de princesa e por aí vai. Para o mundo de novo que eu quero descer!! Eu não vou ser princesa da Inglaterra. Eu não vou ter o casamento dos sonhos que o mundo vai parar para assistir. Eu não vou tomar chá das cinco com a rainha. Meu sonho de adolescente ruiu.

Tá bom que eu estou bem “nem aí” pra isso, mas foi um choque. Não sei se porque eu sempre pensei na Lady Di como a verdadeira princesa e até hoje acho estranho o fato de que ela morreu. Também acho que hoje em dia é muito alarde para uma coisa não tão fantástica assim.Casar um monte de gente casa e dizem por aí que os casamentos na família Real costumam ser mais trágicos do que podemos supor. Mas eles vão se casar e eu quero ver como vai ser.

Kate não tem o carisma da Diana, mas me parece estar preparada para a vida na realeza. Dinheiro ela tem. Não veio do povão, com a sogra falecida então deve ter aquela “malícia” necessária à aristocracia britânica. Kate precisa se preparar porque o mundo vai parar mais ainda para saber o que ela come, o que ela veste, o que ela pensa... e William. Bem, William será conhecido como o príncipe que destruiu corações de pequenas candidatas à princesa ao redor do mundo...

Felicidades ao futuro casal. Não sei se falaram para eles que o conto de fadas da vida real é bem mais duro do que a fantasia. Mas, existindo amor, tudo supera...

Mulheres à beira de um ataque de nervos OU...

TPM! Três letras tão inocentes mas que, juntas, combinam fatalmente com irritação, chateação, gula e mais um monte de coisas. Flávia, minha leitora fiel e ex-aluna já mencionada antes em vários posts, passa mensalmente por uma crise existencial. Os comentários no blog mostram exatamente quando ela está neste período horrível... Ela pediu um post sobre isso e, quem sou eu para negar um pedido de uma amiga na TPM?

Eu sempre sofri desse mal mas, inexplicavelmente, não sofro mais. Tinha dor no ovário, muito sono e chorava até quando não me davam OI se eu passasse na rua. Não sei como, passou. Acho que a maternidade fez isso. Vivo correndo tanto que nem tenho tempo de sentir a TPM. Maaaaas... segundo me disseram, eu fico mais irritadinha dias antes de menstruar. Não sei se irritada é a melhor palavra...acho que sensível definiria melhor.

Mulher é um bicho estranho demais... eu admito. Como podemos deixar que os hormônios dominem a gente assim? Como podemos deixar que substâncias nos transforme a ponto de cometer um assassinato e ser inocentada pela TPM? E depois ainda pensamos em controlar o mundo...aham! Pensem na Dilma na TPM...imagina quantos ela não vai matar? Tá bom que eu acho que ela já passou dessa fase e está na menopausa, mas seria horrível ver nos jornais: Presidenta grita com presidente do Senado e alega TPM. Ridículo,né?

Hoje em dia existem tratamentos, remédios, terapias...um mundo de opções para que as mulheres fiquem calminhas nesses 15 dias de tensão. Mas meu melhor conselho é sucumbir ao nosso maior prazer...chocolate.

Esse sim é um doce e santo remédio para esses dias de quase-morte...alheia!

Superação

Eita palavrinha cheia de informação essa... SUPERAÇÃO: tem SUPER e tem AÇÃO. Acho que é porque a coisa é nem por aí mesmo: superar algo requer uma paciência de espírito fenomenal. É uma super ação mesmo!!!

Terminei, com anos de atraso, de ler "Comer Rezar Amar" ontem, às 2h da manhã. Gostei bastante da história da Liz e da volta por cima dela. Fiquei com inveja em certos momentos. Não sei como ela teve a riqueza de espírito de mandar aquele e-mail para o David colocando uma pedra em cima da história deles dois. E adorei o final com Felipe, o brasileiro. Adorei o livro e agora vou ver o filme. Maaaas...sempre tem um mas.

Mas eu acho que não é todo mundo que consegue o que ela fez. Acho muito mais fácil esquecer de uma história de amor quando se está em um novo país, com culturas diferentes. Vai tentar fazer isso na rotina do seu dia-a-dia para saber se é fácil e prazeroso!

Eu confesso que não cheguei nesse ponto iluminado e esses dias doentes me deixaram um pouco pior. Dei cinco passos para frente e seis para trás. Ontem não consegui deixar de pensar que Mr.Right está voltando logo mais para São Paulo. Não consigo deixar de querer colocar o tempo lá para frente para saber se estaremos juntos ou se eu simplesmente conseguirei deixar ele ir. E mais, não consigo parar de pensar se ele pensa em mim.

Lendo o livro, penso que preciso de uma super força para essa superação toda. E não sei de onde eu vou tirar essa super força. De um curso na Itália não pode ser. Por outro lado, lembro que disse que eu perdi aquela batalha e não a guerra. Acho que é isso que tenho na minha cabeça...preciso me preparar para o que vem pela frente. Tenho, graças a Deus, uma torcida grande por mim...independentemente do final disso tudo.

É isso... a minha torcida, vocês, são minha força...juntos nós vamos superar todas essas histórias, eu e todo mundo que tem escrito contando seus casos...!

E viva a superação da vida!!!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Cantinho do leitor: Aparências

Gente, essa veio de uma pessoa que virou minha amiga virtual queridinha. Não vou falar o nome dela porque acho que ela não gostaria. Mas a história dela merece ter um final feliz.

R. não é de São Paulo, mas veio morar aqui acho que por conta de oferta de emprego. Ela conheceu um cara muito bacana, o Mr.Perfect. Acho que a R. deve ser muito parecida comigo no sentido de não ter lá um curículo amoroso de muitas páginas e,para parecer mais moderna, ela passou uma imagem que era muito mais do que ela era. Não, ela não mentiu horrores para o cara, mas disse que era mais moderna do que era de verdade.

Ficaram juntos um tempo,mas confusões fizeram com que eles se separassem e R voltasse para a cidade dela. Ela acabou voltando e não esqueceu o cara. O cara não esqueceu dela. Vi isso com os e-mails que ela me mandou sobre a história dos dois. Eu ainda não entendi porque não estão juntos novamente. Quer dizer, acho que sei...insegurança dos dois lados. Medo dos dois lados. Medo de arriscar, medo de ser feliz, medo de amar...

R,torço por você. Sabe disso.

Considerações sobre o cara do táxi

Pessoal, vocês se lembram do cara do táxi?? Aqueeeele, de quando eu saí com a minha prima, que parecia ser um cara legal e que terminou a noite com uma morena baixinha e eu acabei conhecendo o - mais do que sumido - cara da balada? Pois então...vira e mexe ele pipoca no meu msn...

Não entendo o jogo de sedução desse cara, mas é fato que eu não vou cair no dele. Sabe aquela coisa de galantear, cortejar, flertar? Pois é...isso não existe com ele. O cara da balada deixa claro que ele quer alguém para levar para a cama dele. Chegou ao cúmulo de dizer que tem três meses que não dorme com ninguém e está carente. Primeiro que eu não acreditei em uma palavra do que ele disse, segundo eu não estou fazendo caridade sexual.

Mesmo assim,achei que o cara rendeu pauta para o blog. Existem homens que estão tão desesperados por sexo que acabam metendo os pés pelas mãos e fazem essas bobagens absurdas. Será que tem mulher que cai nessas histórias?? Me recuso a pensar que tem mulher burra o suficiente para acreditar nessas balelas. Acho que, se for uma mulher que tem o mesmo objetivo: cama e só, pode se dar bem com o cara do táxi.

Alguém quer o MSN dele? hehehehe

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Ficar???

Então que eu acho que eu sou um ET. Simplesmente não gosto desta ideia de ficar. Ficar pra quê? Test drive?? Virei um carro que o cara dirige e se gostar leva, se não gostar descarta?? Não...me recuso!!

Tá bom...confesso que já fiquei por ficar com alguns caras, mas em todas as ocasiões eu culpo o álcool impregnado no meu sangue! Acho que eu sou uma pessoa romântica demais, que idealiza demais para "ficar por ficar". Além disso, não achei a minha boca no lixo para beijar qualquer um.

Fico me perguntando o que aconteceu com o convencional...como se pode conhecer uma pessoa sem que tenha que ter você não beijar, o cara vai achar que tem alguma coisa de muito errado...com você ou com ele. E aí, dependendo do tipo de pessoa que ele é ou do que ele está procurando aquele dia, vai simplesmente sair atrás de uma mulher que queria beijar. Simples assim.

Mundooooooo...como foi que você se perdeu e eu não percebi???

Respeito...

Acho que essa é uma postagem universal e não somente para este blog. Acho que, quando a gente nasce, um dos primeiros valores que precisamos aprender é o respeito. Respeitar as diferenças, respeitar os mais velhos, respeitar os gays e lésbicas, as professoras e por aí vai...

Quando somos crianças os nossos pais nos cobram essa palavrinha diariamente, mas acho que depois da vida adulta eles "entregam para Cristo" e a confusão começa...

Há algum tempo atrás o nosso blog passou por uma turbulência nos comentários. Eu escrevi um post, a pessoa se ofendeu, comentou e aí virou uma avalanche de "troca de elogios". Espero que essa pessoa não fique chateada por eu contar aqui que, há alguns dias, ela me escreveu e pediu desculpas pelo que fez. Eu fui até o blog dela e respondi que são águas passadas. Respeito. Essa pessoa mostrou que tem respeito e é digna de pedir desculpas e voltar atrás. Achei essa atitude maravilhosa.

O que tenho escrito aqui é tudo verdade. Não existe uma história que tenha sido inventada por mim ou por quem tenha me contato alguma coisa. Eu coloco aqui a verdade do coração e da cabeça das pessoas. E essa virtualização pode trazer discórdia. O que eu acho, no entanto, é que podemos dar nossa opinião sem ofender ninguém. Não precisamos de palavras baixas ou sarcásticas para dizer que não concordamos com uma pessoa. Podemos ser coerentes e expor nosso ponto de vista. Muito mais "gente",né?

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Minha carta para Julieta...

Querida Julieta,
Existe um filme que foi criado dizendo que poderíamos escrever nossas histórias de amor e esperar por seus sábios conselhos. Fiquei pensando se escreveria mesmo porque, como posso ter um bom conselho de uma pessoa que se matou por amor e acabou não vivendo este amor neste plano?? Mas, diante da situação toda, é uma opinião a mais que posso ouvir.

Eu me apaixonei e fui correspondida em um amor que não poderia ter acontecido. Ficamos juntos de maneira intensa por quatro meses e há outros quatro meses tenho tentado (e ele também) se desligar. Sei que não estou conseguindo. Ele eu não sei. Ele se casou com a pessoa que havia sido escolhida depois de um namoro de sete anos. Ela, a noiva, teve uma doença grave e ele prometeu que casaria com ela. Talvez tenha sido uma forma de fazer com que ela passasse pela doença de forma mais amena e positiva.

Em nossas conversas ele dizia que se não fosse a doença, ele teria se separado já. Ela melhorou, mas a promessa do casamento precisava ser cumprida e foi. Pelo menos era o que ele me dizia: que precisava acertar cometendo esse erro.

Nós sempre dizíamos que nosso encontro não foi por acaso. Só não entendo ainda o motivo disso. Será que precisamos passar por essas provações para saber que o sentimento é verdadeiro? Será que eu preciso sofrer (mais ainda) para aprender? Será que nos conhecemos antes do ideal e agora estamos sofrendo?

O que fazer,Julieta? Como saber seguir a vida se o coração está preenchido com um alguém que agora não pode ser seu? Como manter esse sentimento vivo até que ele possa ser vivido?

O que você,Julieta, faria no meu lugar?

PS: Suicídio não estão nos nossos planos...melhor deixar claro...

A volta...

Pessoal, acredito que agora eu esteja de volta de verdade. Ainda não estou 100% da estomatite,mas a vida precisa ir voltando ao normal..
Agredeço a todos vocês pelo apoio e compreensão pela falta de textos por aqui. Maaaas... vida pra frente.

Não sei nem por onde começar...talvez contar que na semana que vem o Mr.Right completa um mês de casamento. Nesse tempo todo, nunca mais tinha sonhado com ele, até esta noite. Sonhei que estava em casa e ele apareceu. Conversamos muito, falamos sobre a gente, nos beijamos...foi uma sensação tão real que acordei com raiva de mim por ter acordado.

Tenho pensando muito nele esses dias...e lutado contra esses pensamentos. Mas é mais forte do que eu. Eu quero vê-lo online no meu skype de novo...só para ter a sensação de que o mundo voltou ao normal. Não sei o que vamos falar e nem sei se vamos falar. Mas uma coisa é fato...eu sinto muito a falta dele.

Fico tentando entender, de verdade, que sentimento é esse, que não passa, não adormece...Saí com o cara da balada e só conseguia pensar que poderia ser Mr.Right. Não consigo me desligar, apesar de estar tentando muito.

Alguém explica??? E pior é ficar me perguntando: será que ELE pensa em mim??

sábado, 13 de novembro de 2010

Nessas horas...

Eu odeio ainda mais estar solteira! Passei o dia em casa, deitada. Tudo que consigo engolir é Dan'up.
Não consigo falar, não consigo deglutir e passando por isso sozinha.

É... Hoje estou totalmente me sentindo a Bridget Jones em sua fase mais depressiva!

Odeeeeeeeio aftas!! Odeeeeeeio ficar doente!! Odeeeeio não ter alguém que cuide de mim agora...

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Mini post: fim de semana

Gente, minha garganta virou estomatite viral. Por isso estou afastada da Internet eases Dias. Maaaaas promote que amanha volto com os posts normalmente!! Palavra!
Isso se eu não tiver que ser internada... Droga!!

Nota mental: preciso investir em um marido médico! Kkkk

Cantinho do leitor 3: Dar ou fazer amor?

Isso é o que eu chamo de sintonia fina!! Estava programando um post exatamente sobre Amor e Sexo quando me chega este email da Flávia, leitora fiel e ex-aluna querida:

DAR OU FAZER AMOR?
(Luiz Fernando Veríssimo)


"Dar não é fazer amor. Dar é dar.
Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.
Mas dar é bom pra cacete!
Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca...
Te chama de nomes que eu não escreveria...
Não te vira com delicadeza...
Não sente vergonha de ritmos animais.
Dar é bom.
Melhor do que dar, só dar por dar.
Dar sem querer casar....
Sem querer apresentar pra mãe...
Sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo.
Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral...
Te amolece o gingado...
Te molha o instinto.
Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.
Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã.
Tem pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.
Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem esperar ouvir futuro.
Dar é bom, na hora.
Durante um mês.
Para os mais desavisados, talvez anos.
Mas dar é dar demais e ficar vazio.
Dar é não ganhar.
É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter alguém pra querer casar, para apresentar pra mãe, pra dar o
primeiro abraço de Ano Novo e pra falar:
'Que que cê acha amor?'.
É não ter companhia garantida para viajar.
É não ter para quem ligar quando recebe uma boa notícia.
Dar é não querer dormir encaixadinho...
É não ter alguém para ouvir seus dengos...
Mas dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito.
Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor.
Esse sim é o maior tesão, relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar.
Experimente ser amado..."


E aí faço menção à outra leitora fiel, amiga há mais de 20 anos, Isis (e sua irmã, minha Toddynho...companheira de aventuras, Helene). A avó delas...sim, avó... dizia para elas: Dá,minha filha...mas dá muito. Não faça que nem eu, que dei só para o seu avô. Dá mesmo... Para nós a frase falada por uma avó era quase um suicídio social da Dona Fofinha...Mas hoje eu me pergunto: será que ela está certa? Será que a gente precisa experimentar de tudo antes de velejar por calmas águas? Veríssimo começa o texto defendendo o ato livre do sexo, mas termina defendendo o amor. Acho que, no fundo, a vida acontece bem desse jeito. Todo mundo (todo mundo menos eu,acho) tem uma fase de sacanagem pesada...de amar a todos sem amar a uma única pessoa. Acontece que, depois de um tempo, isso cansa. Fica chato. E aí a gente quer ter alguém para chamar de nosso.

Confesso que nunca fui adepta do sexo por sexo. Oi pai, tudo bem? Se eu fosse você não leria mais nada do post... Eu não gosto de fazer sexo, eu gosto de fazer amor. E fazer amor envolve estar emocionalmente envolvida com uma pessoa. E confesso também que só aprendi isso na prática. Uma vez na minha vida eu fui para a cama com uma pessoa que não sentia nada...nada além de pele. E nem sei se isso eu sentia também. Viu pai, eu disse que não era para ler o post... Foi vazio, foi sem sentido, foi ruim. Serviu sim para eu espantar o fantasma da minha relação com o pai da minha filha, mas não teve nada que me fizesse querer de novo. Acho que o sexo por sexo é para alguns milhares de homens e algumas poucas mulheres que - sim! - eu admiro. Porque eu não consigo ser assim MESMO! Como se entregar plenamente para uma pessoa que não se ama? Como querer realizar fantasias, surpresas, explorar coisas novas com um ser humano que você sequer sabe se vai encontrar amanhã ou depois? Não é para mim...

Mas, para quem é modernosa e sabe aproveitar a vida sem se magoar, sigam o conselho do Veríssimo e da avó das minhas amigas: dêem sem moderação...mas com camisinha!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Como agarrar um marido adverte: Sinceridade masculina em excesso pode ser um tiro no pé!


Uma boa ideia de livro seria "Coisas que todo homem NÃO deve dizer para uma mulher". E nesse livro com certeza estariam respostas para perguntas como "Estou gorda?", "Você acha que meu cabelo está pichaim demais?" e por aí vai. Explico: alguns homens simplesmente são sem-noção....eles vão te falar tudo aquilo que acham, sem filtrar a delicadeza. Assim, na lata.

Conheço um cara desse tipo. Ele é o típico "Garoto Enxaqueca". É aquele cara que você diz que está passando mal e ele tira sarro da sua cara. Aquele que OUVE uma mulher perguntar algo para a outra e responde como se a pergunta fosse direcionada a ele. E aí a coisa sai do controle....

O resultado, para esses caras, são relações vazias e que não vão para frente. Falem a verdade...quem é que aguenta estar ao lado de uma pessoa que te chama de gorda, fala que você precisa diminuir o chocolate ou tomar cuidado com o tamanho do quadril? Uma hora todo mundo perde a paciência e aí o garoto enxaqueca dança.

Meninos, queremos que vocês sejam sinceros com a gente, claro. Mas com delicadeza. Vocês podem falar sobre nosso sobrepeso, mas de maneira delicada. E por maneira delicada, esqueçam a palavra GORDA, entendem?

Nunca é tarde para reforçar....o garoto enxaqueca sempre termina sozinho....

É dando é que se recebe??

Dia desses estava assistindo alguns episódios de Sex and the City. Não me lembro qual temporada...Carrie conhece um francês, passa dois dias com ele e ele a deixa no quarto de hotel dele, com um envelope recheado de dinheiro. Ela se pergunta se foi tratada como prostituta. Isso acontece na vida real... Acho que tentamos ser mulheres modernas, mas às vezes podemos confundir tudo.

Isso já aconteceu comigo e com conhecidas minhas. Conhecemos uma pessoa e, tentando ver no que dar, não deu em nada. Mas até aí, jantares foram feitos, flores foram recebidas e pequenas viagens realizadas. Em nenhuma dessas ocasiões, pagamos por nada. Mas a relação não foi para frente. Pergunto: será que todos esses caras nos acharam "mulheres fáceis"? Pedi a opinião de vocês em alguns posts atrás e as respostas foram variadas: gente que achou que isso foi ser tratada como "garota de programa", outras acharam que nos demos a chance de conhecer alguém e outras disseram que jamais se sujeitariam a isso.

Engraçado como temos, na vida, várias opiniões diferentes sobre um mesmo assunto. E graças a Deus,né? Viva a diversidade!! Eu confesso que tentei ser moderna, mas não consigo... Infeliz (ou felizmente) eu preciso de uma segurança no relacionamento. E acho que, tentando me livrar de todos os últimos acontecimentos, forcei situações que não estava preparada. Não estou preparada para um relacionamento, mas gostaria de ter opções, sabem? Por outro lado, penso que se não tivesse tentado, jamais saberia que não daria certo.

Enfim...complicadinho isso. Os homens hoje estão com muita oferta de mulher. Sério. Acho que a mulherada está muito fácil hoje em dia. Eu me valorizo, sei o que eu quero e o que eu não quero. Mas... fico pensando...será que é dando que se recebe hoje em dia???

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Cartas para Julieta


Estou de volta. A vida volta ao normal, ainda que com garganta e ouvidos inflamados. E neste período de reclusão, assisti Cartas para Julieta. Confesso que me identifiquei muito com a história do filme e, com toda certeza do mundo, precisava transformar em post o que eu senti...

A história é de uma garota que vai para Verona e se torna "secretária da Julieta". Ela responde à carta de Claire, escrita há mais de 50 anos sobre um amor perdido. Sophie, Claire e o neto dela cruzam a Itália procurando por Lorenzo. Para saber mais, só assistindo ao filme e eu super recomendo.

Confesso que não sei se foi a doença, a fragilidade ou o filme que me fizeram mais pensativa esses dias. Acho que um conjunto de situações, na verdade. Eu acredito fielmente que sempre vamos ter na nossa vida uma pessoa que vai fazer com que a gente sempre pense em como seria estar ao lado dela. Algumas pessoas têm a sorte de se casar com o amor de vida delas. Outras pessoas vivem uma história de amor linda, mas que fica na lembrança. E outras ainda terão coragem de correr atrás da pessoa amada mesmo depois de anos. Não pude deixar de pensar no Mr.Right ao assistir a esse filme. Não pude deixar de pensar que espero que o meu final com ele seja como o da Claire e do Lorenzo. Porque quando o amor existe, não tem tempo, situação ou outra barreira que impeça que uma história seja vivida.

"Nunca é tarde para o verdadeiro amor", "Se o sentimento é verdadeiro, não há tempo que faça com que ele passe"...essas e outras frases do filme me fizeram pensar bastante. Nenhum dos dois deixou de viver a vida, casar e ter filhos...mas o destino os reuniu. Lindo isso...

Acho que vou escrever uma carta para Julieta. O que será que ela me diria?

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Para vocês responderem...

Tenho faz tempo essa pergunta na cabeça, vinda de tantas histórias que já ouvi.

Situação: você está saindo com o cara, mas não sacou a dele ainda. Você quer namorar e ele talvez também queira. Ele te chama para uma viagem a dois. Você vai e não gasta um real... Ou dólar, ou euro.
Na volta ele se despede com um "Te ligo" beeem vago. Pergunta: você se sentiria tratada como uma mulher fácil?? Ou acha que se deu a oportunidade de conhecer alguém?

Vou coletar opiniões e depois posto sobre isso...

Mini post: fora do ar

Gente, estou de molho em casa hoje... Muita dor na garganta e no ouvido. Mas juro que volto com vários posts novos amanhã.

Ou mais tarde... Ficar doente faz você ficar meio tantan...

Beijos...de longe pra ninguém ficar doente!!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Acabada...

Não, não é psicologicamente...é fisicamente mesmo.

De sábado pra cá uma infecção na garganta resolveu me pegar de jeito. Resultado? Não consigo engolir nada e minha garganta doi só em respirar. O jeito é me entupir de cataflan, fazer umas rezas bravas e pedir que os céus ajudem a curar a doente aqui.

Maaaas...o blog não ficará abandonado. Aliás, vamos combinar uma coisa? Vou colocar sempre dois posts por dia...um logo pela manhã e outro mais pro meio da tarde. O que acham? Assim a gente consegue seguir uma certa lógica e eu não vou esgotando os assuntos logo de cara. Por isso mesmo que também quero sugestões e histórias. Lerdinha do jeito que eu estou,não consigo pensar em nada.

Já tenho posts planejados...vou colocando aqui ao longo da semana. Enquanto isso, posso falar que estou adorando as visitas de todos vocês e prometo que amanhã vou visitar os blogs amigos. Hoje não eu estou conseguindo visitar nem a minha mesa do trabalho direito.

See ya,people!

Atualizações

Pessoal, que feio,né? Dei uma sumida no fim de semana. Mas a correria do trabalho não permitiu que eu programasse posts. Garanto que isso não vai mais acontecer. Mas, em compensação, trago novidades. Tá...não sei se tão boas quanto vocês esperam.

1º Professor de música: A conversa foi mais do que civilizada. Achei "digno" nem comentar nada sobre as idiotices que já foram faladas entre nós. Não dei muita trela, mas não fui grossa com ele. Ponto positivo pra mim porque, no que diz respeito ao professor, eu sou a grosseria em pessoa. Não falamos nada de mais...ele veio com uma conversinha de "Eu sempre fui seu fã" e eu contornei dizendo que quem tem fã é a Gisele Bündchen e não eu. Ele prometeu enviar a tal música "Tatiana" e eu mostro pra vocês, claro.

2º Cara da balada: Gente, eu tentei. Tentei, tentei e tentei. Mas não vai dar. Não tem química e acho que a culpa é minha. Nos vimos esse fim de semana e ontem passamos o dia juntos. Simplesmente não dá. Fora que o cara já soltou um "só namoro agora quando eu realmente amar a pessoa". Quase que eu respondi: Ah,legal...quer dizer que você me liga só quando não tem companhia? Mas resolvi deixar quieto.
Ele pode ser uma boa pessoa, aceita o fato de que eu tenho filho mas não temos química. Não somos pessoa compatíveis. Tenho que confessar aqui pra vocês: eu estava com ele, mas minha cabeça estava com outro alguém. Sabem quem,né? Portanto, leitores e leitoras, acho que esse é o fim oficial do cara da balada na minha vida. Eu juro que tentei, mas eu preciso do "frio na barriga", daquela coisa que de querer estar junto. Vai ver eu tentei cedo demais...não sei.

3º Mr.Right: Nem sinal dele ainda. Acho que semana que vem ele deve voltar para São Paulo. Ai ai ai...

Por enquanto é só... mais tarde eu volto com novos posts. Aliás, estou esperando as histórias de vocês no tatiana.comoagarrarummarido@gmail.com ou pelos comentários mesmo.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Mini post: o retorno

Mais um professor reaparece!!! Aquele de música, de um post antiiiiigo.

Muito engraçado. 11 anos depois e após aaaaanos de uma mega discussão, estamos falando sobre músicas, claro.

Ele disse que a canção chamada Tatiana era para mim e vai gravar em MP3. Eu mostro aqui.

Boa sexta!!

Eu, você e todo mundo...

É engraçado como o blog me trouxe um monte de gente nova. Gente que hoje está no meu Facebook, no meu orkut, no meu MSN e já são amigas queridas. Isso é a magia da internet.

Mas sabem o que é mais mágico nisso tudo? Saber que, mesmo quando a gente acha que todas as desgraças do mundo só acontecem com a gente, entra um monte de pessoas que jamais conheceríamos e abrem o coração com você porque se identificaram com o seu problema.

Quando eu comecei a escrever o "Como agarrar um marido?" eu não tinha noção do tamanho que isso atingiria e estou muito contente. Muita gente me mandou e-mails sobre histórias parecidas com a minha e do Mr.Right. Gente que ainda está sofrendo, gente que está sozinha em São Paulo e queria novas amizades, gente que está longe, gente que quer dar a volta por cima. E todas, todas com uma história semelhante à minha.

Fico feliz por ter encontrado vocês,meninas. E,juntas, vamos dar a volta por cima...!

Frio na barriga....

Há alguns dias atrás eu estava conversando com uma amiga muito querida e que mora longe. Eu estava falando sobre tudo o que tem acontecido na minha vida e como estava me sentindo. Contei que, quando fiquei com o cara da balada, foi bacana, mas não teve aqueeeeeeeeeeela coisa, sabem?

Daí essa amiga me disse que ela namorou uma pessoa há muito tempo atrás e sentia com ele o tal frio na barriga. Mas terminaram e quando ela começou a namorar o atual namorado, ela disse que não sentia nada. Quer dizer, ela gostava dele e de estar com ele, mas não era aquele sentimento "doentio" que contamina a gente e não nos deixa pensar.

Fiquei pensando sobre o tal frio na barriga. Eu senti isso com duas pessoas só e as que eu mais gostei na vida: o cara do meu primeiro beijo e o Mr.Right. Com o Mr.Right foi mais forte porque eu tremia só de chegar perto dele. Será que isso é ruim? Será que sentir esse frio na barriga torna a gente mais vulnerável e com um risco maior de "quebrar a cara"? Será que a solução é deixar o frio na barriga para lá e embarcar em uma relação não tão "empolgante", mas segura?

Tenho uma coisa para contar...ontem eu saí com o cara da balada de novo. Foi muito de última hora. Eu ia sair com um amigo meu, mas precisei dar aula até mais tarde. Tive que cancelar e sei que ele deve ter ficado beeem fulo da vida. Mas...paciência e trabalho é trabalho. Quando eu estava indo para casa, o cara da balada me liga e me chama para tomar um vinho em algum bar. Decidi aceitar. Acho que precisava disso para me libertar dos meus próprios fantasmas e melhorar a cabeça. Ele me pegou no meio do caminho e fomos para um barzinho. A conversa foi agradável e temos muita coisa em comum... Mas o beijo não me deu aqueeeeeeele frio na barriga de morrer. Será que isso quer dizer alguma coisa? Não sei...

Sei que hoje eu acordei feliz. Sei que posso seguir em frente e não me senti mal como da primeira vez. Acho que o fato do Mr.Right ter se casado tirou um pouco do sentimento de culpa que eu senti quando fiquei com o cara da balada a primeira vez. Não sei...

Meu coração ainda é do Mr.Right...mas a minha razão me diz para seguir em frente e continuar...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

F-Útil...



Este post é em homenagem a um amigo...ele sabe quem é. E vai rir muito disso.Certeza. E, PS: não é o Mr.Right, caso estejam se perguntando.

Tenho amigas que me chamam de Legalmente Loira. Esse era o meu apelido na faculdade. Tem gente que brinca e me chama de Barbie. Minha mãe me definiu como uma pessoa que carrega uma futilidade séria. Sabe-se lá Deus o que ela quis dizer com isso. Aí fui procurar fútil na internet...

Fú.til

1. incapaz de produzir qualquer resultado; inútil
* sua fútil tentativa de escapar piorou-lhe a situação
2. sem importância; frívolo
* esta atriz é uma pessoa fútil, só se preocupa com coisas sem importância.


Na verdade, para todo mundo, fútil é aquela pessoa que só gosta de moda, se arrumar, falar de grifes e por aí vai. Parecida comigo? Sim...bastante. Mas bem diferente também. Um dia, numa das trocentas conversas que eu tenho com esse amigo, a gente meio que discutiu. O motivo foi...como eu poderia definir? FÚTIL. E aí ele me chamou de fútil. Sei que, se ele pensar em comentar qualquer coisa aqui, vai dizer que eu só filtrei isso de várias coisas que ele falou. E vou dizer: marcou mesmo.

Quando a minha mãe brincou comigo de futilidade séria eu achei engraçadinho. Quando esse meu amigo me chamou de fútil, foi forte. Acho que é porque fútil para mim é a Paris Hilton, que não sabe o que quer da vida e nem acho que um dia irá saber. E ser chamada de fútil foi meio que ser comparada com uma pessoa desse tipo. Foi "punk".

Criei então o F-útil...a mesma palavra, mas com um hífen no meio. Acho que aí a coisa muda de figura. Sim...porque, vamos combinar, moda, beleza, bolsas e sapatos são artigos de primeira utilidade!!!

Mini post: Fifi

Esse post é só pra eu ser metida... daqui a pouco o pessoal da Gloss vai chegar aqui no escritório para fazer a foto da edição de dezembro.

Hoje estou me achando... hahahahaha

Te cuida, Gisele Bündchen.... (aham...vai sonhando, Tati)

Só acaba quando termina....




Então que no fim de julho, BOMBA!, Claudia Raia se separa de Edson Celulari depois de 17 anos de casamento. Pra mim esses dois eram como Fátima Bernardes e William Bonner, Nicete Bruno e Paulo Goulart, Tarcísio Meira e Glória Menezes...inseparáveis. Mas aí eu lembrei que eu também achava que NUNCA DA SILVA a Marta Suplicy se separaria do Eduardo Suplicy. E taí...cada um para o seu lado.

Até aí, muito que bem...já disse aqui que eu sou a favor da separação se for para o bem geral da nação e felicidade do (ex)casal. Mas eu acho que, quando se chega no patamar de se separar, é para que cada um siga a sua vida. Não acredito em "dar um tempo" e acho que, ou o casal resolve se acertar de vez ou então, parte pra outra. Essa coisa de separou e não separou. Volta e desvolta é horrível. Quando se está na mídia, então... (Oi Ana Maria Braga...essa semana quantas vezes você se separou e voltou com o Marcelo Frisoni???) A separação vira assunto nacional e o Brasil vira terapeuta de casal.

Semana passada, enquanto estava no cabeleireiro, eu peguei a Contigo para dar uma olhadinha. Capa: Claudia Raia fala sobre a separação. Até aí, OK...ela pode fazer isso. Eu gosto dela, gosto dele e até hoje desacredito na separação. Mas ela aconteceu. Achei a entrevista da Claudia bem sincera. Ela admitiu estar vivenciando o luto, confessou que chora e que tenta dar a volta por cima. Como dizem por aí, achei digno. Até que...

Globo.com de hoje... Claudia Raia: Edson Celulari é o homem da minha vida. Pergunto: por que raios então você se separou dele??? Assim...numa boa...quando a gente conhece o homem da nossa vida a gente quer mais é ficar com ele para sempre. Aliás, diga-se de passagem, a gente passa a vida procurando o homem da nossa vida. Daí quando você encontra, você se casa, se separa e diz que ele é o homem da sua vida??? Ou eu sou muito loira ou eu não entendi....

Acho assim...se o amor existe, fiquem juntos!!! Ou então eu vou achar que são masoquistas e gostam de sofrer.

Conclusão: é o que todo mundo diz... as coisas só acabam quando elas terminam....

Cantinho do leitor 2

Recebi esse email assim que eu criei o "Cantinho do Leitor". A pessoa pediu para eu contar a história dela, mas não dando nomes. Vou respeitar a privacidade. Para entender a história, vou fazer uma explanação (nossa, estou chique hoje...)

Acho que existem vários tipos de homem, assim como vários tipos de mulher: tem o galinha, o intelectual, o hippie, o mauricinho e por aí vai. Mas, a título de história, vou dividir entre os que prestam, os que não prestam e os que não prestam mas se fazem de prestativos. Essa leitora, que vamos chamar de Alice (só porque eu assisti ao filme do Tim Burton e estou me achando...) deu a sorte de conhecer um tipo mais raro ainda: resguardado.

Foi assim: Alice conheceu o Chapeleiro em um evento social. Alice namorava, mas não deixou de notar a presença do Chapeleiro. Nada de muito marcante aconteceu naquele dia e a vida seguiu. Muito tempo (tá, algum tempo depois) Alice se separou do namorado da época e uma amiga disse que tinha uma pessoa para apresentar. Se conheceram virtualmente e engataram um papo animado. Conversa vai, conversa vem...não me lembro exatamente como, mas Alice descobriu que o amigo virtual dela era o Chapeleiro que ela havia conhecido há muuuuuito tempo atrás. Aí a coisa virou romancinho. Até que...

Em uma das conversas, o Chapeleiro - que tem 28 ou 29 anos - diz para Alice que ele tinha uma característica especial: ele estava se guardando para uma pessoa que fosse realmente diferente na vida dele. Isso mesmo, meninas, o Chapeleiro era virgem. Momento óóóóóóóóóóóin para as meninas, certeza...

PS da Tati: quando eu soube da história (e não foi pelo e-mail da Alice) eu desacreditei. Acontece que eu conheço a amiga da Alice e foi ela quem me contou. Alice virou minha leitora e mandou a história por livre e espontânea vontade, então podem botar fé. Nem Alice, nem eu e nem a minha amiga estão mentindo...

Enfim...eles marcaram um encontro. O Chapeleiro não mora em São Paulo então ele precisou ficar em um hotel, o que facilitou muito o encontro dos dois. O resto...bom, o resto eu deixo a cargo da imaginação de cada um de vocês. Mas posso falar que Alice se orgulha em dizer que ela foi a pessoa especial na vida de um homem...

Sobre os dois? O que eu posso dizer é que, apesar da distância entre eles, parece que esse romance vai engrenar...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Mini post: Para rir....

Essa é para finalizar o dia morrendo de ir...

Vocês se lembram daquele post que eu fiz sobre amores de faculdade e contei que eu tinha uma paixonite pelo professor de direito? Lembram que eu falei que nunca mais ia encontrar com ele e até dei o nome da criatura?? Pois então...a criatura reapareceu no meu MSN!!! Baphão!

Conversamos um tempinho e ele lembrou de mim...graças a Deus não lembrou de nenhum mico que eu paguei na faculdade e nem lembrava que eu matava a aula dele para participar do chat da Gloria Kalil. Mas eu, bocuda, contei...dãããããã...

Muiro engraçado,né? Aaaaaaaaanos depois.... eis que ele reaparece.

PS: Espero que não tenha lido o blog...

Amor e Traição...

Sempre achei que a Sandra Bullock não tinha nada a ver com o Jesse James, aquele marido motoqueiro dela. Mas, até aí, dizem que os opostos se atraem,não é mesmo? Achei lindo o casamento dela e torci para dar certo. Eu sou fã confessa da Sandy! (olha a intimidade...)

Tudo ia bem até depois do Oscar dela, quando veio a bomba: JESSE JAMES TRAI SANDRA BULLOCK COM STRIPPER (ou algo do tipo...). E dá-lhe o sensacionalismo hollywoodiano que povoa a People, a Hola e companhia. Ironia do destino, Sandra se desmanchou em elogios ao marido e dedicou a estatueta para ele.

Fiquei pensando em amor e traição...em como os casais deixam a situação chegar a este ponto. Apesar do meu fã clube recém-adquirido (leiam com ironia) dizer que eu faço apologia à traição, eu sou totalmente contra o ato. Acho que as coisas podem não dar certo, os casais podem se apaixonar por outras pessoas mesmo estando em um relacionamento...mas acho que o mais certo é ser maduro, terminar um relacionamento e embarcar em outro. Eu sei e vocês sabem da minha história... vai totalmente contra todos os meus princípios e até hoje eu me pergunto como isso tudo aconteceu e como foi que eu deixei que tudo fosse em frente. Aí acho que entra a questão do coração e do tamanho do envolvimento.

Entre nós...não acho que o Jesse James tenha se apaixonado de verdade pelas quatrocentas mil amantes que já apareceram para ele. Se ele tivesse se apaixonado, acho que teria feito tudo diferente. Ou não. Não o conheço. Sei que para a Sandy deve ter sido uma barra bem pesada enfrentar um divórcio e uma traição exposta mundialmente. Nesse sentido, agradeço por não ser famosa.

Acho que amor é um sentimento que pode bater a qualquer hora, a qualquer momento e com qualquer pessoa. Nos resta analisar como conduzir a situação e saber lidar da melhor forma possível. A vida é feita de escolhas e elas refletem todo nosso futuro. Saber escolher o caminho certo é fundamental. Melhor ainda é saber que, se for o caminho errado, sempre podemos voltar atrás e fazer um novo começo...

Viver e não ter a vergonha de ser feliz...

Voltei pessoal... com força total! (e preguiça também...voto pelo feriado a semana toda!)

Pensei muito nesses dias de folga...acho que a cabeça ociosa faz com que a gente comece a raciocinar sobre a vida. Tem gente que ficaria louca de pensar tanto, mas para mim foi bom. Enfim...concluí que:

1 - O futuro é imprevisível...ele pode ser mostrado, mas pode ser mudado. Se fosse legal a gente saber dele, teríamos um livro com a nossa vida lá na frente. Além do mais, as nossas ações do presente podem modificar nosso futuro;

2 - A gente tem duas opções na vida: sermos atores e participarmos do espetáculo que é viver ou ser mero espectador. Quando escolhemos viver a vida (Oi Manoel Carlos!) temos a chance de errar, acertar, arriscar... se as coisas não derem certo, podemos chorar...mas, pelo menos, tentamos. Quando escolher apenas assistir a vida passar, deixamos de viver e passamos para o estado da estagnação...

Esse fim de semana pensei muito. Acho que, se eu ficar parada no tempo e no espaço, nada vai acontecer. Não vou poder viver o que "programaram" para mim. Não vou saber o que está lá na frente. Simplesmente porque teria escolhido ficar parada. E não vou. Eu vou viver. Não vou mais chorar por uma história linda que não aconteceu. Se ela tiver que acontecer, vai acontecer no tempo certo. O tempo certo não é agora. Agora é hora de conhecer gente... de dar risada com as amigas...de passear...de ficar com a minha filha...de viver.

Se um dia eu tiver que ficar com Mr. Right, isso vai acontecer. Se não tiver que ficar com ele, vou me lembrar para sempre de tudo o que vivemos e de como tudo foi intenso e sincero. Logo mais preparo um post sobre outros pensamentos que tive com relação a nós dois. O sentimento ainda vive forte em mim...mas, como bem disse a Taci, é hora de acalmar esse amor todo e deixar que o tempo e a vida ajam da forma como precisam.

As novidades boas são essas... eu vou viver. Vou fazer a minha vida acontecer e vou ser feliz. Tenho uma vida toda pela frente e chorar dá rugas...!!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Feriado e folga....

Queridos e queridas,
Tirei o dia de hoje para descansar.
Amanhã volto com tudo para o blog.

Tenho novidades... Preciso organizar o pensamento antes de contar para vocês.

Os comentários serão respondidos amanhã!!!

Beijos!!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Coisas boas que o blog trouxe...ami

Feriado eu deixei os post mais light para vocês... assim a vida fica mais leve. (Afff...nada a ver a frase, mas tudo bem).

Queria contar para vocês o quanto estou surpresa com o blog. Quando eu comecei a escrever, pensei que somente eu e algumas amigas minhas leriam MAS...nossa...em menos de três meses eu consegui tantas novas amizades que nem tenho palavras.

Gente de perto, gente de longe, gente que se sensibilizou com tudo isso, gente que viveu uma situação parecida, gente que ama e sofre, gente que ama e é correspondido, gente que tá solteira e procurando um amor. Gente. A vida é feita de pessoas e estou muito feliz com cada um de vocês que, agora, são parte da minha história.

Aproveitem o feriado...