sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Cantinho do leitor 3: Dar ou fazer amor?

Isso é o que eu chamo de sintonia fina!! Estava programando um post exatamente sobre Amor e Sexo quando me chega este email da Flávia, leitora fiel e ex-aluna querida:

DAR OU FAZER AMOR?
(Luiz Fernando Veríssimo)


"Dar não é fazer amor. Dar é dar.
Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.
Mas dar é bom pra cacete!
Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca...
Te chama de nomes que eu não escreveria...
Não te vira com delicadeza...
Não sente vergonha de ritmos animais.
Dar é bom.
Melhor do que dar, só dar por dar.
Dar sem querer casar....
Sem querer apresentar pra mãe...
Sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo.
Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral...
Te amolece o gingado...
Te molha o instinto.
Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.
Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã.
Tem pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.
Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem esperar ouvir futuro.
Dar é bom, na hora.
Durante um mês.
Para os mais desavisados, talvez anos.
Mas dar é dar demais e ficar vazio.
Dar é não ganhar.
É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter alguém pra querer casar, para apresentar pra mãe, pra dar o
primeiro abraço de Ano Novo e pra falar:
'Que que cê acha amor?'.
É não ter companhia garantida para viajar.
É não ter para quem ligar quando recebe uma boa notícia.
Dar é não querer dormir encaixadinho...
É não ter alguém para ouvir seus dengos...
Mas dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito.
Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor.
Esse sim é o maior tesão, relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar.
Experimente ser amado..."


E aí faço menção à outra leitora fiel, amiga há mais de 20 anos, Isis (e sua irmã, minha Toddynho...companheira de aventuras, Helene). A avó delas...sim, avó... dizia para elas: Dá,minha filha...mas dá muito. Não faça que nem eu, que dei só para o seu avô. Dá mesmo... Para nós a frase falada por uma avó era quase um suicídio social da Dona Fofinha...Mas hoje eu me pergunto: será que ela está certa? Será que a gente precisa experimentar de tudo antes de velejar por calmas águas? Veríssimo começa o texto defendendo o ato livre do sexo, mas termina defendendo o amor. Acho que, no fundo, a vida acontece bem desse jeito. Todo mundo (todo mundo menos eu,acho) tem uma fase de sacanagem pesada...de amar a todos sem amar a uma única pessoa. Acontece que, depois de um tempo, isso cansa. Fica chato. E aí a gente quer ter alguém para chamar de nosso.

Confesso que nunca fui adepta do sexo por sexo. Oi pai, tudo bem? Se eu fosse você não leria mais nada do post... Eu não gosto de fazer sexo, eu gosto de fazer amor. E fazer amor envolve estar emocionalmente envolvida com uma pessoa. E confesso também que só aprendi isso na prática. Uma vez na minha vida eu fui para a cama com uma pessoa que não sentia nada...nada além de pele. E nem sei se isso eu sentia também. Viu pai, eu disse que não era para ler o post... Foi vazio, foi sem sentido, foi ruim. Serviu sim para eu espantar o fantasma da minha relação com o pai da minha filha, mas não teve nada que me fizesse querer de novo. Acho que o sexo por sexo é para alguns milhares de homens e algumas poucas mulheres que - sim! - eu admiro. Porque eu não consigo ser assim MESMO! Como se entregar plenamente para uma pessoa que não se ama? Como querer realizar fantasias, surpresas, explorar coisas novas com um ser humano que você sequer sabe se vai encontrar amanhã ou depois? Não é para mim...

Mas, para quem é modernosa e sabe aproveitar a vida sem se magoar, sigam o conselho do Veríssimo e da avó das minhas amigas: dêem sem moderação...mas com camisinha!

14 comentários:

Isabela Bonfim disse...

Oi Tati, eu concordo com vc, essa coisa moderna de cada noite estar em uma cama não é pra mim. Apóio o sexo com muito (mas MUITO) amor. Beijinhoss..

Luh Rodrigues disse...

Oii, Tati! Concordo com você nesse post! Não consigo e nem quero viver essa coisa moderna de dar por dar. Sexo por sexo. Pra mim sexo é intimidade, é amor. Inviável fazer com quem não rola um sentimento verdadeiro. Parece coisa de pessoa cabeça dura, mas eu penso assim :)

Beijos!

Fernanda disse...

Oi Tati!

Comentario um pouco deslocado, não exatamente sobre o assunto do post.

Cuidado com a pegadinha: desde quando o Verissimo escreve no feminino? ("Dar porque o cara te esquenta...", "...se você não der para ele hoje...")
O verdadeiro texto é de autoria de Tati Bernardi. E essa versão é modificada, o original é um texto maior que foi publicado na revista TPM, chama-se "Pot-pourri de assuntos".
http://www.autordesconhecido.blogger.com.br/2006_09_01_archive.html
(segundo post da pagina)

Beijos!
Fér
(que tem uma mania terrivel de checar o autor de todo santo texto que recebe pela internet como sendo do Verissimo, do Drummond, do Jabor...) (e que descobre que em 99% das vezes o verdadeiro autor é outro)

Paula disse...

Fazer amor ou sexo? Pra mim tantofas, desde que seja com amor...

Daniela Freitas disse...

Ótimo texto! Não acho que as mulheres devem “acordar cada dia em uma cama”, mas acho que se culpam demais quando rola sexo e depois a relação não engrena para uma coisa mais séria! E sinceramente, demora um tempo (pelo menos pra mim), pra dizer que você está amando alguém de verdade! Acho também que as mulheres se preocupam demais com o que os “homens vão achar delas”. Às vezes, a gente precisa se dar uma chance. Meu caso por exemplo, “DEI” p/ o meu marido uma semana depois q a gente se conheceu. Posso dizer que estava perdidamente apaixonada com 5 dias de convivência ? Não né?!!! Só que eu me dei uma chance, ele se deu uma chance e aí deu liga minha gente! Namoramos, noivamos, casamos e lá se vão 8 anos juntos!! Quero dizer, às vezes só “DAR” pode fazer você se apaixonar! Mas enfim, que todas consigam se realizar da forma que acham certo agir! bjs

Claudia disse...

Concordo total com a Daniela. E a frase da avó não me chocou por que a minha avó era beeem pior, rs. Mas todas as mulheres que conheci que casaram virgens se arrependeram de não ter experimentado "se entregar" de verdade e só por paixão para outros homens...

Dani disse...

"Foi vazio, foi sem sentido, foi ruim. "... todo mundo tem que passar por isso para dar valor ao que é bom.

Eu passei por isso e nunca mais quis ver o ser... deletado!

Beijo.

Maria Julia Faria disse...

Desse assunto não posso opinar muito pois namoro praticamente desde que eu nasci pra vida hahaha (desde os 16 e até hoje! 8 anos e meio), mas eu não sei se conseguiria ser liberal assim, conheçer o cara e já ir pra cama...sei lá é meio estranho né?!

Beijos!!!

Nai disse...

Eu acho que tudo é falta de oportinidade, e sexo é meio que diversão para adultos. E nem sempre uma coisa esta ligada a outra (amorxsexo), quando acontece com amor a sintonia é bemmmmm melhor, mais por questões fisiológicas e sem fins reprodutivos pode ser muito divertido e bom também.
Tudo é questão de fase, e mesmo fazendo amor, pode ser ruim pra caramba...
Reencontrei um ex-namorado, voltamos a sair e eu ficava me perguntando, como tinha deixado escapar um cara tão bacana, todas as perguntas foram sanadas depois de uma noite juntos, rssss O cara era lindo, um amor, do tipo pra querer ter na vida inteira, mais nos lençóis não rolava.

analice disse...

olha, essa de sair por sair é estranho.... pelo menos pra mim. sair um dado momento com uma pessoa, pois eu meu namorado estavamos separados, e engraçado que ficava comparando, beijos, formas, nao tinha o gosto do meu namorado, tinha um gosto estranho ... e fiquei mal... nao porque era traição... pois tinhamos ciencia da nossa condição naquele momento, ate falei pra ele depois, logo quando retomamos... nao rola, mas valeu pelas dicas.

Ana Paula disse...

Tati!!! adoooro os seus posts, mas eu iria falar a mesma coisa que a Fér. Esse texto não é do Veríssimo, assim como 99% dos textos atribuídos ao Jabour não são dele.
Essa internet!
Bjs,

Wan disse...

Olá amiga, tudo bem?

Adorei ver nessa postagem esse assunto abordado de forma tão sensata. Olha tati, eu sou igual a vc...

Tem selinho lá no meu blog pra vc... confere lá!!!

Viu que eu andei sumidinha esta semana? Trabalhando muitoooo... nem acredito que sexta-feira finalmente chegou.

Beijosssssss!!!!!!!!!

Wanessa
:o)
www.belezapedagogica.blogspot.com

Taciana disse...

Oi, tati, junto com suas amigas nerds e queridas, eu faço coro - tira o nome do fofo do veríssimo daí! Só de começar a ler dá para saber que não é dele!

Bjs e melhoras!!!

Flávia disse...

Cara, esse foi o melhor texto sobre sexo que eu ja le em toda minha vida. Por isso que passei pra vc para criar esse post que combinou perfeitamente com o que o espetacular do Verissmo transmitiu nele.
Ja passei por uma situação, de nao sentir nada pela pessoa e estar em um quarto de Motel com ela. E quer saber. Nao conseguia fazer nada. Depois de um certo tempo de transa (papai da Tati tenho que contar... afinal tudo começou comigo...rsrsrs...) eu nao aguentava mais olhar pra pessoa. O pior é o que tenho um contato quase que diario com esse dignissimo. Phoda ne?! Azar o meu. Quem mandou nao conseguir segurar a piriquita. hahaha...