quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Acabou por quê?

Muita gente que me acompanha nunca me perguntou, mas deve ter se perguntado porque terminei com o pai da Maria Eduarda. A história não é simples. Muito menos "bonitinha", do tipo: Não nos gostamos mais.

Conheci o pai dela numa época em que minhas amigas todas estavam namorando. A gente se conheceu pelo orkut e começamos a conversar. Um belo dia, combinamos de nos encontrar, fomos ao cinema e o resto é história. Isso tudo em maio. Em setembro eu descobri que estava grávida. A verdade seja dita, minha gente...hoje em dia só se engravida porque quer ou de burrice. A minha gravidez foi burrice. Ponto final.

Naquela época ele era gerente de marketing de uma academia, trabalhava e vivia uma vida relativamente regrada. Pelo menos era o que ele transparecia. Mas não. No meio do caminho da gravidez ele perdeu o emprego e aí conheci o verdadeiro cara que eu namorava. Ele não correi atrás de nada. Passava o dia jogando no computador. No fundo, no fundo, nunca esteve preparado para ser pai e acho que não tinha dimensão do tamanho da bomba.

Madu nasceu e nada mudou. Por 8 meses (contatos em meses da Madu pós-nascimento) eu vivi debaixo do teto dos pais dele. Escolha minha, para ficar ao lado do pai da minha filha. Mas não aguentei. Aquela não era a vida que eu havia sonhado pra mim. Resolvi alugar um apartamento e dei a ele a escolha de vir junto, contanto que tomasse jeito na vida. Ele resolveu me seguir.

Um mês se passou. Foi o tempo que aguentei morarmos sozinhos. A vida da gente era de colegas de casa e não de casal. Meu pai que me perdoe falar essas coisas aqui, mas a gente nem tinha vida sexual mais. Éramos dois colegas (nem amigos posso classificar) que dividiam o mesmo teto e a mesma cama. Coisa mais esquisita... Eu dizia para as amigas mais chegadas que me separaria quando acontecesse alguma coisa muito grave, imperdoável. Aconteceu.

Um dia, voltando do centro que eu frequento, encontrei a casa virada para baixo numa tentativa (frustrada) de faxina. O pai da Madu tentou arrumar a casa toda e só conseguiu desarrumar. Descobri no dia seguinte o motivo do comportamento milagroso: ele tinha cheirado cocaína com amigos. Simples assim. Escolheu cheirar uma porcaria dentro da casa que eu sustentava.

Na mesma hora que eu descobri, ele foi para fora de casa e nunca mais nos relacionamos. Nunca mais tivemos revival nenhum. Nunca mais eu senti nada por ele. Não que eu sentisse algo antes disso, mas nem admiração pelo pai que ele tentava ser. Nada.

E aí, depois disso, comecei a iver. E a descobrir que não é fácil ser mãe solteira, por mais que o mundo se diga moderno.

13 comentários:

Jenny disse...

Eu completamente e redondamente te entendo. Não sei se sua filha já sabe falar, mas em mim doeu mais na escolinha quando os amigos começam a falar de papai, ou dia dos pais etc...sua filha, olhar para vc e perguntar cade o papai?
Levanta a cabeça amiga, ninguem disse que era pra ser fácil.. e esses pequenos momentos de fraqueza perdem a força diante de milhoes de sorrisos que a Madu vai lhe dar :)

BTW a minha chama-se Sarah e tem 4 anos

Viviane Tassi Brabos disse...

Tati, de tudo se deve tirar uma lição. Vc disse que frequenta um centro, então deve saber disso. Os caminhos de vcs se cruzaram, a Madu nasceu de vcs, porque tinha que ser, e só. Ótimo que vc chutou a bola pra frente e foi viver, é isso aí, correr atrás da felicidade, faz parte, essa é nossa meta sempre. Ser feliz! Te admiro muito por isso.

Bjo

Afrodite disse...

É menina...o lado bom foi ver que vc amadureceu com todas as lições que passou,né?
A vida segue e o futuro está logo ali,te esperando pra acontecer!
Te desejo o melhor nesse 2011 que se inicia em breve!
E que você encontre a verdadeira felicidade dentro de si mesma e assim tudo se modifique interiormente pra ti!Saiba que pode contar comigo quando precisar de um ombro amigo e sincero.
Um beijo
Afrodite

Dani disse...

Muito triste ver um homem agir dessa forma, né? Se nem o nascimento de um filho o fez mudar, acredito que nada o fará.

Beijo.

Paulinha disse...

Tati, tem muita gente imatura no mundo, que não está preparada pra viver como adulto... o que importa é que você tem uma filha linda e cheia de vida. E que você é uma super mãe.

Não, não é fácil mesmo... eu sei, por isso que, para mim, as mães solteiras são sagradas!

Super 2010 pra nós todas!!!
Bjos

Fabianne disse...

raramente uma mulher - como a Xuxa - torna-se mãe solteira por opção. Os trastes que deixamos entar em nossavida são responsaveis por deixar bebes somente na nossa conta. Eu criei 2 sozinha. É difícil, mas nós damos conta!!!!! Somos boas demais!

Celi disse...

Ola!
Puxa que historia!
O mais importante foi sua decisao!Nao querer aquela vida.Ja morei com um ex noivo meu...durou 3 meses,assim ele nao tinha problemas com drogas, mas a convivencia era muito dificil, por N motivos! Hoje sou muito feliz pela nossa separaçao. Conheci um cara legal, vamos nos casar e com certeza estou muito mais madura!
Acho que essas experiências sao muito validas, pois nossa capacidade de acertar e nos redimir e muito maior.
Tudo tem seu lado bom!Com certeza sua historia deve ter.
Nada nessa vida é fácil, mas tudo tem uma razão.
A compensação sempre chega ;)
Beijos no seu coração

Celi
www.casanovaeagora.wordpress.com

Déborah disse...

Complicado, mas ainda acho que é melhor ser mãe solteira do que ficar com um parasita ao seu lado. Tem muitas mães que criam melhores seus filhos sozinhas do que com a família tradicional pai+mãe. É mais difícil? Claro que deve ser, mas somos mulheres e conseguimos!!!

Aninha disse...

E é por esse tipo de atitude que eu admiro a pessoa que vc é e a coragem que vc tem, Tati!
Que 2011 chegue trazendo todas as coisas maravilhosas que vc merece!
:****

analice disse...

legal,,, que pecebeu que consegue seguir sozinha pelo menos por enquanto e que as decisões sao importantes nestes momentos... que no proximo ano seja ainda melhor e revelador para ambas....

Alexandre, não O Grande, mas dou trabalho!!! disse...

Olá...

Prometo que lá em casa só coca, preta, tá? rsrsrs...

Beijos em você mulher corajosa,


Alê.
http://homemponto40.blogspot.com/

Sara disse...

Sempre tive curiosidade, porém nunca perguntei...

Tati, vc é uma mulher guerreira, e admiro muito mulheres guerreiras, ele entrou na sua vida para sua filha linda vir para você, nunca desista do seu grande amor, tenho certeza que 2011 promete para você.
beijão

Flávia Lourenço disse...

Lamentável! Mais vc é zica...rs... E sua filha concerteza vai sempre sentir mto orgulho da mãe que tem. rs...