segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Voltando à ativa....

Pessoal querido do meu coração...deixei o blog abandonadinho por dois dias. Culpa do wireless de casa e não minha, viu? Espero que o natal de cada um de vocês tenha sido especial e que o saco do Papai Noel tenha sido beeeem cheio de presentes e boas energias.

Hoje escrevo o post diretamente da minha mesa do escritório, bem diferente dos anteriores, escritos em casa. A pauta não é homem...dessa vez é mulher e filhos. Contei para vocês que a Madu me disse que a babá estava batendo nela, certo? Até aí, cartão vermelho para a moçoila mas...o que fazer quando se trabalha e tem filhos, mas não marido? E,mesmo se tivesse um marido, como eu faria?

Tenho amigas que têm filhos e trabalham todos os dias. Os filhos delas ficam com a avó ou na escolinha. Acho a escola a melhor alternativa mas, como fazer quando ir para a escola é um tormento? A Madu começou no Planeta Azul com 7 meses de idade e saiu com pouco menos de 2 anos. Por quê? Bom, sair com ela na chuva e no frio me cortou o coração e foi por isso que a babá entrou nas nossas vidas. Me pareceu mais seguro colocar alguém dentro de casa do que tirar a Madu dela. E foi assim de fevereiro deste ano até dezembro agora. Ano que vem, fevereiro, ela volta para a escola e está esperando por esse momento mais do que criança esperando sobremesa depois de sopa de legumes.

Tenho amigas que têm filhos e não trabalham. Foi escolha delas e eu as admiro demais. A Clau, do Vaquinha Gertrudes, é um exemplo. Ela escolheu ser mãe em tempo integral e só Deus sabe o quanto eu a admiro por isso. Ela é guerreira. Não é fácil tomar conta de duas crianças e viver o fantástico mundo da maternidade 24 horas por dia, 7 dias da semana. Parabéns para ela.

Eu confesso para vocês que jamais seria mãe em tempo integral. Não consigo. Não tenho paciência. Eu preciso trabalhar, me distrair, fugir de casa por um tempo. Não, não é que eu não ame a Madu, mas a minha cabeça não funciona apenas para ficar em casa. Fora que trabalho doméstico me deprime demaaaaaaaaais. A solução foi colocar a Madu na escola e depois a babá mas, e agora? Agora que eu deixei a minha pequena com a Dona Eudênia,uma senhora que mora no meu prédio e se aposentou. Ela cuida do netinho e montou um esquema de "curso de férias" no meu prédio. A Madu começou hoje e já ficou empolgada porque essa senhora tem um cachorrinho.

Agora estou aqui... pensando em como a gente se sente incompleta depois de mãe. Esquece essa coisa de "maternidade me completou". Mentira! Nunca mais você se sente completa: você trabalha e sabe que não conseguirá ser 100% profissional porque pensa na sua filha que está na escola e não consegue ser 100% mãe porque precisa trabalhar e não sabe como fazer nascer 100 reais naquela árvore de laranja que tem no quintal de casa.

Verdade seja dita, meu povo...ser mulher, mãe, esposa, amante e o que mais a gente precisar não é fácil. Mas a gente dá conta. Ô se dá...

8 comentários:

Viviane Tassi Brabos disse...

Tati, não se martirize. Sou mãe em tempo integral, meu filho tem 3 anos, e estou rezando para chegar logo a hora dele ir para a escola, e vc nem sabe como me culpo, por ter necessidade de um tempo pra mim, que seja pra me deitar e esticar as pernas, mas preciso.

Você trabalhando ou estando o dia todo com sua filhota, vai achar que está faltando alguma coisa.

E se para sua saúde mental, para conviver bem com ela, para ter uma relação saudável quando estão juntas, você precisa sair pra trabalhar, faça isso, sem culpa.

Todas nós, antes de sermos mães, temos nossas necessidades, e não é porque nossos filhos nascem, que precisamos abdicar de tudo o que gostamos para viver 100% pra eles.

Do jeito que estou falando parece que lido bem com o assunto, mas não, é muito mais fácil aconselhar, e entender o que é certo, do que fazer, colocar em prática.

Em todo caso, mãe que trabalha fora, ou mãe em tempo integral, sempre vamos achar que não somos perfeitas e não seremos mesmo nunca. Então porque não aliar a maternidade, alguma atividade que gostamos muito. Não é verdade?!?

Bjão

Dani disse...

Fica tranquila, Tati. A Madu vai gostar mais de conviver com outras crianças do que com uma adulta chata que manda na tv da casa dela.(a ex-babá) :P

Alexandre, não O Grande, mas dou trabalho!!! disse...

Tati,

Deixe a Madu comigo... estou de férias e menina é minha expertise, esqueceu? rsrs.. minha casa está cheia delas nestas férias...

Alê.

Alexandre, não O Grande, mas dou trabalho!!! disse...

Hahaha... gostei do teu post e o da amiga de infância... ainda estou no processo de divulgação do blog.

Olha, sobre o fato de se apaixonar pela pessoa errada, ainda não me encontrou, encontrou? rs...

Beijos em você,


Alê.
http://homemponto40.blogspot.com/

Paulinha disse...

Tati, fiz um post de presente de Natal pra vc...
Queria poder rasgar mais seda e contar mais desgraças da minha vida! Mas acho que isso não ia te ajudar mto! Hahahahah...

Nossa, menina, é tão difícil... eu sei o que vc sente! Graças a Deus, a Madu está crescendo. E juro que ela vai adorar a escola! O Teteu gosta tanto da escolinha que tem dia que nem quer sair de lá...
Sério, não se preocupe... vc vai ver como vai dar certo!

Se eu ganhar na mega da virada eu prometo que te ajudo a parar de trabalhar! hahahahaa...

bjos

Sara disse...

Obrigada Tati linda,
É meu primeiro filho, tô mega feliz... Mas confesso que fiquei assustada ao ler o seu post rs rs rs rs.

beijão lindona

Claudia disse...

Sara tá grávida???? AIIiii, to hiper mega feliz!!! Perái que depois vou lá no seu blog!!

Bom, a Tati me fez uma homenagem linda mas esqueceu de falar que o pior é que trabalho sim. Depois de passar o dia inteiro com os dois filhos, cuidar da casa etc e tal eu ainda saio a noite para dar aula e volto beeeeem tarde.

Vou ser sincera Tati. Acho que você escreve que não conseguiria parar de trabalhar pra ficar em casa com a Madu porque não pode. Tipo, você realmente não pode se dar à esse luxo, e eu sei bem disso, e admiro, sempre admirei o quanto você trabalha para criar sua filha prticamente sozinha. Mas acho que depois do que aconteceu com sua filha, se realmente ficar com ela durante o dia fosse uma opção você o faria também.

Eu só digo isso porque como você sabe bem, durante os primeiros anos da vida do meu filho eu trabalhava mais do que full-time. Mas quando a pequena nasceu eu fiz uma escolha. Acredite, quando se ama um filho e não se pode contar com alguém amoroso para cuidar deles, a mãe faz qualquer coisa. Pára SIM de trabalhar, para SIM de ter tempo pra ela, e faz o que tem que fazer.

O Johnny Depp disse uma coisa muito legal: "ser um bom pai é a única coisa verdadeiramente importante na vida" e eu concodo com ele e acho que ser uma boa mãe é sim a ÚNICA coisa importante mesmo na vida. É que o bonito hoje é largar os filhos e ser uma "mulher moderna".

Acho que a gente faz o que tem que fazer, mas acredite quando digo: existe mais mérito em, temporariamente esquecer de você e criar um ser humano feliz do que se sentir realizada profissionalmente. Bjs. Love you.

Flávia Lourenço disse...

Confesso que ser mãe é uma das minhas maiores vontades. Mas confesso tbm que esse é um dos meus maiores "medos" quando isso acontecer. Como será que minha vida vai ser quando isso acontecer? Será que vou saber fazer tudo certo? Medos, que acho, que acompanha qualquer mulher que tenha esse msm desejo.
Vejo meus sobrinhos e as vezes penso, onde é que eles estavam? Pq a sensação que tenho é que eles sempre existiram. Que eles sempre fizeram parte da nossa familia. rs... Estranho... Ai me pergunto, onde estará a minha? Pq quero ter um filho apenas e de preferencia uma menina. rs... Sabe la por onde ela anda. Sei de uma coisa que da minha cabeça nao sai. As vezes me pego pensando como ela será. rs...
Agora falando da linda Madu, tenho certeza de que na escolinha será melhor msm. Nada melhor do que criança com criança. Fico triste em saber o que houve. Mais o tempo fará com que essa mulher, se é que podemos chamar assim, pague o que fez.