sábado, 19 de março de 2011

Na média

Esse fim de semana eu tive a festinha de aniversário das minhas primas e para ir até lá fui encontrar o meu pai na agência dele. Meu pai, aliás e pra quem não sabe, é leitor assíduo do blog e vez ou outra esse ideia me deixa envergonhada. Por aqui ele soube de histórias do passado que nunca dividi com os meus pais e acho que ele encara isso como timidez minha de chegar e falar sobre beijo, namoro e outras coisas mais. E na sexta, lendo o que tenho escrito por aqui, ele veio conversar comigo sobre expectativas e satisfação na vida.

Meu pai é uma pessoa sábia. Não sei se eu já falei isso pra ele, mas sei que ele vai ler. Acho que ele é sábio quando coloca as suas palavras nos meus ouvidos ou quando divide comigo as opiniões que ele tem sobre a vida. E nessa conversa de sexta ele me disse uma grande verdade: precisamos parar de querer ter sempre as coisas 100% certas. Se criarmos uma expectativa alta e acontecer algo abaixo disso, a gente se frustra. Sendo sinceros e esperando a média, o que vier acima disso é lucro.

Ele deu um exemplo: média escolar. Claro que temos que estudar visando sempre a nota 10, mas se sabemos que não somos bons em exatas, por que não se contentar com uma nota 7? Ela vai te ajudar a passar de ano e resolve a sua vida. Não é 10, mas te livra da recuperação.

Fiquei pensando nisso depois, em alguns setores da nossa vida, e acho que ele está certo em alguns casos. A minha vida profissional eu sempre esperei muito. Mas sempre busquei muito alcança aquilo que eu esperava. Hoje eu trabalho na empresa que sempre quis, fazendo o que eu sempre quis e com pessoas maravilhosas. Claro, como tudo na vida, as coisas não são 100% boas, mas são sempre perto disso. Com a minha vida pessoal, essa a maior bagunça do momento, acho eu, sempre esperei demais. Minha expectativa sempre foi alta demais. Sempre quis O grande amor, A festa de casamento, A vida próspera, O marido ideal, OS filhos obedientes. Sempre esperei que fosse 100% perfeito. E aí é que vem o tombão...a realidade é diferente. Se o marido é legal, o filho não é o mais obediente do mundo. Se o filho é um santo, o marido é viciado em futebol. Claro que esses são exemplos bobos... mas são exemplos.

Transpus (nossa, falei bonito) isso para o meu momento atual, um reflexo de todo o meu passado, e acho que estou esperando demais de mim e do mundo ao meu redor. Eu esperava uma pessoa que resolvesse os meus problemas internos e isso só eu posso resolver. Não estou falando aqui de nada relacionado ao Mr.Right (lembram dele? Hahaha), mas de coisas que pra mim ficaram confusas dentro de mim, com relação a mm mesma e não a terceiros. Acho que eu esperava que surgisse alguém que pudesse me consertar e ninguém pode, fora eu mesma (e um bom terapeuta). Eu esperava que minha filha aceitasse de cara meu novo relacionamento, mas eu esqueci que ela é uma criança de dois anos que sente a falta da mãe e acha que “a mãe é só minha e pronto”. Eu esperava a fórmula mágica para ser uma mãe exemplar e uma profissional de sucesso, quando eu me dei conta que depois dos filhos, sua vida vira de ponta cabeça e você nunca mais é a mesma pessoa.

Acho que, diante disso tudo, meu pai está certo... às vezes é melhor aceitar que os filhos vira e mexe são respondões, os namorados não são psicólogos, a vida não é cor de rosa. Mas está aí pra ser vivida. Se não com satisfação de 100%, mas com uma bela e plena média de 70%!

4 comentários:

Oficina Chic disse...

Amiga, que post perfeito! Me vi nele em diversos momentos.. E seu pai realmente é um sábio!
Beijos, Gabi

ciça disse...

Os pais sabem das coisas, Tati... O meu, sempre sabe...rs!
Aproveite!!!

Bjs

Ciça

www.pilatesforhealth.blogspot.com

Nathalie disse...

obrigada pelo post Tati! tava precisando ouvir isso, sabe?
Beijão!!!

Wanessa disse...

Amiga,

Incrivel como me faz bem ler seu blog.

Será que somos irmãs g~emeas? Pensamos tão parecido... rsssss!

Eu também me cobro muito, quero ser 100% em tudo! Sou exigente comigo mesma, e isso e cruel!

nada é perfeito, necessário e urgente aceitar que somos "humanos", limitados e falhos... e que, apesar do nosso esforço, nem sempre alcançaremos a perfeição. O mundo não é estático, nem previsivel!

beijos!!!!

http://belezapedagogica.blogspot.com/