sexta-feira, 1 de abril de 2011

Ser mãe...

Quando eu era pequena achava que ser mãe era a coisa mais simples do mundo: era só mandar na pessoa e ela tinha que ir lá e fazer. E aí, para piorar tudo, eu achava que a minha mãe era a pessoa mais folgada do mundo. Poxa, porque eu sempre tinha que estudar enquanto ela ficava assistindo televisão? Porque eu tinha que comer as comidas delícia (um dia eu faço um post só pra isso) e ela nunca era obrigada a comer nada?

Aí eu cresci...e com isso cresceram as confusões. Na verdade, eu e minha mãe nos damos super bem. De verdade. Mas nem por isso a gente deixa de discutir. Acho que todas as mães e filhas brigam (e filha e pai e irmão e irmã e pai e mãe..) e acho que todas as brigas são parecidas. Quando a gente é mãe acha que pode controlar o futuro e a vida dos filhos e quando a gente é filho sempre acha que os pais estão errados em palpitar.

Sei que fui uma filha tranquila em alguns aspectos e péssimas em outro. Nunca fui de baladas, de drogas e de namoro. Em compensação nunca soube lidar com dinheiro e isso sempre foi motivo de muita confusão em casa. Sempre que fiz meus pais chorarem foi porque me descontrolei com os gastos e aí a coisa pegava. Por outro lado nunca cheguei em casa bêbada, nem fui grávida adolescente e nem expulsa da escola. Qualidades por um lado e defeitos por outro. Como todo ser humano. Meu pai sempre foi mais da conversa, da análise. Nunca me bateu. Minha mãe, capricorniana, sempre agiu por impulso e, com ela, as brigas eram maiores. Uma hora eu ficava quieta e nas outras, respondia. Se era certo? Não, mas eu achava que podia responder e que sairia "por cima da carne seca". Aí a gente brigava mais ainda. Depois de 10 minutos tudo estava bem - pra ela. Eu ficava de cara feia por horas (ou dias...).

E o que eu quero dizer com esse post? Que, mesmo com todas as brigas, todas os erros (sim, porque somos humanos e a gente erra pra chuchu) posso dizer que tenho orgulho de ser filha dos meus pais. Tenho orgulho de dizer que a minha mãe é professora e sempre nos ensinou a ler. Tenho orgulho de contar a história de vida do meu pai, que um dia fez pesquisas nas ruas e hoje tem uma agência de publicidade que é dele. Tenho orgulho de ter uma mãe que admite os erros e tenta consertá-los. Tenho orgulho de ter um pai que, mesmo com todas as minhas besteiras, me mandou uma vez uma carta linda dizendo que estaria lá pra mim sempre. Tenho orgulho deles e gostaria de ser uma filha melhor do que a que fui e a que sou hoje.

Esse post é uma homenagem aos meus pais. E, mais do que isso, uma resposta a esse post lindo que a minha mãe fez e que eu discordo totalmente. Acho que os erros dela me fizeram forte como eu sou e que nunca é um erro quando a gente dá o nosso melhor e tenta do fundo do coração.

Para vocês,o post que ela escreveu e pra vocês,mãe e pai, todo o amor que eu posso um dia dar para alguém.


Culpa, eu???? Muita...

Disseram uma vez( nem me lembro quem foi) que culpa é algo que você tem porque a aceita. Mas há certas situações em que não há como não as aceitar.
Tenho uma grande culpa que carrego e que não há como me redimir dos erros que cometi : sempre fui crítica demais com minha filha.
Desde muito pequena, sempre cobrei dela um comportamento exímio. Falhar? Nunca.
Não gosto de me lembrar das coisas desse passado, não mesmo! Não tenho como voltar atrás e corrigir meus erros com ela e foram muitos!!!
Não tenho como hoje fazê-la entender que a errada fui eu e não ela. Meu "bom dia" era : por que sua cama não está arrumada? Meu "boa noite" era: veja se não faça mais isso... pobrezinha, que mãe horrível!
Só peço a Deus que a fortaleça, que a equilibre cada dia mais.
Só peço a ela que me perdoe, por tudo. Errei muito, mas errei sempre te amando, filha.
Apagaria de tua memória, consciente ou não, todas as falhas que cometi.
Deixaria somente o som da minha voz te dizendo sempre: você é minha luz, meu caminho, meu tudo.
Você é a alma mais linda e pura que conheci. Eu te amo...

12 comentários:

Mi disse...

bom fds
beijinhos

Claudia disse...

O post da sua mãe é o seu post pra Madu daqui a uns 20 anos...toda mãe carrega uma bagagem de culpa enorme. Ela muda sua vida inteira, até a pessoa que ela é, o que come, quando dorme, etc, só para o bem-estar de um filho, e não adianta, sempre vai se sentir culpada por algo. É o jeito. Amei que vc respondeu para ela. Amei esse post.

Oficina Chic disse...

Amiga, que post lindo.. Meu olho está cheio de lágrimas, todos nós vivemos esses momentos de brigas e coisinhas com nossos pais e acho que tudo que li fez passar um filme pela minha cabeça! Post maravilhoso, um dos mais lindos que já li! Tenho certeza que é uma filha maravilhosa, e agora uma mãe maravilhosa :)
Beijos, Gabi

Paulinha disse...

Ai, Tati, que post lindo... amei o que sua mãe escreveu e amei sua resposta.
Ser mãe realmente é isso mesmo... às vezes a gente olha pra trás e pensa que foi carrasca... rsrsrs...

Anônimo disse...

Quer dizer que sua mae tem um blog?

Tati disse...

Tem sim...tá ali do lado o link: cheguei aos 50... vai lá.
Beijos.

Karol Verri disse...

Sempre visito o seu cantinho, mas nem sempre da tempo de comentar, porém hoje não poderia ficar sem escrever que amei o post.
Pai e mãe realmente são os melhores amigos que podemos ter.
Beijos
http://antenadasefashionistas.blogspot.com

Lari disse...

Chorei!

vitor disse...

confesso q chorei tambem! hehehe q lindo tati!!

andrea disse...

adorei!!!

Look Charmoso disse...

Nooosaa, estou chorando muito nesse exato momento, vc me fez voltar no passado, e viver a minha história. Minha mãe capricorniana, faleceu faz 5 meses....

não tenho mais palavras..
desculpa

Monica Tinoco disse...

Aii..sua mãe me fez chorar..Aff!!
lindo!!!

bjokas

http://papinhodeloira.blogspot.com/