quinta-feira, 12 de maio de 2011

Um anônimo diferente...

Com tantos comentários anônimos fica difícil saber quem é a mesma pessoa sempre. Mas este anônimo do último post é diferente. Ele deixou a história dele em comentários e o que ele contou, eu já vivi. E o fim parece que será o mesmo da minha história. Isso é que é legal no blog: saber que não somos só nós que vivemos dilemas, sofremos e choramos. Muita gente passa pela mesma situação.

Ao anônimo em questão posso dizer que o entendo. Entendo você assim como entendi a escolha do Mr.Right. Pode não ter sido a melhor escolha para mim (aliás, não foi mesmo), mas foi a escolha certa. Independente do que me disseram e ainda dizem, eu sei que o casamento era a única saída. Não sei como seria a vida da Natasha, que passou por poucas e boas, se tudo fosse jogado para o alto nos 45 minutos do segundo tempo. Entendo tudo isso. Mas não deixo de lamentar que uma história tão bonita tenha sido impedida (ainda que temporariamente, espero eu) por conta de uma escolha racional e não emocional. Digo a você, anônimo, que todo mundo vai acabar sofrendo na história: você por casar com alguém que não ama verdadeiramente, a sua aluna - que se envolveu e te ama, como você me contou e a sua noiva, que vai ter ao lado uma pessoa cujo coração não pertence a ela. Fico pensando em como seria se a Natasha (ou a sua noiva, no seu caso) se sentiriam sabendo que estão ao lado de pessoas que, por muito tempo (ou então para sempre) terão na cabeça e no coração uma pessoa que não são elas. E, pior ainda, será que vocês dois (anônimos e Right) não estão impedindo que essas moças conheçam a verdadeira felicidade, ao lado de alguém que as ame de verdade e não por gratidão?

Não sei... eu acho que desisti de pensar nos E SES no dia que Right se casou. Ou então eu ficaria louca eternamente. Talvez eu parasse a minha vida pensando em viver a vida deles. Ou então viver pensando na vida deles. Então eu escolhi viver. E acho que sua aluna vai escolher o mesmo. Como a gente vive, aí é que é o desafio. No começo você não vive, você sobrevive. No começo você pensa que a dor não vai acabar. Mas depois você se acostuma. Se você leu o meu blog por inteiro, vai ver que essa é uma ferida que pode ser que nunca cicatrize por completo. Mas vai ler também que todos os meus dias eu tento deixar isso num lugar do coração que eu possa me lembrar só com alegria e felicidade.

De verdade, não sei bem o que te dizer. Nem a você e nem à Miss Anônima, que vive situação semelhante. Só posso dizer que estamos os três no mesmo barco...cada um dentro de um papel diferente e que o máximo que podemos fazer é tentar nos ajudar...E para isso, estou aqui sempre que quiserem...

10 comentários:

Letras Saltitando disse...

q punk isso... mas eu sou da opinião que felicidade não se camufla e nem se faz de conta....
casar com alguem por "n" motivos que não seja realmente amar a pessoa que tu está casando... é proporcionar uma felicidade falsa, e impedir a outra pessoa e tu mesmo de ser feliz, e isso nao é justo pra ninguem.

Nathalia L. disse...

Pensei e repensei e não consigo chegar a nenhuma conclusão..

Obviiiio que temos obrigação de buscar nossa felicidade, lutar por ela, fazê-la acontecer, pois se assim não for feito, a missão "viver" fica muito sem sentido não é mesmo??!

Mas também entendo a cobrança própria do sr anônimo, de destruir os sonhos da noiva, que ele construiu junto, que alimentou, que compartilhou.

Não queria ser a noiva que escutaria q está tudo acabado, mas nao queria ser a mulher que tem um marido ao lado que sofre por outra pessoa.

Dificil missão Sr Anonimo!

Paulinha disse...

Gente, tenho uma amiga que tomou uma bota menos de dois meses antes da data do casamento. Já faz quase um ano e ela tá viva e saudável.
Somos adultos e todos superamos isso.
Mto pior teria sido ter investido dinheiro, juventude, coração, tempo num relacionamento com a base podre, onde não há amor de verdade.

Melhor coisa na vida que o cara fez pra ela, um favor (ter dado a bota). Ela agora tem tempo para correr atrás da felicidade com alguém que goste dela de verdade.

Pessoas, com todo respeito e carinho, vcs não são a última bolacha do pacote. A pessoa que vcs não tem certeza que amam pode ser imensamente amada (com certeza) por outra pessoa.

Se não estão a fim, não roubem dessas pessoas a chance de serem felizes (e correspondidas de verdade) por alguém que está por aí procurando um verdadeiro amor.

Nunca é tarde pra recomeçar!

Anônimo disse...

Olá,

Já acompanho seu blog a um tempo na verdade acho q desde o começo,mas nunca escrevi aqui e agora vendo vc respondendo um comentário,quis responder para dizer q ja vivi uma historia parecida com a de vocês.Sofri demais inclusive intervenções dos pais de ambas as partes por acharem que não era certo,para vocês terem uma dimensão de como realmente nos envolvemos e de tanto amor fomos inconsequentes.Hoje em dia a outra pessoa descobriu e eles "terminaram"pq mesmo sabendo d tudo ela terminou mais fica indo atrás na esperança q ele peça para voltar só que agora todo mundo é contra e sofremos ameaças inclusive e mesmo assim não conseguimos parar de nos ver nem de nos falar.O que eu posso dizer é vivam realmente e acreditem no amor e em tudo q vcs viveram.

Anônimo disse...

posso responder ao o sr anonimo..que isso d a dor passa e tudo mais ...e com base na minha historia ele nao vai conseguir e a outra pessoa pela qual eu fui apaixonada ficou casada 2 anos e chegou uma hora q ficou insustentavel para ambos e agora chegou ao fim e nesse tempo todo nunca conseguimos nao nos falar.....eu sou o anonimo de cima!rs

Tati disse...

Oi Anônimo aí de cima... espero que vc leia isso aqui..hehehe

Antes de mais nada, anônimos, deixem nomes de mentira para que eu possa falar de modo personalizado..!

Para vc, que comentou aqui, eu adorei saber que vc me lê faz tempo e que somos mais um no mesmo barco. Viu qta gente passa pela mesma situação?

Eu acho que, no fim, quando o sentimento é verdadeiro, uma hora tudo se acerta, mas a vida precisa ser vivida,né?

Torço por todo mundo...uma hora a coisa entra no eixo.

Beijos,
Tati

Anônimo disse...

opa Tati.. tudo tranquilo?!

inicialmente fico feliz com o post.. feliz com a resposta, a atenção dispendida...

bem.. acho que a resposta que vc me deu eu já esperava.. na verdade o que eu queria era ouvir..era assim: cara, primeira paixonite na vida, a gte cura assim.. pronto.."puft".. passou..passou esse peso por nao ter coragem de continuar com a mocinha.. passou essa vontade chata do caramba de esta perto da outra pessoa, vontade de perguntar como foi o dia.. ihh vontade de tanta coisa...

aqui não é o meu blog..mas me sinto a possibilidade de explicar um pouco do peso que nos levamos.. e acredito q o Mr. Right, tb leva.. acredito neh...

é complicadissimo.. não se restringe somente a nossa vontade.. aparece tanta coisa em cheque, que jogar tudo para o lado é completa insanidade..

e outra.. amor se cura com o tempo..é o que todo mundo diz.. inclusive vc.. tomara mesmo..

acredito que o que acalenta a gte..ou mais especificamente quem passa por esse tipo de situação..é a esperança..esperança que isso pode acabar.. acabar tanto para o lado de ficar literalmente com a noiva. casar e viver feliz.. como antes de conhecer a aluna.. ou acabar o relacionamento com a noiva( nao sei como, nem quando) ficar sozinho e atras de quem se gosta.. hipoteses dificeis de acontecer neh.. se for levar para o campo das possibilidades..

acho que o que vai acontecer é viver a vida.. sempre com aquilo na cabeça... que é o pior dos remorsos...se eu tivesse feito isso seria assim...bla bla bla

ihhh.. situação dificil.. escrever por um lado é ..bom.. pq vc chega literalmente a uma conclusao lógica que nao tem saida neh..hehe

"Mas vai ler também que todos os meus dias eu tento deixar isso num lugar do coração que eu possa me lembrar só com alegria e felicidade."(comentario tati) -
ruim isso neh...como se vc tivesse um cofrezinho que vc guarda as coisas bonitas..e depois qdo se esta triste vai lah.. e tira um papelzinho, como se fosse pra ficar bem.. vc ate fica bem.. mas no outro instante volta, ate pior..é nostalgico demais..

Anônimo disse...

seja guardar os bons momentos, seja tentar esquecer.. é uma dificl missão..nao impossivel.. nunca vi ninguem morrer de amor..

por fim.. enquanto a Miss Anonima, uma terceira participante do barco a deriva.. desejo boa sorte.. sorte para esquecer o novo amor.. ou mais sorte ainda para jogar tudo pro cima..

Abcs;

Anônimo disse...

Queria ter a força que vocês têm... Ainda tenho esperança de me acostumar com a ausência...
No meu caso, ele já era casado, trabalhavamos juntos e tinhamos muita coisa em comum, sabe aquela coisa de 'alma gêmea"? Nunca alimentei esperanças de acontecer algo, já nos conheciamos há mais de ano, mas, um dia aconteceu de a gente se beijar...
Ficamos nisto de tentar parar, mas não aguentar ficar longe, quase 3 anos e chegou no ponto de não ter mais como levar adiante. Acabou faz pouco mais de um mês.
No final, ele escolheu o certo, os filhos, assim como escolheu quando decidiu casar com ela, anos antes de a gente se conhecer.
Eu acompanho seu blog quase desde o começo e sempre ficava pensando 'como vou me sentir quando acontecer o mesmo?', por mais que você tente se preparar, a sensação é de ter sido dilacerada por dentro...
Espero que um dia isso passe...

Beijos

Helena Pavan Guimarães disse...

Vixe....credo, mais tudo passa amore...TUDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
Beijo e boa semana!!!!!!
Helena