quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Eunices, Natalies, Samires e por aí vai...

Eu confesso: sou noveleira assumida. Desde que me conheço por gente eu adoro uma boa novela e troco balada de sexta por um último capítulo. Aliás, quando eu era pequena, meu castigo por qualquer mau comportamento era não assistir novela nenhuma. E eu lembro como aquilo me fazia sofrer horrores. Continuo noveleira, mas dessa vez com uma análise diferente. Acho sim que as novelas de hoje estão retratando muito mais a realidade da gente. E aí que fica sendo bem mais legal analisar os personagens.

Essa semana eu li uma matéria sobre a Deborah Secco e suas personagens e aí eu parei para pensar. Hoje, seja qual for a novela, os personagens são reflexos da nossa sociedade. E isso, minha gente, é meio bizarro. Ontem eu estava assistindo "Insensato Coração" e faz tempo que eu acho ridícula a Eunice, personagem da Deborah Evelyn. A mulher é o símbolo perfeito da alpinista social, que quer crescer a qualquer custo e passa os mesmo valores para as filhas. A cena que me chocou foi quando o marido dela fala que a filha perdeu o bebê e ela diz que eles perderam a pensão do avô paterno, que é rico. Aquilo me chocou de uma tal forma porque eu sei que na vida real existe gente assim. Eu conheço gente que é Eunice em proporções menores. Gente que ensina as filhas a arrumar um marido rico. Gente que diz para as meninas que precisam conhecer meninos ricos e namorá-los porque assim garantem um bom casamento. Gente que se aproxima dos outros apenas pelo que eles têm e não pelo que eles são. E o pior é que esse pessoal que eu conheço não convive tãããããão longe assim de mim. É gente que está ao nosso lado... pode ser na nossa casa, no nosso trabalho, no cabeleireiro que a gente faz a unha todo sábado.

Aí eu comecei a assistir O Astro e vi que a personagem da Regina Duarte está se casando com o Samir Hayalla, que já tentou casar com a Carolina Ferraz. Esse aí, nem falo... o cara claramente consegue se envolver com as mulheres apenas pelo dinheiro. Também existe gente assim na vida real e isso é o que eu não consigo entender. Acho que o beijo, o toque, o carinho são tão pessoais que na minha cabeça é inconcebível a ideia de estar com alguém, dormir com alguém por quem eu não nutra um forte sentimento. O casamento por interesse está bem longe daquilo que eu chamo de ideal. Mesmo que por um motivo forte, se é que isso existe.

De todos os picaretas e aproveitadores das novelas, a mais engraçada acaba sendo Natalie Lamour. Ainda não sei se ela é ruim ou se é apenas muito vislumbrada. Seu interior é puro, mas seu exterior acaba massacrando seu lado bom. Isso é o que a faz entrar neste post de pessoas que eu não entendo. Mas, de todos, é a mais light.

No fim das contas, o que podemos fazer é tentar nos proteger desse bando de alpinistas sociais ou pessoas que chegam na gente por puro interesse. E muitas vezes o interesse não é financeiro. O interesse pode ser profissional também. Aí é outro perigo...e dos grandes.

Portanto, minha gente, fica a dica... todo mundo assistindo novela para saber como lidar com esses tipinhos!!

PS: Quem matou a Norma???

Um comentário:

Débora disse...

Quem matou a Norma foi o Coronel Mostarda, com o castiçal, na biblioteca.

:P