sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Tempo

Tempo é uma coisa bizarra. Quando você precisa que ele passe muito rápido, ele é leeeeeeeeeeeeento. Quando você quer que ele demore pra passar, aí ele voa. E a coisa que eu tenho notado é que o tempo tem passado muito (MUITO) rápido. A gente pisca o olho e está comemorando um ano que chega. Pisca de novo e já está comendo peru de Natal e se preparando para mais um ano novo. E no meio disso aconteceu tanta coisa que metade você não assimilou ou sentiu.

E nessa do tempo voar você se permite esquecer (ou fingir que esqueceu) de coisas que ficaram lá atrás. Mas o tempo (ah, o tempo...) uma hora ou outra te lembra do que passou (e que passou rápido). Explico, mas sem muita lamentação, vai fazer - mês que vem - um ano do casamento do Mr.Right. E o que aconteceu nesse ano que tá completando? Eu fiquei com alguns caras, engatei um namoro que não deu certo nem por um trimestre, saí com gente que nunca sairia e troquei meia dúzia de "Skypeadas" com um Mr.Right confuso e que não me fala, na real, como estão as coisas.

Não, não estou em depressão. Estou é assustada em como as coisas andam passando tão rápido que a gente nem percebe. Parece que foi ontem que eu comecei a escrever aqui, chorando todos os dias e desejando com o fundo do meu coração que as coisas acontecessem de forma diferente. Hoje, quase um ano depois, estou aqui, escrevendo feliz da vida com o meu emprego, com as minhas coisas e passada em como foi tudo muito rápido. Claro que posso dizer que vez ou outra AINDA bate a deprê e a saudade. Não vou negar. Mas ontem, conversando com um amigo casado, tivemos o diálogo a seguir:

Amigo: Estou te achando meio triste essa semana. Ainda pensando no Mr.Right?
Eu: Um pouco. Vez ou outra a gente se fala. Vez ou outra eu sinto muita falta. Vez ou outra.
Amigo: Então corta de vez e não se tortura emocionalmente.
Eu: Você já gostou tanto, mas tanto de uma pessoa que sentia dor na alma cada vez que se separavam, mesmo sabendo que se reencontrariam depois de algumas horas? Foi isso o que a gente sentiu.
Amigo: ....
Amigo (depois de uns dois minutos): Nunca senti isso na real. Então fique com a ideia de que você pôde sentir um sentimento real, que muita gente demora anos e anos pra sentir...se é que um dia vão sentir isso.
Eu: Verdade. Melhor ter sentido uma vez do que nunca.

E é isso mesmo o que fica. Por mais que não tenha dado certo (ou tenha dado certo, pelo período que pudemos ter), eu acho que os dois experimentaram um sentimento que muita gente (casada, inclusive) nunca vai sentir na vida. Sentir que existe sim, aquele amor que faz com que a gente sinta saudade da pessoa logo depois de desligar o telefone. Saber que tem alguém que te quer feliz independente de estar ou não ao seu lado. Uma coisa bem "As Pontes de Madison" mesmo.

E é assim que eu vivo, um ano depois...sabendo que eu fui plenamente feliz no amor. E que existe SIM um amor maior. Eu descobri. Eu vivi. E isso, mesmo em um milhão de anos, não vou esquecer. Por mais que o tempo voe...

5 comentários:

Letras Saltitando disse...

Uma vez eu vi uma explicação de alguem no NatGeo falando sobre o tempo.
O mesmo disse que não é que o tempo passe voando ou lentamente, é que conforme vamos ficando velhos, o tempo sempre vai parecer que está voando.
Bjo e bom findi!

Nathalie disse...

Ai Tati! tempo é uma coisa tão relativa né? Pra mim, esse último ano tem durado uma eternidade.
Mas entendo o que você quer dizer, e era bem isso que eu estava comentando com minha mãe outro dia, que alguns amores passam tão rápido, seja pelo motivo que for pelo qual terminam, mas que tanta gente vai a vida inteira sem ter sentido algo tão bom. É claro que ter um amor tão lindo e ele não durar deve doer, mas acho mais triste nunca ter tido nada assim. Tem uma coisa tão bonita na tristeza, nas lembranças do passado. Guarda essa beleza com você e seja feliz sabendo que isso é seu, fez parte da sua vida. Né?
Beijãooooo

Tati disse...

Ai amiga mil saudades de conversar c vc!!!!
Quanto mais o tempo passa, mas ele passa voando mesmo....por isso que aproveito cada minuto, pois quando a gente vê, o tempo passou!

beijokas
Tati
www.phinerrima.blogspot.com

Helena Pavan Guimarães disse...

Nossa e quando vc esta grávida...como o tempo é lento amiga....
Beijo
Helena

Anônimo disse...

Esse amor deve ser como chama que nunca apaga, ela perde a força com o tempo, mas sempre vai estar lá, nunca vai apagar. Depois de um tempo você se acostuma com ela alí. Mas ninguém tira da tua existência a vontade de vê-la dinovo ardendo como fogo selvagem.
O amor nem sempre é duradouro, mas algumas vezes ele é curto e intenso. Ti entendo. ;)