terça-feira, 18 de outubro de 2011

Valorização


Este post pode me trazer problemas com algumas pessoas. Pensando bem, vai causar se a carapuça servir e, se servir, que seja uma lição.

Eu sou super favorável à liberdade da mulher. Acho que merecemos mesmo sair por aí, fazer o que der na nossa telha sem ser julgadas ou queimadas na fogueira. Maaaas...acho que, com a liberdade, a gente conquista também o dever de saber agir com sabedoria e não enfiando o pé na jaca. Só que o que eu tenho visto hoje é muito mais pé na jaca do que a mão na consciência.

De verdade, não sei se foi a minha criação “semi-caipira”, as amizades com a cabeça no lugar ou se eu nasci assim mesmo, mais conservadora. Fato é que, do alto dos meus quase 28 anos e meio de vida, eu passei a noite com pouquíssimos caras. Poucos mesmo. Já comparei com algumas amigas e salvo duas ou três (literalmente), a minha “listinha” é sempre a mais “inha” mesmo. Eu me orgulho disso. Tirando um (ou dois,vai, para ser mais real) erro de percurso nessa lista (leiam “nomes que eu gostaria de tirar”), não me arrependo do que aconteceu. Aconteceu com pessoas bacanas e que, de alguma forma, acrescentaram alguma coisa na minha vida. Para esses caras, um recado (se é que algum deles lê isso aqui...): sintam-se especiais, porque eu sou mesmo chata.

Mas na verdade esse post não é sobre isso. Esse post é sobre valorização. A nossa valorização. O valor que a gente dá pra gente mesmo e como isso se reflete para todo mundo. Explico: quando eu termino um relacionamento (ou quando terminam comigo uma história que eu gostaria que fosse um relacionamento), eu não consigo sair no mesmo dia e beijar uma pessoa. Talvez, quem sabe, seja mesmo meu lado careta, mas acho que beijar um outro cara não vai me fazer sentir melhor ou resolver o meu problema. Quando eu voltar para casa, sozinha (no meu caso...no seu pode ser que você volte acompanhada), o término e a frustração vão continuar ali comigo.

Só que cada vez mais eu tenho visto por aí gente que não pensa assim. Amigas minhas. Amigas de amigas minhas. E as amigas das amigas das minhas amigas. O número é crescente. E não entendo. Sei que cada um é dono do seu nariz, mas porque não se valorizar? Conheço gente que terminou ontem e ontem mesmo beijou um cara. Não finalizou (se é que me entendem) porque a consciência bateu. Desta vez. Pela primeira vez. Um pequeno, mas grandioso passo para a valorização.

E sabe o que está por trás dessa falta de valor? A carência afetiva em excesso. A vontade quase desesperadora  de estar com alguém, mesmo que, de verdade, você esteja sem ninguém. É o medo de ficar sozinha. O medo de se encarar sozinha. O medo de ser sua própria companhia. E para isso passar se aceitar e entender que você é o seu melhor par é o caminho ideal.

O triste disso tudo é que cada vez mais a mulherada está fácil. E cada vez menos os homens acham o joio no meio do trigo. E aí quem realmente vale a pena, fica no meio dos demais. E para se destacar? É o que eu ainda estou tentando entender...

6 comentários:

Fernanda disse...

E viva a caipirice, né, Tati! :-)

Acho que é questão de se saber o que quer: se a garota so' quer se divertir e enfiar o pé na jaca, como vc disse, com todos os caras possiveis e imaginaveis... ok, go ahead.

Mas fazer isto para se distrair ou para tapar um buraco, realmente não da' certo, da' é confusão!

beijocas

Flá disse...

Bom,eu sou uma das listinhas-inhas tb,huaihiaua,só dormi com um cara na vida, beijei menos de 10...mas pra mim não é questão de orgulho nem de vergonha, foi só como as coisas foram até agora. Eu entendo o seu lado e já pensei assim por um tempo,mas agora estou tendo outra perspectiva: tem gente que não mede seu próprio valor baseando-se em quantos beijou e para quantos deu. E se a gente for pensar,não deveria ser o certo? Você quer ser querida e amada pq fez sexo com poucos ou pq é uma moça bondosa, gente fina, interessante,carinhosa, ótima mãe? E será mesmo que uma coisa exclui a outra? Colocam tanto o sexo (para as mulheres,CLARO!) como moeda de troca- você só vai ser amada,casar,ter filhos, se for "certinha" e "se valorizar"!-mas isso é só uma forma de dominação!

Enfim,você pensa do jeito que quiser e o ideal é isso mesmo: se você é assim,seja assim! Acredito que sua opinião não vá mudar por causa de um comentário desconhecido no blog,haihaiuhaiua,mas sei lá, eu acho q vale pensar que nem todo mundo usa isso como base de valor e que talvez não seja o caso de julgar as pessoas baseando-se apenas nisso...e viva a diferença!

Bjaum! =)

Tati disse...

Adorei, Flávia , seu comentário!!!
Viva a diferença de opinião!!!
EEEEEEEEEEE!

Cláudia Lemes disse...

Huuuum...concordo com o que a amiga aí de cima escreveu. Mulher tem vontade, como homem, e se ela dá ou não dá, para mim, isso não a ver com valorização. Não acho legal, claro, uma mulher sair dando pra todo mundo mas acho que o problema é dela.
Eu acho ainda pior quem mantem um relacionamento (seja namoro ou casamento) com quem não ama, só para não ficar sozinha. Acho que a mulher que obtem prazer sexual numa noite se valoriza mais do que quem encara meses e anos ao lado de alguém só para não ficar sozinha, para não mostrar para os outros (família, amigos etc) que está "solteria". Mas isso é só minha opinião.

Anônimo disse...

Oi Tati.
Adorei o seu posto de ontem, serviu exatamente para momento que estou vivendo... e como é difícil, né?
Eu queria conversar com vc por e-mail, será que posso?

Beijos
grassielata@gmail.com

Anônimo disse...

Claro que pode!!! Vou te mandar meu email...
Bjs