segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O que eu quero para 2012...



E estamos chegando nos 10 últimos dias (eu arredondei, eu sei) do ano. E começa aquela comoção de planejar o ano que vem. A gente sempre acha que vai ser melhor, que vai ser diferente. Mas sejamos sinceros: quase sempre a coisa é igual. Muda uma coisinha ou outra, mas basicamente a gente mantém o padrão de vida.

Para meu ano que vem eu decidi não planejar muita coisa. Não quero aquelas resoluções impossíveis de se realizar. Porque eu quero realmente concretizar todos os meus desejos de 2012, então não vou prometer o impossível. E,por isso, eu quero:

1- Que o mundo não acabe. Tá, isso eu não sei se é possível de querer, mas eu ainda tenho muita coisa pra fazer e um ano só é muito pouco. Não casei, não conheci Nova York, não aprendi francês e italiano, não vi neve...e sejamos realistas, não consigo fazer tudo isso antes do fim do mundo em 2012 então...DEUS, SEJA BONZINHO E ME GARANTA MAIS UNS 50 ANOS...

2 - Aprender um idioma novo. Eu queria italiano, mas vou fazer francês. Tenho 3 clientes que são de um grupo francês e meu objetivo é que a última reunião de 2012 com eles seja totalmente em francês (vai ser um francês meia boca, mas tudo bem...em um ano é o que dá pra conseguir).

3 - Me exercitar mais. Não, não vou prometer que vou me matricular numa academia porque a que tem ao lado da minha casa, pasmem: não aceita crianças. Então eu decidi que vou me exercitar. Andar um pouco todos os dias, subir e descer escada, esfregar roupa no tanque...não sei. Mas que seja qualquer coisa que perca calorias.

4 - Estar mais perto da minha família e dos meus amigos. O que significa basicamente não viver para o meu trabalho 120% do meu dia. Quero passear mais com amigas que deixei de lado (e que fizeram a mesma coisa porque trabalham tanto quanto eu), ver mais as minhas irmãs e o meu pai e visitar mais a minha mãe na praia.

5 - Passar hidratante no corpo todos os dias. E não vale aqueles de banho. São os cremes mesmo. E aí paro de levar bronca da dermato.

6 - Me abrir de coração para o mundo. E deixar a vida me levar...

Acho que, a princípio, é isso. Espero que o número 1 realmente aconteça...porque a lista é longa e talvez não me bastem apenas mais 365 dias de vida....

AH! ATUALIZAR O BLOG DIARIAMENTE TAMBÉM É UMA RESOLUÇÃO!!! MUITO IMPORTANTE, ALIÁS...

E vocês, quais os desejos para o ano que vem?

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O fim...e o começo

Não, não é o fim do blog. É o fim, definitivo, de um capítulo dele. O capítulo que começou esse blog. O capítulo Mr.Right. (sons de aleluia para uns e de "ahhhhhhhhh" para outros) Aí vocês me perguntam (ou não): por quê?

Porque hoje, no meio dos meus e-mails de Feliz Natal, eu recebo esse:


Desculpe ter te deletado do Skype e espero de coração que você entenda.
Desculpa também qualquer mal que eu possa ter causado, até mesmo sem querer.

Abraços.

O remetente é ele mesmo, Mr.Right. Aí eu fui olhar no meu Skype, pra ver se era mesmo aquilo e não vi mais o nome dele na minha lista de contatos. E não estava lá. Não mais. E aí eu realmente percebi que foi o fim. Não o fim que não é fim. O fim mesmo. O último laço foi cortado, se é que poderia chamar aquilo de laço. 

E desse e-mail dele vieram mais uns dois ou três que trocamos, com uma Tatiana querendo entender e um Mr.Right de desculpando. Terminei meu último e-mail dizendo que eu não me arrependia do que vivemos e esperava que ele também não se arrependesse. Ele não respondeu.

Então, minha gente, por mais que doa no fundo da minha alma (e, desculpem, mas dói, preciso admitir), esse capítulo da minha vida acabou. Passou mesmo e dessa vez passou de verdade. Acho que no fim foi bom...foi o fim que eu precisava e que eu sabia que era necessário, mas que eu não tinha coragem de correr atrás.

E foi bom até. Porque pra gente viver um novo começo, precisa ter tido um fim. E por mais que eu já tivesse tido esse fim, eu não tive. Ou eu pensava que não tinha tido. Hoje eu tive. Hoje, dia 15 de dezembro, eu acabei de vez com essa história. Hoje foi o dia do corte do cordão umbilical.

Se eu me arrependo de tudo? Não. Não me arrependo de nada. Não me arrependo de um segundo sequer do que eu vivi (ainda que eu me xingue muito por tudo isso, é verdade). E sou grata por ter vivido uma história tão linda e tão intensa. Mas...histórias lindas e intensas não necessariamente precisam de um "feliz pra sempre...". Eu tive um "feliz enquanto durou".

Hoje, no mesmo dia que eu coloco ponto final do capítulo "Mr.Right", eu decidi que estou começando a escrever um capítulo novo,com todo o amor que eu sei que mereço ter (de amigos, da filha, da família, do mundo). E nesse capítulo, quem é a autora sou eu.

Porque eu sou dona da história da minha vida. E ponto final.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Então é Natal...ou quase!

Piscamos o olho e estamos em Dezembro. Assim, como quem passa o dia, nós passamo o ano. Já falei várias e várias vezes sobre como o tempo está passando rápido e olhar as árvores e decorações de Natal espalhadas pela cidade só comprova isso.

2011 não foi o melhor ano da minha vida. Mas também não acho que tenha sido o pior. Tive, como 100% da população mundial, muita coisa boa e muita coisa ruim acontecendo. O que me resta nesse fim de ano é pensar que o outro será muito melhor. Aliás, essa é a melhor época do ano para fazer uma avaliação de vida e tentar (sempre isso, sempre tentar) melhorar o que não foi bom.

Esse ano eu resolvi não prometer nada. Mesmo porque de todas as minhas resoluções eu acho que a única que eu cumpri foi continuar o blog. Esse eu consegui. O resto....FAIL!!! Então eu resolvi não prometer nada de concreto. Prometi, isso sim, que eu farei em 2012 sempre o melhor que eu puder em tudo: trabalho, amigos, família, amor...e que dessa tentativa de ser a melhor que eu puder (sem me comparar a ninguém) venham as coisas que me forem de direito (falei bonito,hein?!).

Espero que todo mundo entre no ano que vem com essa mesma energia. De fazer as coisas funcionarem!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

As voltas que o mundo dá


É curioso como a vida dá voltas. E nessas voltas, vira e mexe a gente acaba esbarrando nas mesmas pessoas. Uma , duas, dez vezes. Podem passar dias, meses, anos...vira e mexe aparece sempre aquele “ser” que cruza o seu caminho. E aí que vocês colocam o papo em dia. E falam, como diz uma amiga querida, amenidades. E das amenidades passam a falar sobre a vida. E desse papo sobre a vida, saem outros tantos assuntos – interessantes ou não.

Comigo não é diferente (se fosse talvez eu não estaria aqui sentada escrevendo sobre isso). Também tenho uma pessoa que há três anos cruza o meu caminho de tempos em tempos. De formas inesperadamente divertidas, devo confessar. Divertidas porque já brigamos, já rimos, discutimos sobre trabalho e nos encontramos por conta de uma carona que nem tinha muita razão de ser. Essa pessoa talvez seja, pra mim, a personificação da DR (a “discussão da relação”) de tanto que já discutimos. Sempre por motivos fúteis. E talvez por isso seja tão divertido.

E por que eu estou escrevendo tudo isso? Porque ontem ele reapareceu. Assim, do nada. Quase tão inesperadamente quanto o nosso afastamento. E falamos por quase duas horas sobre a vida, sobre o passado. Nunca falamos de presente e futuro. Talvez porque a gente esteja esperando quando o mundo vai dar mais uma volta e colocar, de novo, um em contato com o outro.
Engraçado isso,né?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Solteiras S.A.

Estou seriamente pensando em montar um time de futebol, o Solteiras S.A. Sério. Está todo mundo terminando relacionamentos. Eu ainda não sei se isso é um alívio (mais gente para o clube, YAY) ou se isso é assustador (aumento da concorrência).

De qualquer forma, é fato que as pessoas estão deixando de ser um par para se tornar um ser independente. Por um lado isso é bom. Cada vez mais as mulheres estão deixando de achar que precisam de um homem para serem felizes e que podem,sim, ser plenamente feliz sem uma "outra metade". Por outro lado isso é ruim. Será que os relacionamentos estão se tornando cada vez mais banais ao ponto de terminar assim, sem mais nem menos (tá,sempre tem um motivo, mas eles estão se tornando cada vez mais e mais pequeninos)?

Não sei. Não tenho condições de analisar porque, bem...o ano está acabando e eu namorei somente janeiro e fevereiro, ou seja, não tenho parâmetro nenhum. Mas comecei a pensar de uns tempos pra cá sobre o assunto. Talvez porque essa semana eu tenha almoçado com um time de solteiras da agência e os papos me fizeram pensar bastante.

Aliás, pensando bem, estamos no momento de avaliação. Fim de ano a gente sempre faz um balanço de tudo o que aconteceu e fica cheio de energia pensando no que pode fazer para o ano que vem. Sempre pensando em melhorar, claro. Melhorar o que já está bom,consertar o que está ruim e fazer diferente tudo aquilo que pensou que seria de um jeito e não foi.

De qualquer forma, esta semana comecei a pensar. Será que ser solteira é o estado civil que estará na moda em 2012??