sexta-feira, 9 de março de 2012

A grama verde




Sabe aquele ditado: “a grama do vizinho é sempre mais verde”? Então. Muita gente concorda com a verdade que existe (ou não) nele. Mas, e quando você é a grama, em teoria, mais verde?

Comecei a pensar nisso esses dias. Eu e algumas amigas já passamos pela situação de ter caras comprometidos cantando de galo em cima da gente. Isso é normal. Quando a gente está em um relacionamento não vira cego e, deixando a hipocrisia de lado, a gente olha para o mundo sim. Isso, no entanto, não significa que, por mais que você ache aquele cara lindo, vai sair com ele e trair seu namorado. Você está apenas observando o mundo. O seu namorado provavelmente faz a mesma coisa.

Mas...voltando ao fato da grama verde. Há um bom tempo eu não saio com ninguém. Parte porque me falta tempo e parte porque me falta gente. Ultimamente os caras que têm se aproximado estão namorando. Por que eles se aproximam de mim? Não sei. Acho que, sendo justa, cada um tem um motivo diferente e não cabe a mim colocar aqui. Fato é que a minha opinião sobre ser a “grama verde” está mudando.

Há algum tempo (não muito) atrás, eu achava o máximo pensar que o cara que tinha namorada estava dando bola pra mim. Acho que nosso ego sempre precisa de uma massagem e é bom saber que um cara que tem uma pessoa acha que você é, pelo menos em um dado momento, melhor do que a que ele tem. Mas comecei a discordar de mim. E isso só aconteceu porque, sejamos sinceras, a grama verde só é mais verde enquanto ela é novidade. Depois ela queima, começa a murchar e o jardineiro escolhe voltar para o seu jardim ou simplesmente deixa a grama morrer de vez. OU então ele continua visitando o jardim, mas cada vez menos. Isso te completa? A mim não.

Estou passando por algumas (boas) mudanças e meu tempo anda escasso. Sendo bem verdadeira, como sempre fui aqui, não tenho sentido falta de um cara que “compareça” e pronto. Sinto falta de um cara bacana para compartilhar as coisas boas e as dúvidas que aparecem vez ou outra. E sendo a grama verde, me desculpem, isso não existe. O cara não quer saber se você está bem ou não está bem. O cara, aliás, nem quer saber de nada. Só quer saber de pastar vez ou outra. E disso eu cansei faz tempo.

Mudei. Mudei mesmo sabendo que tenho um passado que me condene. Mudei porque a gente precisa melhorar cada dia mais. E mudando, o mundo muda junto com você. Estou numa fase que, apesar de sentir falta, não estou esperando romance, nem borboletas. Eu estou focada no trabalho e num mundo novo que vai se abrir e não quero sair desse foco. Se aparecer alguém bacana, muito que bem. Se não aparecer, na hora certa ele virá.

Enquanto isso eu cultivo a minha grama verdinha...esperando um jardineiro que cuide exclusivamente do meu jardim, que florescerá na hora certa.

2 comentários:

Paulinha disse...

Tati, é sempre bom termos "provas" de que somos atraentes, não é? Entendo isso. Mas tb acho que se o cara tá namorando e ainda tá arrastando a asa pra mim, vixi, ele provavelmente é pior opção do que os solteiros que eu ando vendo! hehhehe...

Gostei mto do post. Fico mto feliz de te ver assim, focando em outras coisas da sua vida. É como diz aquela frase (que eu acho brega, mas é verdade), cuidando do jardim as borboletas virão como consequência. Cuide de vc, se ame, se dê atenção, invista nos seus sonhos e o resto vai chegar na hora certa.

Gostei do post leve e cheio de boas vibrações! Só não gostei dessa história de passado que condena. Todo mundo tem um passado que condena. Mas não precisa registrar isso, né? hahahahaha... finge que vc não tem, ninguém nota a diferença! heheheh... vai por mim!
bjinhos

Nati disse...

Oi Tati,
muito bom seu texto; muito positivo!
E concordo com a Paulinha aqui em cima: deixa pra lá esse "passado que te condena", o importante agora é o presente! O que passou, PASSOU!

Beijos com carinho,
Nati