quinta-feira, 1 de março de 2012

Psiu...você!


Você. É,você mesmo. Você que eu nem sei se entra nesse blog. Você que nem sei mais nada. Simplesmente você.

Fazia um bom tempo que não lembrava de você. E eu estava bem assim. Aí entrou um engravatado no metrô com um perfume igual ao seu. Claro...você e mais algumas milhares de pessoas no mundo devem usar a mesma fragrância. Engraçado...até o ano passado eu sabia o nome, hoje eu só me lembro da marca, mas não exatamente do nome. Acho que isso é um sinal de que – devagar e sempre – a coisa está passando. E nesse dia, do engravatado do metrô, eu fechei os olhos e fiquei lembrando de quando eu sentia o seu cheiro e me sentia em casa. E essa lembrança deixou o meu dia nostalgicamente mais feliz.

Depois disso me distrai no MP3. Tenho o hábito de sempre pular a música 64, que era a nossa, para que eu não fique lembrando. Até o dia que, perdida em pensamentos, esqueci que a próxima música era a 64. E ela tocou. Tocou inteira. Eu ouvi. Depois de mais de um ano, ouvi os mais de três minutos da música e lembrei de quando você me mandava em pedaços no meu celular cada vez que você tinha que viajar. E sorri. Sorri porque a cada mensagem meu coração transbordava de alegria.

Aí ontem, vasculhando a minha caixa de e-mails enviados eu achei. Lá, em uma pasta de 2010, uma dúzia de e-mails enviados por mim. Todos falando sobre a gente. Sobre um futuro que a gente nem sabia que existia. Não sei se por estar em uma semana assustadoramente mais sensível eu decidi ler um por um. E li. Li todos. E, não é surpresa nenhuma, senti uma dorzinha chata. E até uma invejinha “branca” daquela Tati plenamente feliz de 2010. Invejinha por saber que, daquele jeito, aquela Tati não vai mais existir. Mas calma...não se sinta mal. A Tati que morou em Vinhedo por 10 anos também não vai mais existir. Graças a Deus a gente caminha e evolui. Algumas coisas melhoram, outras nem tanto.

Eu cogitei, depois de ler todos aqueles e-mails, te escrever um novo. Mas pra quê? Dizendo o quê? O que anda acontecendo na minha vida? Não teria motivos, já que o que acontece na minha vida não te interessa há um bom tempo. Confesso que pela primeira vez na minha vida impulsiva eu controlei a minha ansiedade e não te escrevi. Não mandei mensagem. Não fiz nada, apesar de ainda saber seu telefone de cor. Aliás, curioso que “de cor” em inglês é “by heart”. Tem tudo a ver, já que eu enterrei a nossa história dentro de algum lugar no baú do meu coração. E baú de coração é aquela coisa, sabe...uma hora a porta do baú se abre e a gente não percebe. Essa é a hora de mandar o baú para o conserto.

E sabendo que alguma coisa eu tinha que botar pra fora, sentei e escrevi essa carta, que nem sei se vai chegar até você, visto que eu estou a publicando em um blog e não te mandando por e-mail (o que seria a minha atitude impensada...e insensata). Vai ficar aqui, imortalizada na internet. Um dia, quem sabe, você ache. Ou não. Quem sabe...?

Enfim, é isso. Escrevi. Coloquei para fora. Sem melodramas. Apenas palavras sinceras de uma pessoa que sente falta (às vezes) de um tempo gostoso que passou.

Espero que você esteja bem. E que, vez ou outra, sinta inveja branca do você de pouco menos de dois anos atrás. Sabe por quê? Porque o você de dois anos atrás estava a lado do meu eu...

9 comentários:

Oficina Chic disse...

Amiga, senti a sua dor e os seus momentos em tudo que venho passando.

Bom que tem esse cantinho para colocar tudo pra fora.. E bom que tudo está "passando" ou então, os sentimentos evoluindo.

Beijos, Gabi

Vall disse...

Amei o post.
Remeteu um sentimento de nostalgia,
saudades.
Mais sentir saudades é muito bom, significa que algo que foi bom ficou na lembrança.
A vida, os momentos passam mais as boas lembranças sempre ficaram em nossos corações.
Beijos e Sucessos!
http://esquentandooclima.blogspot.com/

Flá disse...

Lindo,lindo,lindo...

Gisele disse...

Puxa...lindo o que escreveu!

Você vai achar o que seu coração está buscando...Tenho fé em você.

Gi

Anônimo disse...

Oi Tati!

Vc melhorou muiiiiito!

Fiquei feliz por vc. Vc merece ser feliz.

Beijos,

Grassi

Anônimo disse...

Mais dias, menos dias, surgirá um novo amor.

Continuo torcendo muito por vc!

Grassi

Tati disse...

Oi amiga, primeiro que saudades de vc, poxa!!!
Eu imagino, pois eu lembro de como vc sofreu!
Mas águas passadas não movem moinhos, portanto...bora seguir!!
Mas momentos de nostalgia são comuns na vida a gente não é? Eu pelo menos tenho vários! nem sempre bons, mas especialmente esses, servem para nos lembrar de como o agora é muito melhor. E os bons, a gente guarda naquele cantinho do coração, sabe?
beijos e te adoro
Tati
www.phinerrima.blogspot.com

Natália disse...

Tati!! Amei esta 'carta'! Super linda, me identifiquei bastante também!!

Já mandou seu baú pro conserto, querida? O meu está a caminho rs (pelo menos me esforçando pra isso). Eu acho bem ruim, essas lembranças virem assim, do nada.

Ah, e eu como professora de inglês, acho essa expressão "by heart" uma das mais bonitas!! Sempre falo aos meus alunos, que quando temos algo no coração, não esquecemos mais.... :)

Mil beijos!!
Nati

Fernanda disse...

Que lindo, lindo, simplismente lindo... e profundo e sincero
Também sinto saudades de uma epoca que não voltará, uma epoca que mesmo (talvez) enganada eu era feliz, mas passou, o engraçado e ver que as dores e delicias da vida são comuns a todos, sem exceção e em especial as mulheres