segunda-feira, 26 de março de 2012

A tal da química...

Quando eu estava na escola a matéria que eu mais odiava era química. Não entendia nada de moléculas, nem de fórmulas e muito menos sabia o significado daquele monte de elementos da tabela periódica. O mundo, pra mim, seria perfeito sem a tal da química.

Aí eu cresci e passei a dar importância a outro tipo de química, igualmente complicada àquela do colégio: a química do relacionamento. Já falei sobre isso em posts anteriores, mas sempre em contextos diferentes. E sempre afirmei que a química é algo necessário para um relacionamento dar certo e, ao contrário do que dizem, ela não se constrói: ou você tem ou não tem.

Sexta-feira eu jantei com um moço. A conversa sempre foi boa, o "perfil" dele era bem bacana, mas não tivemos a química. Tentei, eu juro que tentei. Mas, feliz ou infelizmente, sou movida a frio na barriga. Se quando o cara dá a mão pra você e você não sente nada, esquece. Desse mato não sai cachorro nenhum. Não, eu não espero a musiquinha de fundo quando se dá um beijo, mas eu espero, sim, um pouco de mágica. Não aquela mágica hollywoodiana, mas a mágica de que, naquele momento, o seu mundo parou. Será que é devaneio meu?

Eu já vivi essa sensação do mundo parar completamente, de tudo ficar em silêncio (mesmo que você esteja em uma balada punk) e do coração disparar e sinceramente acredito não sentir isso de novo. Já tive uma vez, foi lindo e estou contente com isso. Mas espero, pelo menos, ter uma sensação que chegue perto disso. Ou que pelo menos faça meu coração bater mais forte e sentir saudade (e vontade) de repetir o encontro.

Dito isso, não preciso dizer que esse pretendente a pretendente vai ter que procurar outra candidata. Por mais que ele seja uma pessoa maravilhosa e disposta a um relacionamento verdadeiro, eu preciso sentir as tais "borboletas no estômago". Além disso, não sei se é um erro meu, mas não gosto de nada muito fácil e nem de gente muito "disponível". O cara jantou comigo na sexta e no sábado me mandou um coração via SMS. Meio rápido,não? Ou então eu não senti o que ele sentiu e é por isso que fiquei "incomodada"?

Fato é: a tal da química importa, e muito. E é muito mais complexa do que uma simples tabela periódica...

2 comentários:

Natália disse...

Sem química, não rola... pelo menos eu tb sou assim!

Bjs!

Fernanda disse...

Tati cuidado, as coisas não acontecem sempre assim, procure dar mais chances as pessoas, abra seu coração. As vezes vc pode estar dispensando uma pessoa muito legal, levando em conta só uma primeira impressão!