quarta-feira, 29 de maio de 2013

Os 30 estão chegando...

Oi pessoal!
Voltei depois de um longo e tenebroso inverno. Sem novidades, como sempre. Quer dizer, com novidades do trabalho (o que é muito bom). Tenho trabalhado como maluca. Pra quem acha que a carreira solo significa menos trabalho, tá enganado. O trabalho triplica. E a gente é obrigado a fazer coisas que detesta; financeiro,por exemplo. ODEIO!

Mas o post de hoje é para contar que dia 8 de julho eu faço 30 anos. E que daqui alguns dias eu entro no meu inferno astral (pra quem acredita...eu acho que semi-acredito). E sabem que a crise nem está batendo? Eu realmente carrego a esperança de que, nos 30, a gente adquire uma sabedoria que simplesmente não existe nos 20. Eu espero isso de coração.

De resto, meu povo, nada nada nada nada nada de novo. Sabe o que é nada? É nada mesmo. Aconteceram umas coisas bem chatas, mas que não vale a pena comentar porque se recordar é viver, eu quero esquecer disso. E bola pra frente.

Fico feliz em vir aqui e ver que tem bastante gente que ainda entra aqui em busca de novidades. Prometo que vou vir sempre que puder (ou que tiver o que falar).

Beijos,
Tati

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Sem título...

Sem título porque não sei exatamente se esse post vai ter um foco...

Adorei os comentários que recebi no meu último (e, admito, depressivo) post. Mas acontece que foi um momento de fraqueza e achei que deveria vir aqui me explicar.

Estou vivendo um momento profissional maravilhoso: abri mão de uma carreira na agência dos meus sonhos para abraçar a carreira solo. Não foi o primeiro ano que eu esperava na vida de "businesswoman", mas de uns tempos pra cá (do começo deste ano pra cá, pra ser exata) as coisas começaram a andar. Ganhei novos clientes, ampliei meu leque de contatos, aprendi a ser mais atirada comercialmente e vi que eu podia SIM tocar um negócio meu. Provei, não para o mundo, mas pra mim mesma que eu era capaz. E isso me faz muito feliz. Muito mais do que vocês possam imaginar. Conseguir conciliar maternidade e trabalho me fez realizada.

Então não,eu não choro todos os dias. Aliás, fazia muuuuuuuuuito tempo que eu não chorava por me sentir vazia emocionalmente. E sabem por quê? Porque eu estou me sentindo cheia...cheia de vida, cheia de vontade de fazer o trabalho dar certo. Eu acordo animada para o dia que vai vir e durmo feliz por cada pequena conquista daquele dia. Mas não existe Pollyana sempre feliz e sábado foi meu dia de fraqueza.

Fraqueza porque eu estava esperando uma ligação. Fraqueza porque eu estava num tempo chuvoso com todas as amigas ocupadas com o namorado. Fraqueza porque - e eu sei que isso é aquela coisa do colher o que plantou - eu não posso simplesmente me largar no mundo porque eu tenho uma filha e preciso cuidar dela, estar com ela. Ela é meu presente, meu sol, minha luz e meu mundo...mas fato que é beeeeem mais fácil ser solteira sem filhos. E muita mãe solteira aí vai concordar comigo.

Enfim...depois que sentei e escrevi o post eu enxuguei as lágrimas, saí de casa e fui passear com a minha tia, minhas primas e minha pequena grande mulher (Madu). E meu dia não poderia ter sido melhor. Não poderia ter querido outra coisa pra um sábado chuvoso que não fosse a minha família. E isso fez aquele chororô parecer nada perto do tanto de risadas que demos. E fez-se um fim de semana feliz.

Então não. Não espero todos os dias um príncipe porque eu mesma não acredito em príncipe. Não espero que uma pessoa me faça feliz porque eu sei que posso ser feliz sozinha. Não espero um grande amor porque - e isso não vai mudar - o mundo está maluco e acho que grande amor é coisa do passado. Mas isso é assunto pra outro post, outro dia...

Eu sou feliz, de verdade. Mas, como todo mundo, passo por dias em que ser feliz sozinha não me basta. Tipo aquele sábado de chuva...

beijos e adoro cada comentário que leio aqui...

sábado, 13 de abril de 2013

E hoje eu chorei...

...chorei como fazia tempo que não chorava. Chorei porque o céu está cinza. Chorei porque o céu também chora. Chorei porque eu cansei.

Não tenho mais força pra correr atrás. Não tenho mais paciência. Não tenho mais vontade. Ou melhor, até tenho vontade, mas foram tantos os erros e são tantas as feridas que eu perdi a vontade de lutar e correr atrás.

Acho que não quero muito. Não quero um anel da Tiffany. Não quero um casamento pomposo, cheio de gente. Não quero um final de cinema, com tudo perfeito. Eu só quero uma companhia. Quero ter alguém que fique ao meu lado num sábado de chuva. Quero alguém que queira me contar sobre o seu dia. Quero alguém que queira dividir os problemas comigo. Quero alguém que queira que eu testemunhe a sua vida. Não acho que isso seja pedir demais.

Só que o mundo está louco; as pessoas estão loucas. Os relacionamentos andam cada vez mais vazios e difíceis. O amor virou artigo de luxo, muito pior que tomates.

E por tudo isso eu chorei. Chorei para, quem saber, lavar a alma e acordar amanhã com um domingo melhor....

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Voltando, de novo...

Voltei, de novo. Já se acostumaram com meu sumiço temporário,né? E fico super feliz por ver que, cada vez eu volto, vocês voltam comigo.

Ontem vim aqui rapidinho para perguntar o que vocês acham de uma amizade colorida. Eu acho complicado pra caramba e estou cheeeeeeeia de dúvidas.

Quem vai me contar o que acha? Tem futuro promissor uma coisa "friends with benefits"? Como sair do território amizade colorida pra relacionamento?

Dicas, dicas, please....

quarta-feira, 6 de março de 2013

Um dia?

Um dia duas pessoas se conheceram. Viveram. Separaram.
Um dia duas pessoas combinaram que se reencontrariam. Não marcaram data. Não marcaram local. Marcaram apenas que, se a vida assim quisesse, um saberia buscar o outro. Não fizeram grandes juras de amor, mas juraram se achar, caso pudessem.

Aí a vida seguiu, já que a vida não espera. Cada um cursando aquilo que busco para si. Tropeçaram, levantaram, sorriram, choraram. E nunca mais se falaram.

Mas e agora? E quando a vida devolve a chance de um poder buscar o outro? E quando os dois sabem (ou pelo menos imaginam) que aquele combinado feito pode ser cumprido?

Como é que se decide quem vai dar o primeiro passo? E depois que decidir? Será que o passo será mesmo dado?

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Da série...

...tudo o que eu queria era um e-mail na minha caixa de entrada.

...tudo o que eu queria era ser aceita no Facebook.

...tudo o que eu queria era ser uma opção na vida do Bradley Cooper (porque se nada der certo,sempre teria o Bradley....)

Pode,Brasil?

Beijos,

Tati - mais animada...mesmo mesmo mesmo. Mas ainda meio pensativa...hahahahahaha

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Hoje eu estou...

...chateada. Bastante.

Fico me perguntando o que eu faço de errado pra nunca dar certo. Ou ainda se é a minha "missão" nesse mundo bater eternamente a cabeça quando o assunto é relacionamento.

Não sei mesmo o que acontece, se o problema sou eu, se o problema é o outro ou se é apenas o conjunto da obra.

Não sei. E isso me chateia. Porque por mais que eu assuma uma postura forte pra todo mundo, dizendo que estou com foco em outro lugar que não o coração, eu sinto vontade de ter alguém que seja completamente meu.

É isso...vim aqui desabafar,como sempre faço.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Vim dar um alô...

Faz tempo que não apareço,né? Muito também porque não sei o que escrever. Falta de história ou medo de ficar pensando muito. E um pouco de vontade de me privar, apesar de adorar esse cantinho...

Muita coisa tem acontecido e, ao mesmo tempo, não tem acontecido nada. Bizarro? Um pouco. Complicado de explicar? Muito.

Fato é que estou feliz. Feliz porque tenho certeza de que 2013 será um bom ano pra mim. Porque é isso que estou fazendo...construindo esse ótimo ano.

Volto logo...prometo!
Beijos!

PS: Alguém ainda me lê??

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

O ano dos meus 30...

Então que eu vou fazer 30 anos. 30. E não estou em crise. Pelo contrário...estou amando.

E decidi fazer 30 coisas que nunca fiz na vida. Não sei ao certo quais serão as 30, mas já fiz duas e vou dividir com vocês;

1- Caminhar todos os dias. Já que eu odeio academia, andar é um ótimo exercício.
2- Praticar o bem e a caridade. Apadrinhei um cachorrinho. R$20,00 por mês. Uma não ida ao Mc Donald's e eu ajudo um cãozinho que precisa de cuidados especiais.
3- A terceira tem a ver com a caridade também, mas ainda não posso contar porque é surpresa...

Preciso de mais 27...quem me sugere?

Beijos!!

sábado, 5 de janeiro de 2013

Ser mãe é...

Fatos da maternidade que ainda não me acostumei:

Cenário: Tati e Madu assistindo Glee, quando dizem:
"Namoramos as duas únicas garotas do colégio que não querem transar..."

Madu vira: Mãe, o que é transar?
Eu: (silêncio sepulcral)......
Eu: (depois do silêncio): Ahn?
Madu: Ah...já sei...é namorar.
Eu: (em dúvida) É.....hum....
Madu: Mas é namorar tirando a roupa.
Eu: ....

Recordar é viver...e aprender.

Hoje uma grande amigo passou o dia comigo. Amigo mesmo, daqueles que a gente abre o coração e confessa o lado humano que tentamos (às vezes) esconder do resto do mundo.

E, depois de uma sessão de filme triste, pela primeira vez eu contei pra ele a história do blog (e, consequentemente, do Mr.Right). E recordar é viver. Mas, por incrível que pareça, não foi uma narração triste, cheia de dor como os posts que já escrevi atrás. Foi uma narração de uma pessoa que enfrentou de cabeça erguida uma dor muito forte. A de uma pessoa que superou seus limites emocionais quando achou que nada mais parecia fazer sentido. E aí eu aprendi hoje que recordar é viver e aprender.

Cada vez que conto a minha história de vida amorosa eu aprendo um pouco mais com tudo o que eu passei. E quanto mais o tempo passa, mais eu entendo e aprendo. E hoje foi um dia que eu contei a minha história inteira...começando do amor de adolescência até o dia de hoje, 5 de janeiro. E revivi tudo aquilo...todos os sentimentos, todo frio na barriga que senti com cada "paixonite" ou paixãozona que tive. Contei pra esse amigo como eu caí de cama depois do casamento do Mr.Right e como isso me ensinou que o maior amor é aquele que a gente por nós mesmos.

E depois de contar pra ele, vim aqui contar isso para vocês. Acho que é porque eu  gosto de dividir com os leitores que eu sei que entram aqui o que eu penso, o que eu sinto, o que eu acho. Me sinto meio "em débito" por ter começado esse espaço quando eu me sentia fraca e agora que tudo está melhor, sumir. Não tem que ser assim. Não precisa. Posso vir aqui e dividir não só meu muro de lamentações, mas também o que a gente pode tirar de cada tropeção amoroso que temos (que não são poucos).

É isso...recordar é viver e aprender. E viver melhor depois.

PS: ....................................... "muita coisa já se passou...."

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Apenas algumas observações..

1- Deveria ser detetive...eu consigo achar simplesmente de tudo nessa internet. Se alguém precisar de ajuda, falar comigo...hahahaha

2- De que adianta ter acesso a uma informação se você não faz a MENOR ideia do que pode fazer com ela?

3- A curiosidade matou o gato. Mas ele deve ter morrido feliz.

4- E agora, José??

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

2013 chegou!!!!!!!

...e que com ele só me venham notícias boas!!

E para todos nós, um ano de muita paz, saúde e amor...!